Estado nutricional e pressão arterial de estudantes de uma Escola de Minas Gerais, Brasil / Nutritional status and blood pressure of students from a School in Minas Gerais, Brazil

Vanessa Silva Lima, Anna Luiza Gonçalves Magalhães, Júlia Alves Campos Carneiro, Marconi Guarienti, Olímpio Pereira de Melo Neto, Paulo Vítor Bernardes Sidney Silva, Maura Regina Guimarães Rabelo, Marilene Rivany Nunes Nunes

Resumo


Objetivo: Analisar a correlação entre o estado nutricional e a pressão arterial de estudantes de uma escola do interior de Minas Gerais, Brasil. Métodos: Estudo transversal quantitativo, feito em agosto de 2018, com estudantes de uma escola pública, do terceiro ao sexto ano do Ensino Fundamental. Foram submetidos a uma avaliação antropométrica segundo as “Orientações para a coleta e análise de dados antropométricos em serviço de saúde” da Norma Técnica do Sistema de Vigilância Alimentar e Nutricional (SISVAN). E a uma aferição da pressão arterial de acordo com a 7ª Diretriz Brasileira de Hipertensão Arterial da Sociedade Brasileira de Cardiologia. Utilizou-se o programa Statiscal Package for the Social Sciences (SPSS), versão 22.0, para os cálculos de frequência, média, desvio padrão, correlações e associações. Resultados: Participação de 76 estudantes, sendo 57,9% sexo feminino e 42,1% sexo masculino. Em relação ao IMC por idade, 24% estavam com sobrepeso ou obesidade ou obesidade grave, quanto o peso por idade 25,9% apresentou peso elevado para a idade, e a maior prevalência em ambas foi nos meninos. Encontrou-se que 9,2% apresentam hipertensão estágio 1. E ao correlacionar IMC com PAS, obteve uma correlação significativa, p<0,05. Conclusão: Percentual expressivo de estudantes com excesso de peso e\ou hipertensão arterial, assim, é necessária união entre a atenção básica de saúde e as escolas para identificar precocemente os estudantes com medidas alteradas, além de fazerem ações educativas para prevenir e evitar complicações.


Palavras-chave


Epidemiologia, Estudantes, Antropometria, Pressão Arterial.

Texto completo:

PDF

Referências


- SIMÃO AF, PRECOMA DB, ANDRADE JP, CORREA FILHO H, SARAIVA JFK, OLIVEIRA GMM, et al. Sociedade Brasileira de Cardiologia. I Diretriz Brasileira de Prevenção Cardiovascular. Arq Bras Cardiol. 2013; 101(6): 1-63.

- HERNANDES F, VALENTINI MP. Obesidade: causas e consequências em crianças e adolescentes. Conexões. 2010; 8(3): 47-63.

- Ministério da Saúde (Brasil). Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. Saúde na escola. Brasília: Ministério da Saúde, 2009.

- Ministério da Saúde (Brasil). Portaria Interministerial nº 1.055, de 25 de abril de 2017. Redefine as regras e os critérios para adesão ao Programa Saúde na Escola - PSE por estados, Distrito Federal e municípios e dispõe sobre o respectivo incentivo financeiro para custeio de ações. 2017.

- Organização Pan-Americana de Saúde (Opas); Organização Mundial da Saúde Na Américas (Oms/Américas). Obesidade entre crianças e adolescentes aumentou dez vezes em quatro décadas, revela novo estudo do Imperial College London e da OMS. 2017. Disponível em: https://www.paho.org/bra/index.php?option=com_content&view=article&id=5527:obesidade-entre-criancas-e-adolescentes-aumentou-dez-vezes-em-quatro-decadas-revela-novo-estudo-do-imperial-college-london-e-da-oms&Itemid=820.

- Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística-IBGE (Brasil). Pesquisa de orçamentos familiares 2008-2009: análise do consumo alimentar pessoal no Brasil. Rio de Janeiro: IBGE, 2011a

- CHRISTOFARO DGD, ANDRADE SMA, FERNANDESD RA, OHARA D, DIAS DF, JÚNIOR IFF, et al. Prevalência de fatores de risco para doenças cardiovasculares entre escolares em Londrina - PR: diferenças entre classes econômicas. Rev. bras. Epidemiol. 2011; 14(1): 27-35.

- MALACHIAS MVB, SOUZA WKSB, PLAVNIK FL, RODRIGUES CIS, BRANDÃO AA, NEVES MFT, et al. 7ª Diretriz brasileira de hipertensão arterial. Arq Bras Cardiol. 2016; 107(3): 1-83.

- ROSANELI CF, BAENA CP, AULER F, NAKASHIMA ATA, OLIVEIRA ERN, OLIVEIRA AB, et al. Aumento da Pressão Arterial e Obesidade na Infância: Uma Avaliação Transversal de 4.609 Escolares. Arq Bras Cardiol. 2014; [online].ahead print, PP.0-0

- Ministério da Saúde (Brasil), Secretaria de Atenção à Saúde, Departamento de Atenção Básica. Orientações para a coleta e análise de dados antropométricos em serviços de saúde: Norma Técnica do Sistema de Vigilância Alimentar e Nutricional – SISVAN. Brasília: Ministério da Saúde, 2011b.

- SOARES LR, PEREIRA MLC, MOTA MA, JACOB TA, SILVA VYNE, KASHIWABARA TGB, et al. A transição da desnutrição para a obesidade. BJSCR. 2014; 5(1): 64-68.

- Ministério do Planejamento (BR), Orçamento e Gestão (BR). Pesquisa de orçamentos familiares 2008-2009: antropometria e estado nutricional de crianças, adolescentes e adultos no Brasil. Rio de Janeiro: IBGE; 2010.

- STEIL WF, POLL, FA. Estado nutricional, práticas e conhecimentos alimentares de escolares. Cinergis. 2017; 18(3): 1-7.

- RECH RR, SANDRI R, BUENO RCS, BORGES JS, et al. Prevalência de obesidade em escolares de 7 a 12 anos de uma cidade Serrana do RS, Brasil. Rev Bras Cineantropom Desempenho Humano. 2010; 12(2): 90-97.

- PAULA FAR, LAMBOGLIA CMGF, SILVA VTBL, MONTEIRO MS, MOREIRA AP, PINHEIRO MHNP, SILVA CAB, et al. Prevalência de sobrepeso e obesidade em escolares da rede pública e particular da cidade de Fortaleza. Rev Bras Promoç Saúde. 2014; 27(4): 455-461.

- BARROS MZ, FRANCO SCA, CUSTÓDIO JMO, NASCIMENTO JMO. Avaliação nutricional de crianças de 7 a 10 anos assistidas pelo programa mesa brasil. Brazilian Journal of health Review. 2020; 3(2):3504-3507

- PAULI PR, ALMEIDA P, STIMER G, BUENO JM, et al. Avaliação antropométrica entre alunos na faixa etária de 7 a 11 anos de escolas da rede municipal de ensino de Guarapuava-PR. Revista Brasileira de Obesidade, Nutrição e Emagrecimento. 2017;11(65): 348-357.

- MONEGO ET, JARDIM PCBV. Determinantes de risco para doenças cardiovasculares em escolares. Arq. Bras. Cardiol. 2006; 87(1): 37-45.

- RIBAS AS, SILVA LCS. Fatores de risco cardiovascular e fatores associados em escolares do Município de Belém, Pará, Brasil. Cad. Saúde Pública. 2014; 30(3): 577-586.

- QUEIROZ VM, QUEIROZ VM, MOREIRA PVL, VASCONCELOS THC, VIANNA RP. Prevalência e preditores antropométricos de pressão arterial elevada em escolares de João Pessoa – PB. Arq. Bras. Cardiol. 2010; 95(5): 629-635.

- PINTO EJ, SILVA RCR, PRIORE SE, ASSIS AMO, PINTO EJ. Prevalência de pré-hipertensão e de hipertensão arterial e avaliação de fatores associados em crianças e adolescentes de escolas públicas de Salvador, Bahia, Brasil. Cad. Saúde Pública. 2011; 27(6): 1065-1076.

- BRANDÃO-SOUZA C, DOURADO CS, QUINTE GC, JUSTO GF, MARIA DEL CARMEN BISI MOLINA MDCB. Pressão arterial elevada em escolares de 7 a 10 anos da rede de ensino de um município rural do Espírito Santo. Cad. Saúde Colet. 2018; 26(1): 31-37.

- MOURA AA, SILVA MAM, FERRAZ MRT, RIVERA IR. Prevalência de pressão arterial elevada em escolares e adolescentes de Maceió. Jornal de Pediatria. 2004; 80(1): 35-40.

- REUTER EM, REUTER CP, BURGOS LT, RECKZIEGEL MB, NEDEL FB, ALBUQUERQUE IM, et al. Obesidade e hipertensão arterial em escolares de Santa Cruz do Sul – RS, Brasil. Rev Assoc Med Bras. 2012; 58(6): 666-672.

- Secretaria de estado da saúde do paraná. Linha guia de hipertensão arterial. Curitiba: 2018.




DOI: https://doi.org/10.34115/basrv4n4-039

Apontamentos

  • Não há apontamentos.