Possíveis riscos à saúde em corredoras de rua de Boa Vista / Possible health risks in Boa Vista street runners

Melissa Dandara de Oliveira Duarte, Marcelo Calixto Mineiro, Marcello da Silva Soares, Emanuel Alves de Moura

Resumo


Ao perceber o grande número de praticantes de caminhada e Corrida de Rua em Boa Vista, principalmente mulheres não atletas, levantou-se o questionamento se elas estão sujeitas a possíveis riscos à saúde relacionadas a sua composição corporal e ao seu perfil somatotípico. Objetivo: Expor os possíveis riscos à saúde relacionando a sua composição corporal e perfil somatotípico em corredoras de rua, não atletas, de idade entre 18 a 30 anos, na cidade de Boa Vista. Metodologia: A presente pesquisa é de natureza aplicada, descritiva, caracteriza-se como Levantamento (Survey). A abordagem do problema foi quantitativa. O universo é composto por todas as corredoras de rua que não são atletas profissionais, de idade entre 18 a 30 anos. A amostra foi composta por 20 voluntárias que atenderam aos critérios de exclusão e inclusão, que foram aferidos por meio de uma Anamnese. Resultados: Observou-se que a maioria das avaliadas possui o Índice de Massa Corporal na faixa recomendável. Tendo em vista a Relação Cintura-Quadril, percebe-se que a maioria da amostra possui risco moderado em relação a riscos cardiovasculares. A média de perfil somatotípico aferida foi Endo-Mesomórfica, porém há uma diversidade de somatotipos na amostra, como Ecto-Endomorfo, Meso-Endomórfico e Central. Além disso, 65% corredoras não possuem o acompanhamento de um profissional de Educação Física.  Conclusão:  A maioria das corredoras de rua da amostra não possuem muitos riscos de saúde relacionadas a obesidade e baixo-peso, tendo em vista que estão na faixa recomendável no IMC e RCQ. Porém percebemos que a maioria da amostra não possui acompanhamento de um profissional de Educação Física, o que pode trazer riscos na prática de corrida de rua.


Palavras-chave


Antropometria, Corrida, Mulheres, Saúde

Texto completo:

PDF

Referências


BECK, C. C. et al. Ficha Antropométrica Na Escola: O Que Medir E Para Que Medir? Revista Brasileira de Cineantropometria e Desempenho Humano. v. 9, n. 1, p. 107-114, mar. 2007.

BRASIL. Ministério da Saúde, Secretaria de Vigilância em Saúde e Departamento de Vigilância de Doenças e Agravos não Transmissíveis e Promoção da Saúde. Vigitel Brasil 2013: vigilância de fatores de risco e proteção para doenças crônicas por inquérito telefônico. Brasília: Ministério da Saúde, 2014.

BROGLIATO, C. Corrida é coisa de mulher, sim! Ativo, 2018. Disponível em: . Acesso em: 20/07/2020.

CARLUCCI, E. M. S. et al. Obesidade e sedentarismo: fatores de risco para doença cardiovascular. Comunicação em Ciências da Saúde. v. 24, n. 4, p. 375-384, 2013.

FILHO, A. O.; SHIROMOTO, R. N. Efeitos do exercício físico regular sobre índices preditores de gordura corporal: índice de massa corporal, relação cintura-quadril e dobras cutâneas. Revista da Educação Física/UEM; Maringá, v. 12, n. 2, p. 105-112, 2. sem. 2001.

GORLA, J. I. et. al. Composição corporal e perfil somatotípico de atletas da seleção brasileira de futebol de 5. Revista Brasileira de Ciências do Esporte, Brasília, v. 39, n. 1, p. 79-84, 2017.

GUEDES, D. P.; GUEDES, J. E. R. P. Manual Prático para Avaliação em Educação Física. Barueri, SP: Manole, 2006.

GUEDES, D. P. et al. Baixo peso corporal/magreza, sobrepeso e obesidade de crianças e adolescentes de uma região brasileira de baixo desenvolvimento econômico. Revista Paulista de Pediatria, São Paulo, v. 31, n. 4, p. 437-443, dec. 2013.

HEYWARD, V. H. Avaliação Física e Prescrição de Exercícios: técnicas avançadas. 4ª edição. Porto Alegre: Artmed, 2004.

OLIVEIRA, J. J. Rio 2016 suporta crescimento da maratona na cidade. Valor, São Paulo, 2016. Disponível em: . Acesso em: 20/07/2020.

PICON, P. X. et. al. Medida da Cintura/Quadril e Identificação de Situações de Risco Cardiovascular: Estudo Multicêntrico em Pacientes com Diabetes Melito Tipo 2. Arquivos Brasileiros de Endocrinologia e Metabologia, v. 51, n. 3, p. 443-449, 2007.

PITANGA, F. J. G. Testes, Medidas e Avaliação em Educação Física e Esportes. 3ª edição. São Paulo: Phorte, 2004.

PRODANOV, C. C.; FREITAS, E. C. Metodologia do Trabalho Científico: Métodos e Técnicas da Pesquisa e do Trabalho Acadêmico. 2ª edição. Novo Hamburgo: Feevale, 2013.

SALGADO, J. V. V. Corrida de rua: análise do crescimento do número de provas e de praticantes. CONEXÕES, Revista da Faculdade de Educação Física da UNICAMP, Campinas, v. 4, n. 1, 2006 – ISSN 1983 – 9030.

SHELDON, W. H.; STEVENS, S. S.; TUCKER, W. B. The varieties of human physique, Nova York. Harper & Bros, 1940.

SILVA, D. A. S. et al. O antropometrista na busca de dados mais confiáveis. Revista Brasileira de Cineantropometria e Desempenho Humano, 13(1):82-85, 2011.

SILVEIRA, E. F.; SOUZA, S. G.; SCHMIDT, A. Atividade física sem orientação: riscos para quem pratica. Educación Física y Deportes. Buenos Aires, v. 19, n. 192, maio 2014.

TAVARES, T. B.; NUNES, S. M.; SANTOS, M. O. Revista Médica de Minas Gerais, v. 20, n.3, p. 359-366, 2010.




DOI: https://doi.org/10.34115/basrv4n4-031

Apontamentos

  • Não há apontamentos.