Estimativa de reserva através de perfis geofísicos de poços do Campo de Namorado – Bacia de Campos / Reserve estimate through geophysical profiles of Campo de Namorado - Bacia de Campos

Carlos André Maximiano da Silva, Vitória Felício Dornelas, Natália Valadares de Oliveira

Resumo


Dentre as etapas de exploração e produção de um campo petrolífero, destaca-se a perfilagem geofísica. A interpretação de perfis geofísicos geram dados que nos permitem estimar a quantidade de óleo “in place” de uma jazida. Com os dados de raios gama, resistividade (indução), densidade e neutrão, do campo de Namorado – Bacia de Campos, disponibilizados pela ANP foram gerados gráficos no software MatLab R2011a. A interpretação dos perfis citados permitem inferir sobre a litologia, porosidade e saturação da rocha reservatório, parâmetros importantes para o cálculo da quantidade inicial de óleo in place. Um dos métodos mais utilizados para estimar a quantidade de fluido acumulado na rocha é denominado método volumétrico, com ele estima-se o volume de óleo em função da porosidade do reservatório e da saturação de fluidos na mesma. O poço analisado possui áreas de interesse com boas condições de porosidade e saturação, e consequentemente, apresenta bons resultados de volume de óleo in place. Este método de avaliação traz melhores resultados quando utilizado no início da produção, e envolve uma combinação de mapeamento geológico, análise petrofísica e da engenharia de reservatórios.

reservatório, petrofísica, perfilagem de poços.

Palavras-chave


reservatório, petrofísica, perfilagem de poços.

Texto completo:

PDF

Referências


CONTREAS, S. A, C.; CASTRO, J. C. Metodologia para determinar parâmetros petrofísicos de corte em um campo de petróleo: o caso Socororo, bacia do Oriente, Venezuela. REM: R. Esc. Minas, Universidade Estadual Paulista –Campus Rio Claro. São Paulo. 2012.

DAKE, L. P. Fundamentals of reservoir engineering. ELSEVIER. Nova York, 1978.

ELLIS, D. V.; SINGER, J. M. Well Logging for Earth Scientists. Segunda edição. Springer. The Netherlands, 2007.

FERREIRA, D. Curva de Hubbert: uma análise das reservas brasileiras de petróleo. 2005. 101 f. Dissertação (Mestrado) – Universidade de São Paulo, São Paulo, 2005.

GONZALEZ, S. P. Estimativa de saturação de água conata em reservatórios clásticos. Universidade Federal Fluminense, 2014.

JAHN, Frank et al. Introdução à Exploração e Produção de Hidrocarbonetos. Segunda edição. Rio de Janeiro: Elsevier, 2012.

RANSOM, R. C. Practical Formation Evaluation. Editora Wiley. Canada, 1995.

ROCHA, L. A. S.; AZEVEDO, C. T. Projeto de Poços de Petróleo. Segunda edição. PETROBRAS. Rio de Janeiro: Editora Interciência Ltda, 2009.

ROSA, A. J.; CARVALHO, R. de S.; XAVIER, J, A. D. Engenharia de Reservatórios de Petróleo. PETROBRAS. Rio de Janeiro: Editora Interciência Ltda, 2006.

ROSA, Henrique. Estudo de caracterização de eletrofácies por meio de perfis geofísicos de poços e de amostras de testemunhos utilizando estatística multivariada. 2006. 230 f. Dissertação (Doutorado) – Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 2006.

SFREDO, P. B. Construção de área de calibração da ferramenta de indução e estudo de sua funcionalidade para análise de propriedades petrofísica de formações geológicas. Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, 2006.

SILVA, C. B. Solução da Equação de Archie com Algoritmos Inteligentes. 2011. 82 f. Dissertação (Doutorado) – Universidade Federal do Pará, Belém, 2011.

SOUSA, N. N. S. et al. Metodologia de explotação de petróleo: da interpretação de perfis à previsão de produção. Cadernos de Graduação – Ciências Exatas e Tecnológicas – v. 11 – n. 11. 2010.

THOMAS, J. E. Fundamentos de Engenharia de Petróleo. Segunda edição. PETROBRAS. Rio de Janeiro: Editora Interciência Ltda, 2001.




DOI: https://doi.org/10.34115/basrv4n4-010

Apontamentos

  • Não há apontamentos.