Avaliação da produtividade de milho hidropônico sobre substrato de bagaço de cana-de-açúcar / Evaluation of hydroponic corn productivity on sugar cane sugstrate

Josimar da Silva Chaves, Maria Lorrayne de Araújo Leal, Romildo Nicolau Alves, Tarcísio Gomes Rodrigues, Fernando Gomes de Souza, Análie Francine Matias Miranda, João Pedro Santos do Nascimento, Ronielly Barbosa Soares

Resumo


A produção de forragem hidropônica é uma técnica utilizada como alternativa para a nutrição animal. Objetivou-se avaliar a produtividade e a qualidade bromatológica da forragem hidropônica de milho cultivada sobre substrato bagaço de cana. O experimento foi conduzido no Instituto Federal de Ciência e Tecnologia de Roraima – Campus Novo Paraíso, no município de Caracaraí, Roraima. O experimento foi realizado em delineamento em blocos casualizados, com cinco taxas de semeadura (tratamentos) e quatro repetições. Utilizaram-se sementes de milho híbrido 2022, semeada sobre uma lona dupla face. Iniciada a germinação, procedeu-se à fertirrigação com solução nutritiva. Para a avaliação, determinou-se a altura da planta (cm) e a produtividade de volumoso (kg m2 e t ha-1) e efetuando-se as análises bromatológicas (% N, PB, FDA, FDN e NDT). Para tais análises, foram coletadas plantas de milho, secadas e posteriormente trituradas. A produtividade de forragem natural (k m² e t ha-1), a altura das plantas e o teor de fibra neutro (FDN) de milho hidropônico foram maiores na taxa de semeadura de 2,5 kg m². Essas variáveis foram influenciadas pela taxa de semeadura, porém com menor teor de proteína bruta. Os resultados mostram que o bagaço de cana-de-açúcar é um substrato adequado para milho hidropônico, justificado pelo fato de o mesmo apresentar mínima perda de umidade, evitando a perdas dos nutrientes da solução nutritiva. À taxa de semeadura de 1,0 kg m², a forragem produzida apresentou maior teor de nitrogênio, proteína bruta e nutrientes digestíveis totais, que são importantes para a nutrição animal.


Palavras-chave


Forragem, Hidroponia, Produtividade, Suplementação.

Texto completo:

PDF

Referências


ABIEC - Associação Brasileira das Indústrias Exportadoras de Carnes Bovinas. Perfil da Pecuária do Brasil. (Relatório anual). São Paulo, 48p. 2018.

AMORIM, C. et al (2001). Composição bromatológica e degradabilidade in situ da planta de milho (Zea mays) produzida por hidroponia. In: REUNIÃO ANUAL DA SOCIEDADE BRASILEIRA DA ZOOTECNIA, 38., 2001, Piracicaba, SP. Anais... Piracicaba: SBZ, 2001. (CD ROOM, Forragicultura).

ARAÚJO, V.S. et al. Forragem hidropônica de milho cultivada em bagaço de cana e vinhoto. Revista Brasileira de Milho e Sorgo, v.7, n.3, p.251-264, 2008.

ARAÚJO, N.C. et al. Cultivo hidropônico de milho fertirrigado com urina humana como fonte alternativa de nutrientes. Irriga, v.20, p.718-729, 2015.

CAMPÊLO, J.E.G. et al. Forragem de milho hidropônico produzidos em diferentes substratos. Revista Brasileira de Zootecnia, v.36, n.2, p.276-281, 2007.

CAMPOS, F. P. de; NUSSIO, C. M. B.; NUSSIO, L. G. Métodos de análise de alimentos. Piracicaba: FEALQ, [2004]. 135 p.

CREVELARI, J. A. Forragem hidropônica de milho cultivado em bagaço de cana de açúcar, com diferentes densidades de semeadura e diluições de vinhoto. (Trabalho Monográfico) – Campos dos Goytacazes – RJ, Universidade Estadual do Norte Fluminense Darcy Ribeiro – UENF, (2011). 34p.

FRAGA, T. M. et al. Influência de três variedades de milho (Zea mays, L.) e dois substratos na produção de forragem hidropônica. Nucleus Animalium, v.1, n.1, 2009.

FERREIRA, D. F. Sisvar: a computer statistical analysis SYSTEM. Ciência Agrotecnologia - UFLA. v.35. n.6. p.1039 – 1042. 2014.

LOCATELLI, T. Forragem hidropônica de milho cultivado em bagaço de cana e capim napier com diferentes soluções nutritivas – (Trabalho Monográfico) – Campos dos Goytacazes – RJ, Universidade Estadual do Norte Fluminense Darcy Ribeiro – UENF, 2016. 54p.

MANHÃES, N.E. et al. Forragem de milho hidropônico cultivado em bagaço de cana-de açúcar, com diferentes densidades de semeadura e concentrações de vinhoto. Revista Cadernos de Agroecologia, v.6, n.2, 2011.

MATOS, D.C.; TEIXEIRA, E.C. Avaliação do rendimento e da qualidade bromatológica da forragem de milho hidropônico produzida com diferentes fertilizantes. (Monografia de Graduação) – Brasília - DF- Universidade de Brasília / Faculdade de Agronomia e Medicina Veterinária, 2016. 58p.

NAIK, P. K. et al. Effect of seed rate on yield and proximate constituents of different parts of hydroponics maize fodder. Indian Journal of Animal Sciences. 2017.

NATIONAL RESEARCH COUNCIL - NRC. Nutrient requeriment of beef cattle. 7ª ed. Washington: National Academy Press, 1996. 242 p.

NUSSIO, L. G.; CAMPOS, F. P.; LIMA, M. L. M. Metabolismo de carboidratos estruturais. In: Editores: BERCHIELLI, T. T.; OLIVEIRA, A. V. P.; GISELE, S de. Nutrição de ruminantes. Jaboticabal: Funep, 2010. p. 193-238.

ROCHA, R.J.S. et al. Produtividade e composição química da forragem hidropônica de milho em diferentes densidades de semeadura no substrato casca de arroz. Revista Científica de produção animal, v.16, p.25-31, 2014.

SANTOS, M. J. et al. Produção e composição bromatológica de milho e sorgo cultivados hidroponicamente sem substrato. Anais da Academia Pernambucana de Ciência Agronômica, Recife, 2015.

SIMÃO, C. Características agronômicas e nutrição do milho safrinha em função de épocas de semeadura e adubação. (Dissertação mestrado) - Universidade Federal de São João Del-Rei, Minas Gerais. 2016. 70 p.

VAN SOEST, P. J. Development of a comprehensive system of feed analysis and its application to forage. Journal Animal Science, v. 26, n. 1, p. 119-128, 1967.

VAN SOEST, P. J. Use of detergents in the analysis of fibrous feeds. A rapid method for the determination of fiber and lignin. Journal of the Association Official Agricultural Chemists, v. 46, n. 5, p. 829-835, 1963.

WATTHIER, M.; SCHWENGBER, J. E.; FONSECA, F. D.; SILVA DA SILVA, M. A. Húmus de minhoca e casca de arroz carbonizada como substratos para produção de mudas de alface. Brazilian Applied Science Review, Curitiba, v. 3, n. 5, p. 2065-2071 set./out. 2019.




DOI: https://doi.org/10.34115/basrv4n4-009

Apontamentos

  • Não há apontamentos.