Emoções e tensões: o trabalho secretarial sob a ótica da teoria de Hochschild/ Emotions and tensions: the secretarial work from the perspective of Hochschild’s theory

Isis Ferreira Lima Beviláqua, Débora Carneiro Zuin, Emili Barcellos Martins Santos, Odemir Vieira Baeta

Resumo


O presente trabalho foi desenvolvido sob a ótica do conceito de trabalho emocional, desenvolvido por Hochschild (1983), que diz respeito aos sentimentos que devem ser expostos ou contidos dentro do contexto laboral.  Refere-se à forma através da qual o trabalhador se porta, considerando as cargas emocionais a que é submetido. Esse trabalho justificou-se pelo fato de a teoria sobre trabalho emocional ser pouco difundida no Brasil. Justificou-se também porque seu corpus remete ao profissional de Secretariado Executivo, uma vez que este pode possuir componentes de trabalho emocional expressado de diversas formas. Esse estudo teve como objetivo geral verificar a existência do trabalho emocional no trabalho do secretário executivo e teve como objetivos específicos analisar o trabalho do secretário executivo, suas funções e atribuições; colher relatos de profissionais e suas experiências no contexto de trabalho, a partir dessas experiências, os componentes do trabalho emocional existentes. Para tanto, foi realizada uma pesquisa qualitativa, por meio de entrevistas semiestruturadas com secretárias executivas de uma Instituição de Ensino Superior no estado de Minas Gerais, com o intuito de verificar o modo pelo qual o trabalho emocional acontece na prática secretarial. Pôde-se perceber que há componentes de trabalho emocional no trabalho do profissional de Secretariado Executivo. Também foi verificado a existência de  consequências positivas e negativas para as profissionais entrevistadas como, por exemplo, para a forma com que seu trabalho é desenvolvido e para as relações de trabalho cotidianas dentro da organização. 


Palavras-chave


trabalho emocional. trabalho secretarial. carga emocional.

Texto completo:

PDF

Referências


Bezerra, A. E. P. (2012). Estresse e qualidade de vida no trabalho dos Bombeiros Militares de Campina Grande.

Bolton, S. C. The Lady Vanishes: Women’s Work and Affective Labour. Int. J. of Work Organisation and Emotion. Glasgow, v. 3, n. 1, p. 72-80, 2009.

Bonfim, M. C.; Gonfim, S. M. G. Trabalho emocional: demandas afetivas no exercício profissional. Salvador: Edufba, 2010. 106 p.

Bortolotto, R. M.; Rinaldi, R. N. O ensino superior de secretariado executivo nas região sul do Brasil. In: Simpósio Nacional de Educação e XX Semana da Pedagogia, 2008, Cascavel, Anais..., Cascavel: Unioeste, 2008. Disponível em: . Acesso em: 10 abr. 2014.

Cervo, A. L.; Bervian, P. A. Metodologia científica. 5. ed. São Paulo: Pearson Prentice Hall, 2006.

Correia, A. T. M. Relação entre os requisitos do trabalho emocional e a dissonância emocional em diferentes sectores de actividade: enfermeiros e professores. 2012. Dissertação (Mestrado em Psicologia Social e das Organizações) – ISPA – Instituto Universitário –, Portugal. Disponível em: . Acesso em: 4 nov. 2016.

Costa, A. S. G. D. As emoções e o trabalho emocional em contexto organizacional: um estudo de caso acerca das agentes de geriatria. 2015. 86 f. Dissertação (Mestrado em Recursos Humanos) – Escola de Economia e Gestão, Universidade do Minho, Portugal. Disponível em: . Acesso em: 4 nov. 2016.

COSTA, W. T. A. Trabalho emocional dos militares do exército brasileiro nas missões de paz nas Nações Unidas. Coleção Meira Mattos – Revista das Ciências Militares. Rio de Janeiro, v. 8, n. 32, 2014.

FUNDAP. Perfil da administração pública paulista. 6. ed. São Paulo: FUNDAP, 1994. 317 p.

Gabriel, A. S. et al. Emotional Labor Actors: A Latent Profile Analysis of Emotional Labor Strategies. In Journal of Applied Psychology. [s.l.]: v. 100 (3), 2015.

Gil, A. C. Como elaborar projetos de pesquisa. 4. ed. São Paulo: Atlas, 2008. p. 109-110.

GOLDENBERG, M. A arte de pesquisar. Rio de Janeiro: Record, 1997.

Hochschild, A. R. (1983). The managed heart. Berkeley.

Hochschild, A. R. The Managed Heart: Commercialization of Human Feeling. 20. ed. Londres: University of California Press, 2003. 340 p.

Ishii, K., & Markman, K. M. (2016). Online customer service and emotional labor: An exploratory study. Computers in Human Behavior, 62, 658-665.

James, N. (1989). Emotional labour: skill and work in the social regulation of feelings. The sociological review, 37(1), 15-42.

Kauark, F. S.; Manhães, F. C.; Medeiros, C. H. Metodologia da pesquisa: um guia prático. Itabuna: Via Litterarum, 2010. 86 p.

Kennelly, I. (2006). Secretarial work, nurturing, and the ethic of service. NWSA Journal, 18(2), 170-192.

Lipp, M. E. N., & Malagris, L. E. N. (2001). O stress emocional e seu tratamento. Psicoterapias cognitivo-comportamentais: um diálogo com a psiquiatria, 475-490.

Loh, Chin Ee; Liew, Warren Mark. Voices from the ground: The emotional labour of English teachers' work. Teaching and Teacher Education, April 2016, Vol.55, pp.267-278.

Lucas, M. Mudança comportamental e gestão emocional no trabalho. Disponível em: . Acesso em: 10 dez. 2013.

Manzini, E. J. Entrevista semi-estruturada: análise de objetivos e de roteiros. In: II Seminário Internacional de Pesquisa e Estudos Qualitativos, 2004, Bauru, Anais..., Bauru: Sociedade de Estudos e Pesquisas Qualitativos, 2004. Disponível em: . Acesso em: 10 jun. 2014.

Marconi, M. A.; Lakatos, E. M. Técnicas de pesquisa. 7. ed. São Paulo: Atlas S.A., 2007. 277 p.

Morris, J. A., & Feldman, D. C. (1997). Managing emotions in the workplace. Journal of managerial issues, 257-274

Msiska, Gladys ; Smith, Pam ; Fawcett, Tonks; Nyasulu, Betty Mkwinda. Emotional labour and compassionate care: What's the relationship? Nurse Education Today, September 2014, Vol.34 (9), pp.1246-1252.

Noon, M.; Blyton, P.; Morrell, K. The Realities of Work: Experiencing Work and Employment in Contemporary Society. 4. ed. Basingstoke: Palgrave Macmillan, 2013.

Ortega, C. C.; Araújo, L. F. Secretária Executiva: estresse e emoção no trabalho. Revista de Gestão e Secretariado. São Paulo, v. 2, n. 1, p. 131-157, 2011.

Orth, P. S. O profissional de secretariado executivo: um diálogo entre o múltiplo e o singular. Revista Expectativa. Toledo, v. 10, n. 10, 2011. Disponível em: . Acesso em: 4 nov. 2016.

Preti, D. (Org.). O discurso oral culto. 2. ed. São Paulo: Humanitas Publicações – FFLCH/USP – Projetos Paralelos, v. 2, 1999, 224 p.

Teixeira, M. B. M.; Zuin, D. C. Trabalho emocional e trabalho secretarial: contextos e desafios. Revista Expectativa. Toledo, v. 15, n. 15, 2016.

TRIVIÑOS, A. N. S. (2009). Introdução à pesquisa em ciências sociais: a pesquisa qualitativa em educação. São Paulo: Atlas, 1987. Outros números do Informe Rural ETENE: ANO, 3, 25




DOI: https://doi.org/10.34115/basrv4n3-094

Apontamentos

  • Não há apontamentos.