Exposição ao nível de ruído da equipe do setor da merenda de uma escola estadual do Grande ABC / Exposure to the noise level of the teaching sector of the stunning school of Grande ABC

Kethilyn Cristine Lopes Freitas Cardoso, Sueli da Hora Silva, Maria de Lourdes Alves Formiga, Ana Lúcia Pereira de Jesus Ribeiro, Magna Fátima Oliveira Almeida, Célia Guarnieri da Silva

Resumo


O ambiente escolar é pouco analisado sob o ponto de vista da Higiene Ocupacional. Nas escolas, o ruído ambiental está presente através de diversas formas, causando diversos danos. Dessa forma, estudos que busquem a promoção da saúde auditiva e a conscientização da comunidade escolar com relação ao ruído são fundamentais. O principal objetivo desse trabalho foi identificar se as funcionárias da área da merenda estavam expostas a uma dose de ruído acima do nível de ação e elucidar a qual dose elas estavam expostas. O estudo foi realizado em uma escola estadual de ensino fundamental e médio, no município de São Bernardo do Campo/ SP. Para a avaliação do nível de ruído utilizou- se o equipamento Extech modelo SL 355 devidamente calibrado, com faixa de medição entre 50 a 100 dBA modo SLOW e curva de ponderação A e fator de troca q=5. Os resultados apresentados no estudo mostram que as funcionárias da merenda estavam expostas a uma dose de ruído acima do nível de ação. Devido ao nível de ruído exposto, devem ser iniciadas ações preventivas de forma a minimizar a probabilidade do ruído ultrapassar o limite de exposição.


Palavras-chave


Higiene Ocupacional, Ruído, Danos, Escola, Merenda.

Texto completo:

PDF

Referências


PADOVANI C, NOVA CV, QUEIRÓS F, SILVA LPA. Percepção das condições auditivas pelos servidores públicos da Universidade do estado da Bahia: considerações sobre o projeto saúde auditivas. Rev Baiana Saúde Pública. 2004, 28(2):203-211.

MANUBENS, RS. O médico de trabalho e a PAINPS. Rev CIPA. 2001, 265:70-5.

MINISTÉRIO DO TRABALHO - (artigo 168 da Consolidação das Leis do Trabalho, na NR 7). Disponível em: www.mte.gov.br/legislacao/portarias/

PORTARIA SSST/MTB no 5. de 25 de fevereiro de 1997. Disponível em: www.mte.gov.br/legislacao/portarias/

GATTO CI, LERMEN RA, TEIXEIRA TM, MAGNI C, MORATA TC. A análise da conduta de médicos do trabalho diante de trabalhadores com perda auditiva. Rev Dist Com. 2005, 17(1):101-115.

HANGER MRHC, BARBOSA-BRANCO A. Efeitos auditivos decorrentes da exposição ocupacional ao ruído em trabalhadores de marmorarias no Distrito Federal. Rev Assoc Med Bras. 2004, 50(4):396-9.http://queconceito.com.br/ruido - www.inadbrasil.org

NR 15 - Atividades e Operações Insalubres (anexo n.º 1). Limites de Tolerância para Ruído Contínuo ou Intermitente.

MINISTERIO DO TRABALHO FUNDACENTRO. Norma de Higiene Ocupacional.

COSTA VHC. O ruído e suas interferências na saúde e no trabalho. São Paulo: Departamento Intersindical de Estudos e Pesquisas de Saúde e dos Ambientes de Trabalho, DIESAT, 1989-90.

ARAÚJO, SA. Perda auditiva induzida pelo ruído em trabalhadores de metalúrgica. Rev Bras Otorrinolaringol. 2002, 68(1): 47-52.

FERREIRA JÚNIOR M. PAIR-Perda Auditiva Induzida por Ruído-Bom Senso e Consenso. São Paulo: VK; 1998.

TIPPLE AFV, AGULIARI HT, SILVA E SOUZA AC, PEREIRA MS, MENDONÇA ACC, SILVEIRA C. Equipamentos de proteção em centros de material e esterilização: disponibilidade, uso e fatores intervenientes à adesão. Cienc Cuid Saude 2007 Out/Dez; 6(4):441-448.




DOI: https://doi.org/10.34115/basrv4n3-086

Apontamentos

  • Não há apontamentos.