A concepção de trabalho para a geração y na Amazônia / The conception of work for Generation y in the Amazon

Daniela Castro dos Reis, Leonardo Petrilli, Priscilla Andrade Silva, Josilene Ferreira Mendes

Resumo


O objetivo deste trabalho foi analisar a concepção de trabalho para a Geração Y. O método de pesquisa caracterizou-se como empírico, exploratório e descritivo, por meio do levantamento de informações. O estudo foi realizado na Amazônia, especificamente no sudeste do estado do Pará, nos municípios de Parauapebas e Canãa dos Carajás. Participaram da pesquisa 190 trabalhadores com idades entre 18 e 58 anos; 70 do sexo feminino e 120 do sexo masculino; 150 da Geração Y e os outros 40 das demais gerações; envolvendo 27 de empresas públicas e 129 privadas e 34 de outra natureza. O instrumento utilizado foi um formulário contendo 20 questões objetivas e subjetivas divididos em itens como: identificação dos participantes; perguntas objetivas (com categorias dicotomizadas sim ou não), e subjetivas (sobre a concepção de trabalho). A análise foi quantitativa e descritiva com dados absolutos e relativos. Os resultados revelaram que a concepção de trabalho está relacionada a organização e deve levar em consideração que esses colaboradores consideram fundamental a responsabilidade individual e a liberdade de tomar decisões. Acreditando mais na codecisão do que na hierarquia, e por isso, a empresa deve oferecer flexibilidade de tempo e espaço. A conclusão de novas pesquisa avaliando ou comparando os tipos de Geração ajudará a entender a concepção do trabalho na região amazônica.  

Palavras-chave


Geração Y, Trabalho, Valorização.

Texto completo:

PDF

Referências


ALVES, G. Dimensões da Reestruturação produtiva. Londrina, SP: Praxis, 2007.

ARAÚJO, R. R; SACHUK, M. I. Os sentidos do trabalho e suas implicações na formação dos indivíduos inseridos nas organizações contemporâneas. Revista de Gestão USP, 14(1), 53-66, 2007.

BENDASSOLLI, P. F. Trabalho e identidade em tempos sombrios: insegurança ontológica na experiência atual com o trabalho. São Paulo: Ideias & Letras, 2007.

BENDASSOLLI, P. F. Psicologia e trabalho: apropriações e significados. São Paulo: Cengage Learning, 2009.

BLASCO, C., JÚNIOR, E. B., BRAMBILLA, F. R; KRUEL, A. J. As expectativas da Geração y em relação ao mercado de trabalho. Revista Brasileira de Gestão e Inovação, 4(1), 1-18, 2016.

CARVALHO, B. A. A globalização em xeque - incertezas para o século XXI. São Paulo: Atual, 2000.

CHIAVENATO, I. Iniciação à teoria das organizações. São Paulo: Manole, 2010.

CHIUZI, R. M., PEIXOTO, B. R. G., & FUSARI G. L. Conflito de gerações nas organizações: um fenômeno social interpretado a partir da teoria de Erik Erikson. Temas em Psicologia, 19(2), 579-590, 2011.

COMAZZETTO, L. R. A. Et. al. Geração y no mercado de trabalho: um estudo comparativo entre gerações. Psicologia: Ciência e Profissão, 36(1), 145-157, 2016.

COSTA, L. V. Sucesso na carreira. In M. M. M. SIQUEIRA, (Org.). Novas Medidas do Comportamento Organizacional. (p. 280 - 297). Porto Alegre: Artmed, 2014.

FLINK, R., Et. al. . Porque e como atrair e reter os profissionais da geração y nas empresas. In IX Congresso Virtual Brasileiro de Administração, 2012.

FREIRIA, B. M., et. al. A relação da geração y com o mercado de trabalho na atualidade. Revista Científica Eletrônica Estácio, 8(8), 20-30, 2016.

GONÇALVES, H. A., C; LOPES, M. H. A dignidade da pessoa humana e o valor social do trabalho. Revista de Direito Econômico e Socioambiental, 4(2), 129-145, 2013.

KNOB, M. A. S; GOERGEN, C. Percepção de carreira para a geração y - um desafio para as organizações. Revista de Carreiras de Pessoas. Revista de Carreiras e Pessoas, 6(3), 332-345, 2016.

KOSHIBA, L. História - Origens, Estruturas e Processos. São Paulo: Atual, 2000.

LANCASTER, L; STILMAN, D. O Y da questão: como a geração y está transformando o mercado de trabalho. São Paulo: Saraiva, 2011.

LOMBARDIA, P. G; et. al. Quem é a Geração Y? HSM Management, 3(70), 1-7, 2008.

MACIEL, N. B. Valores que influenciam a retenção dos profissionais da Geração Y nas organizações (Monografia) Escola de Administração, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, RS, 2010.

MARX, K. Manuscritos Econômico-Filosóficos. São Paulo: Textos Filosóficos, 2017.

MELO, F. A. O; et al. A geração y e as necessidades do mercado de trabalho contemporâneo: “um olhar sobre os novos talentos”. Gestão e tecnologia para competitividade.23(03), 1-15. Disponível em: Acesso em 03 Mar. 2020.

OLIVEIRA, A; et. al. Geração y: o desafio da liderança. In: XXI Congresso Nacional de Excelência em Gestão & III Inovarse-Responsabilidade social aplicada, 2016.

OLIVEIRA, C. E. Problemas e obstáculos para a realização de inovação em empresas brasileiras. Revista Brasileira de Gestão e Inovação, 3(1), 93-112, 2015.

OLIVEIRA, S. L. Sociologia das organizações: Uma análise do Homem e das empresas no ambiente competitivo. São Paulo: Thomson, 1999.

PERRONE, C. M., et. al. A percepção das organizações pela Geração Y. Revista de Administração da Universidade Federal de Santa Maria, 6(3), 546-560, 2012.

RUDGE, M., et al. Geração Y: um estudo sobre suas movimentações, valores e expectativas. Revista de Carreiras Pessoais. 7(1), 406-421, 2017.

SAMPIERI, H, et. al. Metodologia de Pesquisa. Porto Alegre: Penso, 2013.

TULGAN, B. Not Everyone Gets a Trophy: how to manage generation Y. San Francisco: Jossey-Bass, 2009.

TUMOLO, P., S. Reestruturação produtiva no Brasil: um balanço crítico da produção bibliográfica. Revista Educação e Sociedade, 21(77), 71-99, 2001.

VELOSO, E. F. R. É possível negar a existência da geração Y no Brasil? Revista Organização & Sociedade, 19(62), 745-747, 2012.

VELOSO, E. F. R., et. al. Percepção sobre carreiras inteligentes: diferenças entre as gerações Y, X e baby boomers. In XXXII Encontro da Associação Nacional de Pós-Graduação e Pesquisa em Administração, Rio de Janeiro, RJ, Brasil, 2012.

ZANARDINI, I. M., et. al. O processo de reestruturação produtiva e a reforma do Ensino Médio: implicações para os trabalhadores. Educação Unisinos, 15(1), 22-31, 2011.




DOI: https://doi.org/10.34115/basrv4n3-083

Apontamentos

  • Não há apontamentos.