As representações do 11 de setembro na imprensa brasileira e suas repercussões nos imaginários sociais / The representations of september 11 in the brazilian press and their repercussions in social imaginaries

Maria de Paula Pereira, Giovanna Aparecida Schittini dos Santos

Resumo


O ataque terrorista às torres gêmeas do World Trade Center (WTC) em Nova Iorque, Estados Unidos, em 2001 foi um dos eventos mais televisionados e noticiados dos últimos tempos. Os meios de comunicação, ao tentarem encontrar explicações para o ocorrido, criaram e influenciaram os imaginários sociais em relação ao terrorismo, aos muçulmanos e aos EUA que refletem a geopolítica de hoje. Esta é uma pesquisa que tem como objetivo analisar esses posicionamentos na Rede Globo, na Folha de São Paulo e na Revista Carta Capital. A análise foi feita a partir de reportagens impressas e televisionadas, artigos de opinião e entrevistas dos meios de comunicação citados acima. Com esta pesquisa busca-se frisar a importância da mídia como formadora de opiniões, sendo elas preconceituosas ou não e identificar as diferenças e semelhanças das visões desses meios em relação aos envolvidos no 11 de setembro.


Palavras-chave


Mídia, torres gêmeas, imaginários.

Texto completo:

PDF

Referências


ALEXANDRE, M. O papel da mídia na difusão das representações sociais. Rio de Janeiro: Comum, 2001.

BACZKO, B. A imaginação social. In: Leach, Edmund et Alii. Lisboa: Imprensa Nacional/Casa da Moeda, 1985.

CARTA CAPITAL. 19 set. 2001. Disponível em: . Acesso em: 30 mar. 2020.

CHARAUDEAU, P. A televisão e o 11 de setembro: alguns efeitos do imaginário. Universidade de Paris Nord, Paris, 1° semestre. 2006. Disponível em: < http://www.e-publicacoes.uerj.br/index.php/logos/article/view/14962/11342>. Acesso em: 12 out. 2018.

CHESNAIS, François. “Estamos perante dois inimigos e devemos reconstruir uma perspectiva internacionalista”. IN: O império em guerra – O mundo depois do 11 de Setembro. Porto: Campo das Letras, 2002.

CHOMSKY, N. Poder e Terror. Ed. Inquérito, 2003.

DORNELES, C. Deus é Inocente: a imprensa, não. São Paulo: Editora Globo, 2002.

FOLHA DE SÃO PAULO. 12 set. 2001. Disponível em: Acesso em: 13 mai. 2020.

FONTENELLE, P. Iraque – A guerra pelas mentes. São Paulo: Sapienza, 2004.

GERRITS, R. ‘Terrorists’ perspectives: memoirs’, in David. L. Paletz & Alex. P. Schmid (eds.) Terrorism and the media. London: Sage, 1992.

IOSCHPE, G. No olho do furacão. Folha de São Paulo, 12. set. 2001. Disponível em: . Acesso em: 7 jun. 2019.

JOHNSON, D. s/ título. 2001. Disponível em: . Acesso em: 11 de out. 2018.

JORNAL NACIONAL, TV Globo. 11 set. 2001. Disponível em: . Acesso em: 13 mai. 2020.

LETRIA, J. O terrorismo e os “media”: o “tempo da antena” do terror. Ed. Lisboa Hugin, 2001.

MATHIAS, L. Notas a propósito do 11 de Setembro. Relações Internacionais, Lisboa, n.3, set. 2004. Disponível em: Acesso: 11 out. 2018.

PEREIRA, A. O 11 de Setembro na imprensa portuguesa: A semana seguinte. Faculdade de Letras da Universidade de Coimbra, Coimbra-Portugal, volume 1, 2005. Disponível em: . Acesso: 12 out. 2018.

RIBEIRO, J. O mundo pós-11 de Setembro: Um breve apontamento. Relações Internacionais, Lisboa, n.3, set. 2004. Disponível em: . Acesso: 11 out. 2018.

RODRIGUES, A. O acontecimento. In: Nelson. TRAQUINA. Jornalismo: questões, teorias e estórias. Lisboa: Vega, 1993.

STEINBERGER, M. B. Discursos geopolíticos da mídia – jornalismo e imaginário internacional na América Latina. São Paulo: Ed. Cortez-Fapesp, 2005.




DOI: https://doi.org/10.34115/basrv4n3-073

Apontamentos

  • Não há apontamentos.