Levantamento e aspectos epidemiológicos de aracnídeos de importância médica no município de Vitória da Conquista – Bahia, Brasil / Survey and epidemiological aspects of arachnids of medical importance in the municipality of Vitória da Conquista - Bahia, Brazil

Karina Oliveira Silva, Mariane Amorim Rocha, Márcio Borba da Silva, Agda Alves da Rocha, Ricardo Evangelista Fraga, Patrícia Belini Nishiyama, Tiago Sousa de Queiroz, Kaic Santos Silva Pereira, Josemar da Silva Mendes, Orlanda Alves Barreiras, Juliana Almeida Torres Brito, Marina Amorim Rocha

Resumo


O presente estudo teve por objetivo realizar o levantamento de aracnídeos (Araneae e Scorpiones) de interesse médico e descrever os aspectos epidemiológicos desses organismos no município de Vitória da Conquista – Bahia. O levantamento das espécies foi realizado em outubro de 2016 a fevereiro de 2017. Os dados dos aspectos epidemiológicos dos acidentes por aracnídeos no período de 2007 a 2015 foram adquiridos pela Vigilância Epidemiológica do município. Foram analisadas 437 fichas de notificação de acidentes por animais peçonhentos. Quanto ao levantamento, foram registrados 34 espécimes de aracnídeos: Latrodectus (30), Loxosceles (2) e Tityus (2). Os dados sobre o escorpionismo (97,45%) superou os de araneísmo (2,55%), por isso os dados não foram analisados separadamente. O ano de maior ocorrência foi 2008 (19,2%), seguido por 2013 (17,8%) e 2009 (16,7%). Os indivíduos mais acometidos residiam na zona urbana (56,14%), pertenciam ao gênero feminino (59,04%), faixa etária entre 0 a 20 anos (44,25%), estudantes (47,83%), cor parda (55%) e com baixa escolaridade (65,4%). As partes do corpo mais atingidas foram mãos (41,2%) e pés (16,7%), o tempo prevalente do acidente até o hospital foi de 1 a 3 horas (44%). Dor foi a maior manifestação clínica (92,45%) e a maioria utilizou-se da soroterapia (90,39%). Dos 420 acidentes por escorpionismo, cinco indivíduos (1,15%) vieram a óbito; nenhum óbito foi registrado para o araneísmo. O levantamento de aracnídeos de interesse médico juntamente com o estudo do seu perfil epidemiológico é fundamental para subsidiar campanhas de prevenção a acidentes por animais peçonhentos, reduzindo o número de casos/mortalidade.


Palavras-chave


Animais peçonhentos, Araneísmo, Escorpionismo, Latrodectus, Loxosceles, Tityus.

Texto completo:

PDF

Referências


ARANHA, C. O. Modelagem de nicho ecológico de Tityus serrulatus LUTZ e MELLO, 1922 e Tityus stigmurus (THORELL, 1876) (Arachnida: Scorpiones), p. 69, 2015.

ALBUQUERQUE, N.; ALBUQUERQUE, H. S.; BARBOSA, I. C. R.; MENEZES, A. R. Presença de Latrodectus geometricus C. L. Koch, 1841 e Latrodectus curacaviensis Müller, 1776 (Araneae, Theridiidae) em Campina Grande – PB. Revista Biologia e Ciências da Terra, v. 5, n. 1, 2005.

BRAZIL, T. K. Dados Nacionais sobre animais peçonhentos na Região Nordeste. Disponível em: Acesso em 29 set. 2016.

BRAZIL, T. K.; LEITE, C. M. P.; SILVA L. M. A.; SILVA R. M.; BRESCOVIT, A. D. Aranhas de Importância Médica do Estado da Bahia, Brasil. Revista Gazeta Médica da Bahia; v.79, n. 1, p. 32 – 37, 2009.

BRAZIL, T.K; PORTO, T.J. Os escorpiões. Salvador: EDUFBA, p. 84, 2010.

BIONDI-DE-QUEIROZ, I.; SANTANA, V. P. G.; RODRIGUES, D. S. Estudo retrospectivo do escorpionismo na região metropolitana de salvador (RMS) – Bahia Brasil. Revista Sitientibus, n. 15, p. 273 – 285, 1996.

CAMPOLINA D. Georreferenciamento e Estudo clínico-epidemiológico dos acidentes escorpiônicos atendidos em Belo Horizonte no Serviço de Toxicologia de Minas Gerais. Faculdade de Medicina, 2006.

CARDOSO, J. L. C.; FRANÇA, F. O. S.; WEN, F. H.; MÁLAQUE, C. M. S.; HADDAD JR, V. Animais peçonhentos do Brasil: biologia, clínica e terapêutica dos acidentes. São Paulo, 2003.

CARDOSO, J. L. C.; FRANÇA, F. O. S.; WEN, F. H.; MALAQUE, C. M. S.; JUNIOR, V. H. Animais Peçonhentos no Brasil: Biologia, clínica e terapêutica dos acidentes, 2 ed., São Paulo, p.161, 2009.

CARMO, E. A.; NERY, A. A.; JESUS, C. S.; CASOTTI, C. A. Internações hospitalares por causas externas envolvendo contato com animais em um hospital geral do interior da Bahia, 2009 – 2011. Revista Epidemiologia e Serviços de Saúde, v. 25, n. 1, p. 105 – 114, 2016.

CLIMATEMPO. Climatologia. Disponível em: < https://www.climatempo.com.br/climatologia/59/vitoriadaconquista-ba>. Acesso em: 04 maio 2020.

CUPO, P.; AZEVEDO-MARQUES, M. M.; HERING, S. E. Escorpionismo In: CARDOSO, J. L. C.; FRANÇA, F. O. S.; WEN, F. H.; MÁLAQUE, C. M. S.; HADDAD, V. Animais Peçonhentos no Brasil: Biologia, Clínica e Terapêutica dos Acidentes. 1ª Edição, SARVIER, FAPESP p. 182 – 197, 2003.

DOURAD, F. S.; RECKZIEGEL, G. C.; MOURA N. F. O. Acidentes por animais peçonhentos. Disponível em: . Acesso em: 20 abr. 2017.

FIGUEIREDO, A. B.; CUPO, P.; PINTYA, A. O.; CALIGARIS, F.; MARIN-NETO J. A.; HERING, S. E.; et al. Assessment of Myocardial Perfusion and Function in Victims of Scorpion Envenomation Using Gated-SPECT. Revista Arquivos Brasileiros de Cardiologia, v. 94, n. 4, p. 418 – 25, 2010

FISCHER, M. L. Comportamento sexual de Loxosceles laeta (Nicolet) (Araneae, Sicariidae): influência da idade da fêmea. Revista Brasileira de Zoologia, v. 24, n. 4, p. 865–872, 2007.

FREITAS, M. A. Guia Ilustrado dos Animais Venenosos e Peçonhentos no Brasil. Pelotas: USEB, 2011.

IBGE – INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA. Disponível em: < http://cidades.ibge.gov.br/> Acesso em: 20 abr. 2017.

KOTVISKI, B. M.; BARBOLA, I. F. Aspectos espaciais do escorpionismo em Ponta Grossa, Paraná, Brasil, Cadernos de Saúde Pública, v. 29, n. 9, p. 1843 – 1858, 2013.

LIRA-DA-SILVA, R. M. Escorpionismo na cidade do Salvador – Bahia. Salvador, 1990.

LIRA-DA-SILVA, R. M.; AMORIN, A. M.; B RAZIL, T. K. Envenenomation by Tityus stigmurus in the metropolitan region of Bahia, Brazil. Revista Toxicon, v. 36, 1998.

LIRA-DA-SILVA RM, AMORIM AM, BRAZIL TK. Envenenamento por Tityus stigmurus (Scorpiones; Buthidae) no Estado da Bahia, Brasil. Revista Sociedade Brasileira de Medicina Tropical, v. 33, n. 3, p. 239 – 45, 2000.

LIRA-DA-SILVA, R. M.; MATOS, G. B.; SAMPAIO, R. O.; NUNES. T. B. Estudo Retrospectivo de Latrodectismo na Bahia, Brasil. Revista da Sociedade Brasileira de Medicina Tropical, v. 28, n. 3, p. 205 – 210, 1995.

LIRA-DA-SILVA, R. M.; AMORIM, A. M.; CARVALHO, F. M.; BRAZIL, T. K. Acidentes por escorpião na cidade do Salvador, Bahia, Brasil (1982 – 2000). Revista Gazeta médica da Bahia, v. 79, p. 43 – 49, 2009.

LOURENÇO, W. R.; EICKSTEDT, V. R. D. V. Sinopse das espécies de Tityus do Nordeste do Brasil, com a redescrição da T. neglectus Mello-Leitão (Scorpiones, Buthidae. Revista Brasileira de Biologia, v. 5, n. 3, p. 300 – 408, 1988.

LUCAS, S. M. Aranhas de Interesse médico no Brasil. In: Cardoso J. L. C.; França, F.O.S.; Wen FH, Málaque CMS, Haddad JRV. Animais peçonhentos no Brasil. Biologia, clínica e terapêutica dos acidentes. 1ª ed, São Paulo, Sarvier, p. 141 – 149, 2003.

OLIVEIRA, D. C.; ALMEIDA, S. S; RAMOS, E. M. L. S. Fatores de risco relacionados a complicações locais de acidentes causados por animais peçonhentos. Revista Brasileira de Biometria, v. 31, n. 2, p. 206 – 215, 2013.

PEREIRA, M. L. Epidemiologia dos Acidentes com Animais Peçonhentos no Estado de Minas Gerais, 2015.

PMVC – PREFEITURA MUNICIPAL DE VITÓRIA DA CONQUISTA. Disponível em Acesso em: 03 ago. 2016.

PORTO, T.J.; BRASIL, T.K; LIRA-DA-SILVA, R.M. Scorpions, state of Bahia, northeastern, Brazil. Check List, v. 6, n. 2, p. 292-297, 2010.

SANTOS, L. C.; BARBOSA, F. S.; BEZERRA, A.V.; JOSÉ, J.V.; LEAL, D.P.V.; COELHO, R. D. Estudo da distribuição de extremos de precipitação para Vitória da Conquista, Ba. ResearchGate, 2013.

SILVA, T. F.; CASAIS-E-SILVA, L. L.; BARBOSA-JÚNIOR, A. A.; LIRA-DA-SILVA, R. M. Estudo do veneno de Tityus serrulatus (Scorpiones; Buthidae) procedente do estado da Bahia, Brasil. Revista Ciências médica e biológica, v. 4, n. 1, p. 24 – 31, 2005.

SILVA, S. T.; TIBURCIO, I. C. S.; CORREIA, G. Q. C.; AQUINO, R. C. T. Escorpiões, aranhas e serpentes: aspectos gerais e espécies de interesse médico no Estado de Alagoas, Maceió. Conversando sobre ciências em Alagoas, v. 54, p. 23 – 24, 2005.

SILVA, A. M; BERNARDE, P.S.; ABREU, L.C. Accidents with poisonous animals in Brazil by age and sex. Journal of Human Growth and Development, v. 25, n. 1, p. 54-62, 2015.

SILVEIRA, A. L. Primeiro registro sinantrópico de Loxosceles laeta (Nicolet, 1849) (Araneae, Sicariidae) no Município do Rio de Janeiro, Estado do Rio de Janeiro. Revista Sociedade Brasileira de Medicina Tropical, v. 42, n. 6, p. 723 – 726, 2009.

SINAN – SISTEMA DE INFORMAÇÃO DE AGRAVO DE NOTIFICAÇÃO. Disponível em: Acesso em: 20 abr. 2017.




DOI: https://doi.org/10.34115/basrv4n3-071

Apontamentos

  • Não há apontamentos.