Corporeidade na educação infantil: (RE) configurações na proposta de políticas públicas a partir da análise da base nacional curricular comum / Corporeity in childhood education: (RE) configurations in the proposal of public policies from the analysis of the common national curricular base

Paula Roberta Paschoal Boulitreau, Allan Delmiro Barros, Marcela Maria da Silva, Eduardo Ramalho de Lucena, Amanda Gonçalves Barbosa

Abstract


Na Constituição Federal é descrita a garantia do direito que todos temos, enquanto cidadãos, de acesso à educação gratuita em instituições oficiais com iguais condições de acesso e permanência. Desde então, o Estado vem configurando políticas públicas que contemplam a Educação Infantil, como primeira etapa da Educação Básica, na tentativa de oportunizar espaços propícios para o desenvolvimento integral da criança. Dentre os aspectos contemplados nesse processo de formação humana, destacam-se a ludicidade e a corporeidade. Diante desses apontamentos, buscamos analisar avanços e retrocessos incorporados à Educação Infantil, considerando as orientações descritas na Base Nacional Curricular Comum. Realizamos a análise de documentos oficiais determinantes das políticas públicas e uma literatura que contemplasse a corporeidade na Educação Infantil. A pesquisa foi de cunho qualitativo e para o tratamento de dados, utilizamos a análise de conteúdo. Verificamos que há avanços, mas também retrocessos que chamam à atenção a medida que a visão mais ampla e global de corporeidade e ludicidade passam a apresentar-se numa visão limitada e direcionada ao desenvolvimento psicomotor como campo de experiência que fornecem vivências e habilidades que servirão como base de sustentação para a aprendizagem de outros elementos do currículo, deixando seu caráter de compreensão global do sujeito histórico que é a criança

Keywords


Educação Infantil. Corporeidade. Políticas públicas

References


BRASIL. Base Nacional Curricular Comum. Brasília: Ministério da Educação, 2017.

______. Diretrizes Nacionais Curriculares para a Educação Infantil. Brasília: Ministério da Educação, 2009.

CAMPOS, R.; BARBOSA, M. C. S. BNC e educação infantil: Quais as possibilidades? Revista Retratos da Escola, Brasília, v. 9, n. 17, p. 353-366, jul./dez. 2015. Disponível em: . Acesso em: 12 abr. 2019.

JOÃO, R. B.; BRITO, M. de. Pensando a corporeidade na prática pedagógica em educação física à luz do pensamento complexo. Rev. bras. Educ. Fís. Esp., São Paulo, v. 18, n. 3, p. 263-272, jul./set. 2004. Disponível em: < https://www.revistas.usp.br/rbefe/article/view/16567>. Acesso em: 12 abr. 2019.

LAZZAROTTI FILHO, A. et.al. O termo “práticas corporais” na literatura científica brasileira e sua repercussão no campo da Educação Física. Movimento, Porto Alegre, v. 16, n. 1, p. 65, 2010. Disponível em: . Acesso em: 04 abr. 2019.

MELLO, M. A. A atividade mediadora nos processos colaborativos de educação continuada de professores: educação infantil e educação física. 2001. Tese (Doutorado em Educação) – Centro de Educação e Ciências Humanas, Universidade Federal de São Carlos, São Carlos.

MELLO, A da S. et al. A educação infantil na Base Nacional Comum Curricular: pressupostos e interfaces com a Educação Física. Motrivivência. Florianóplis, v.28, n. 48, p. 130-149, set./2016. Disponível em: . Acesso em: 10 abr. 2020.

LAZZAROTTI FILHO, A. et.al. O termo “práticas corporais” na literatura científica brasileira e sua repercussão no campo da Educação Física. Movimento, Porto Alegre, v. 16, n. 1, p. 65, 2010. Disponível em: . Acesso em: 04 abr. 2019.




DOI: https://doi.org/10.34117/bjdv6n5-236

Refbacks

  • There are currently no refbacks.