Multiplicidades na escola: Uma desmistificação da promiscuidade frente ao hiv e os diversos modelos de corpo / Multiplicities in school: Demystifying promiscuity in front of hiv and diverse body models

José Henrique Monteiro da Fonseca, Degmar Francisca dos Anjos, Thiago Baldrighi

Abstract


Trata-se de uma pesquisa com 12 jovens, etariedade entre 15 a 24 anos (todos da rede pública de ensino). Teve como lócus o Serviço de Atendimento Especializado (SAE) no município de Cuiabá – MT. Com viés qualitativo, tal pesquisa teve por objetivo analisar os sentidos atribuídos por jovens com diagnóstico positivo para HIV, frente suas vivências no ambiente de ensino, no processo ensino-aprendizagem, nas relações de poder, estigmas e preconceitos. Trabalhou-se enquanto olhar teórico-metodológico com o Construcionismo Social, por meio da análise de repertórios linguísticos, intencionando investigar a produção de sentidos enunciados por práticas discursivas (SPINK, 2012). Frente aos resultados, emergiram relatos concernentes ao impacto do diagnóstico, sentidos de medo, desespero e paralisação de modo temporário, não obstante, destacaram-se também sentidos de aceitação e ressignificação diante da nova realidade como um modo outro de existir. Mas, são gritantes os relatos de sujeitos vítimas de estigmas, preconceitos por causa da orientação homoafetiva e por se viver com HIV/Aids, exprimindo o medo da exposição diante de colegas e professores. Perante tais relatos é possível pensar – entre tantos fatores ligados ao preconceito – sobre o aspecto moral e distorcido entre homossexualidade/HIV, o que aponta ideologicamente para promiscuidade; por isso pretendeu-se desmistificar sócio-historicamente a palavra “promiscuidade” reavendo-a enquanto atributo importante nas relações e enfrentamentos dos corpos sociais, corpos estes, estigmatizados e marginalizados, simplesmente por se encontrarem em condições múltiplas de subjetivação e expressão, socialmente condenados por quebrarem o protocolo e o modelo ideológico de corpo moderno, colonial e burguês.


Keywords


Escola, Corpos, Multiplicidades, Preconceitos, Promiscuidade.

References


ANJOS, D. F. Quando três tempos se encontram: sentidos e ressignificações de jovens vivendo com HIV/Aids. Jundiaí, SP: Paco Editorial, 2015. 230p.

AVILA, Mayna Yaçanã Borges de; FERLA, Alcindo Antônio. O que pode o corpo? Corpografias de resistência. Interface (Botucatu), Botucatu , v. 21, n. 62, p. 731-748, Sept. 2017Availablefrom.accesson 14 July 2019. http://dx.doi.org/10.1590/1807-57622016.0898.

BUTLER, Judith. (1990). Problemas de Gênero: feminismo e subversão da identidade. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2003.

DICIONÁRIO AURÉLIO: Disponível em:‹https://dicionariodoaurelio.com/promiscuidade›. Acesso em: 18 Apr. 2017

FONSECA, José Henrique Monteiro da. Jovens Vivendo com HIV/AIDS: sentidos a partir de suas vivências no ambiente escolar. Dissertação de Mestrado, Universidade de Cuiabá (UNIC). Cuiabá, Jun/2018.http://repositorio.pgsskroton.com.br//handle/123456789/22803

FOUCAULT, Michel. Microfísica do poder. Organização e tradução de Roberto Machado. Rio de Janeiro: Edições Graal, 1979.

FOUCAULT, Michael. Em defesa da sociedade: curso no College de France (1975-1976). São Paulo: Martins Fontes, 1999.

GOODMAN, Paul in Bagoas: revista de estudos gays / Universidade Federal do Rio Grande do Norte, Centro de Ciências Humanas, Letras e Artes. - V. 1, n. 1jul./dez. 2007)- . - Natal: EDUFRN, 2007.

GUATTARI, Félix. As três ecologias. Trad. Maria Cristina F. Bittencourt. Campinas: Papirus, 1990.

JODELET, D. (2001). Representações sociais: um domínio em expansão. In D. Jodelet (Org.). As representações sociais (pp. 187-203). Rio de Janeiro: Eduerj.

LABRA, O. (2013). Social representations of HIV/Aids in mass media: some important lessons for caregivers. International Social Work, 0(0), 1-11. DOI: 10.1177/0020 872813497380.

LE BRETON, David. (2011). Antropologia do Corpo. 4. ed. Petrópolis, RJ: Vozes, 2016. p. 318.

LOURO, Guacira Lopes. (2004). Um Corpo Estranho: ensaios sobre sexualidade e a teoria Queer. Belo Horizonte: Autêntica, 2008.

MELLO, Ricardo Pimentel et al . Construcionismo, práticas discursivas e possibilidades de pesquisa em psicologia social. Psicol. Soc., Porto Alegre , v. 19, n. 3, p. 26-32, Dec. 2007 .Available from .accesson 23 Oct. 2016. http://dx.doi.org/10.1590/S0102-71822007000300005.

MIGNOLO, Walter D.. COLONIALIDADE: O LADO MAIS ESCURO DA MODERNIDADE.Rev. bras. Ci. Soc., São Paulo , v. 32, n. 94, e329402, 2017 . Available from.accesson01 June 2019.Epub June 22,2017. http://dx.doi.org/10.17666/329402/2017

NOGUEIRA, C., NEVES, S. & BARBOSA, C. (2005). Fundamentos construcionistas sociais e críticos para o Estudo do Género. Psicologia. Teoria Investigação e prática, 2, 195-209. Disponível em: http://hdl.handle.net/1822/3954. Acesso em: 16 de setembro de 2017.

SALLES, L. M. F., & SILVA, J. M. A. P. E. (2008). Diferenças, preconceitos e violência no âmbito escolar: algumas reflexões. Cadernos de Educação, 1(30), 149-166.

SILVA, Antonio de Moraes, Diccionário da língua portugueza. Sexta edição. Typographia de Antonio José da Rocha, Lisboa, 1858.

SOLIVA, Thiago Barcelos in Bagoas: revista de estudos gays / Universidade Federal do Rio Grande do Norte, Centro de Ciências Humanas, Letras e Artes. - V. 1, n. 1jul./dez. 2007) - . - Natal : EDUFRN, 2007.

SONTAG, S. Doença como metáfora, AIDS e suas metáforas. São Paulo: Companhia das Letras. 2007.

SPINK, M, J. (org). Práticas Discursivas e Produção de sentidos no cotidiano: aproximações teóricas e metodológicas. Edição Virtual. Rio de Janeiro: Centro Edelstein de Pesquisas Sociais. 2012.




DOI: https://doi.org/10.34117/bjdv6n5-178

Refbacks

  • There are currently no refbacks.