Aproveitamento racional de subprodutos da indústria pesqueira: Reação de desacetilação assistida por micro-ondas e condições de otimização utilizando Design Experimental Box-Behnken / Rational use of by-products from the fishing industry: Microwave-assisted deacetylation reaction and optimization conditions using Box-Behnken Experimental Design

Suelem Paixão da Silva, Lucely Nogueira dos Santos, Ricardo Felipe Alexandre de Mello, Alberdan Silva Santos, Nelson Rosa Ferreira

Abstract


Carapaças de camarão foram utilizadas como fonte de quitina. A quitina é precursora do biopolímero quitosana que tem sido utilizada e estudada em diferentes áreas de aplicação. O objetivo deste trabalho foi a determinação de parâmetros otimizados nas condições experimentais estabelecidas utilizando Design Experimental Box-Behnken para obtenção de quitosana. A quitosana foi obtida por meio de reação de desacetilação da quitina assistida por micro-ondas. Inicialmente, as carapaças passaram por etapas de pré-tratamento: desmineralização, desproteinização e despigmentação para obtenção de quitina purificada (QP). A reação de desacetilação ocorreu pela exposição da QP em micro-ondas e meio alcalino (NaOH). A determinação do grau de desacetilação (GD) do produto foi realizada por titulação potenciométrica. Uma fração de quitosana foi obtida pelo método convencional (Qc), onde obteve-se grau de desacetilação de 62,6 % e outra fração foi obtida por radiação de micro-ondas (Qm) que apresentou resultados com valores de GD acima de 70%. Dentro do domínio experimental, os efeitos lineares de todas as variáveis independentes X1(tempo), X2 (potência) e X3 ([NaOH]) e as interações X1* X2 e X22 foram estatisticamente significativos (p<0.05) para GD, sendo que o tempo foi a variável com maior influência.

 

Palavras-chave: Quitosana, desacetilação e micro-ondas.


Keywords


Quitosana, desacetilação e micro-ondas.

References


Abreu, F. O. M. S., Cavalcante, L. G., Doudement, P. V., Castro, A. M., Nascimento A. P. (2013). Propriedades e características da quitosana obtida a partir do exoesqueleto de caranguejo-uçá utilizando radiação de micro-ondas. Polímeros, vol. 23, n. 5, p. 630-635.

Barragán, C. A. R; Fornué E.D; Ortega, J.A.A. (2016). Determinación del grado de desacetilación de quitosana mediante titulación potenciométrica, FTIR y Raman. Journal CIM, v.4, n.1.

Neves, A. C.; Schaffner, R. A.; Kugelmeier, C. L.; Wiest, A. M.; Arantes, M. K. (2013). Otimização de processos de obtenção de quitosana a partir de resíduo da carcinicultura para aplicações ambientais. Revista Brasileira de Energias Renováveis, v. 2, p. 34-47.

Silva, S. P.; Mello, R.; Gobira, R.M.; Chagas Junior, G.C.A.; Rodrigues, A.M.C.; Santos, A.S.;

Ferreira, N.R. (2017). Resíduo quitinoso da indústria pesqueira: matéria-prima para obtenção de quitosana. In: 57° Congresso Brasileiro de Química. Megatendências: desafios e oportunidades para o futuro da Química. Gramados/RS.

Tolaimatea, A; Desbrieresb, J; Rhazia, M; Alaguic, A. (2003). Contribution to the preparation of chitins and chitosans with controlled physico-chemical properties. Polymer.




DOI: https://doi.org/10.34117/bjdv6n5-169

Refbacks

  • There are currently no refbacks.