Viabilidade de bactérias probióticas do gênero Lactobacillus em néctar de taperebá: efeito nas propriedades fisico-quimicas e sensoriais / Viability of probiotic of Lactobacillus gender bacteria in taperebá nectar: effect on physicochemical and sensory properties

Ana Carla Alves Pelais, Ingryd Rodrigues Martins, Luiza Helena da Silva Martins, Alessandra Eluan da Silva, Elaine Lopes Figueiredo, Adriano Cesar Calandrini Braga

Abstract


O interesse dos consumidores por produtos mais saudáveis e com propriedades terapêuticas tem ampliado cada vez mais o mercado para a elaboração de produtos funcionais, como as bebidas probióticas que são fontes de microrganismos que proporcionam benefícios à saúde. Diante disso, este trabalho objetivou desenvolver um néctar de taperebá adicionado de bactérias probióticas do gênero Lactobacillus (L. acidophilus LA-3 (T1) e L. casei BGP 93 (T2)) e uma formulação controle sem adição de probióticos. Avaliou-se as características físico-químicas (pH, acidez total titulável e teor de carotenoides) e sensoriais, além da viabilidade probiótica das formulações que foram monitoradas até o 31º dia de armazenamento a 4 ± 1 ºC. A partir dos resultados obtidos, notou-se que o pH e a acidez total titulável apresentaram-se dentro dos parâmetros exigidos pela legislação. Também foi observado que a produção de acido lático provocou alteração na acidez e consequentemente a queda do pH. A viabilidade celular dos néctares apresentou populações probióticas dentro dos padrões preconizados pela legislação brasileira vigente durante todo o período de armazenamento à 4 ± 1 ºC. A aceitação sensorial pelos julgadores das bebidas adicionadas de Lactobacillus foi prejudicada devido à acidificação provocada pela ação desses microrganismos, ocasionando a redução nos escores para os atributos avaliados. A formulação controle foi mais aceita em decorrência da menor acidez. Contudo, foi possível evidenciar que a adição dos Lactobacillus aos néctares atribuiu características funcionais ao produto, necessitando apenas de maior controle na acidificação provocada pelos microrganismos a fim de melhorar os atributos sensoriais da bebida

Keywords


Spondias mombin L.; bactérias láticas; elaboração; análise sensorial.

References


Asquieri, E. R., Rabêlo, A. M. S. & Silva, A. G. M. (2008). Fermentado de jaca: estudo das características físico-químicas e sensoriais. Ciência e Tecnologia de Alimentos, p. 881-887, Campinas.

Association of Official Analytical Chemists – AOAC (1997). Offcial methods of analysis of AOAC international. In Fruits Juices, (16th edition) v. II, Maryland: AOAC International.

Bianchi, F. (2013). Desenvolvimento e avaliação em simulador do ecossistema microbiano humano de uma bebida simbiótica à base de extratos aquosos de quinoa (Chenopodium quinoa willd) e de soja. ( Dissertação de mestrado). Universidade Estadual Paulista “Júlio de Mesquita Filho”, Programa de Pós Graduação em Alimentos e Nutrição, Araraquara, São Paulo.

Brasil. (2001). Instrução Normativa nº 12, de 02 de janeiro de 2001. Art. 11, 16 de abril de 1999.

Brasil. (2008). Ministério da Saúde. Agência Nacional de Vigilância Sanitária. Alimentos. Alimentos com alegações de propriedades funcionais e ou de saúde, novos alimentos/ingredientes, substâncias bioativas e probióticos. Atualizado em julho de 2008. IX – Lista das alegações de propriedades funcionais aprovadas. http://www.anvisa.gov.br/alimentos/comissoes/tecno_lista_alega.htm.

Busanello, M. P. (2014). Desenvolvimento de bebida láctea prebiótica com cajá-manga (Spondias dulcis). 51f. (Monografia de Curso). Universidade Federal do Paraná. Francisco Beltrão.

Carvalho, A. V., Cavalcante, M. A., Santana, C. L. & Alves, R. M. (2011). Características físicas, químicas e atividade antioxidante de frutos de matrizes de cajazeira no estado do pará. Alimentos e Nutrição, v. 22, n. 1, p. 45-53.

Cheuczuk, F. & Rocha, L. A. (2014). Propriedades antioxidantes de bebida láctea fermentada prebiótica incorporada de polpa de cajá-manga (Trabalho de Conclusão do Curso de Tecnologia de Alimentos). Universidade Tecnológica Federal do Paraná.

Dutcosky, S. D., Grossmann, M. V. E., Silva, R. S. F. & Welsch, A. K. (2006). Combined sensory optimisation of a prebiotic cereal product using multicomponente mixture experiments. Food Chemistry, v. 98, n. 4, p. 630 - 638.

Feitosa, S. S. (2007). Nutrição mineral e adubação da cajazeira (Spondias mombin L. ) na Zona da Mata Paraibana (Dissertação de mestrado). Universidade Federal da Paraíba, Paraíba.

Ferreira, L. C. (2012). Desenvolvimento de iogurtes probióticos e simbióticos sabor cajá (Spondias mombin L.) (Dissertação de mestrado). Universidade Federal Rural de Pernambuco, Recife.

Granato, D., Ribeiro, J. C. B., Castro, I. A. & Masson, M. L. (2010). Sensory evaluation and physicochemical optimisation of soy-based desserts using response surface methodology. Food Chemistry, v. 121, p. 899 – 906.

Grigio, M. L., Chagas, E. A., Durigan, M. F. B., SOUSA, A. de A., Nascimento, C. R. do & Neves, L. C. (2012). Determinação do ponto de colheita de taperebá (Spondias mombin L.) In XXII Congresso Brasileiro de Fruticultura (p. 1377-1381). Bento Gonçalves, RS. Disponível em: https://ainfo.cnptia.embrapa.br/digital/bitstream/item/76968/1/Luiza-2-ponto-de-colheita-tapereba.pdf.

Hamano, P. S. & Mercadante, A. Z. (2001). Composition of carotenoids from commercial products of caja (spondias lutea). Journal of food composition and analysis, Campinas, v. 14, p. 335-346.

Homayouni, A., Azizi, A.; Ehsani, M. R., Yarmand, M. S. & Razavi, S. H. (2008). Growth and survival of some probiotic strains in simulated ice cream conditions. Journal of Applied Science , v. 8, n. 2, p. 379 - 382.

Horst, M. A. & Moreno, F. S. Funções plenamente reconhecidas de nutrientes. International life sciences intitute, [S.l.], 10 dez. 2009. Comitê de Nutrição, p. 36.

Jordão, F. G. (2005). Perfil sensorial e aceitabilidade de suco de laranja integral pasteurizado e suco de laranja reconstituído (Dissertação de mestrado). Universidade de São Paulo, Piracicaba.

Kailasapathy, K. (2006). Survival of free and encapsulated probiotic bacteria andtheir effect on the sensory properties of yoghurt. In LWT e Food Science and Technology, v. 39, p. 1221 - 1227.

Martins, E. M. F., Ramos, A. M., Vanzela, E. S. L., Stringheta, P. C., Pinto, C. L. O. & Martins, J. M. (2013). Products of vegetable origin: A new alternative for the consumption of probiotic bactéria. Food Research International, v. 51, p. 764 - 770.

Mattietto, R. A. (2005). Estudo tecnológico de um néctar misto de cajá (spondias lutea l.) e umbu (spondias tuberosa, arruda câmara). (Tese de Doutorado). Faculdade de Engenharia de Alimentos, Universidade Estadual de Campinas, Campinas.

Mattietto, R. A., Lopes, A. S. & Menezes, H. C. Estabilidade do néctar misto de cajá e umbu. Ciência e Tecnologia de Alimentos, Campinas, v. 27, p. 456 - 463.

Mattietto, R. A., Yano, C. Y. B. & Vasconcelos, M. A. M. (2006). Caracterização de um blend tropical elaborado com polpas de maracujá, acerola e taperebá. 1ª. ed. Belém: EMBRAPA, 19 p.

Miranda. A. P., Martins, I. R. & Pelais, A. C. A. Desenvolvimento de néctar de taperebá utilizando a metodologia de superfície de resposta (MRS). In: XXVI Congresso Brasileiro de Ciência e Tecnologia de Alimentos, 2018, Belém. Anais do XXVI Congresso Brasileiro de Ciência e Tecnologia de Alimentos, 2018.

Oliveira, M. N., & Damin, M. R. (2002). Efeito do teor de sólidos e da concentração de sacarose na acidificação, firmeza e viabilidade de bactérias do iogurte e probióticas em leite fermentado. Ciência e Tecnologia de Alimentos , v. 23, p.172 - 176.

Paula, A. T. (2010). Atividade antimicrobiana de microrganismos probióticos em bebidas lácteas fermentadas (Dissertação de mestrado). Universidade Estadual Paulista, São José do Rio Preto.

Pelais, A. C. A. (2014). Néctar de cupuaçu adicionado de proteína de soja e probióticos e avaliação de seus efeitos in vivo em ratos wistar induzidos a lesões pré neoplásicas (Tese de Doutorado). Universidade Federal de Viçosa, Viçosa.

Pimentel, T. C. (2011). Probióticos e beneficios à saude. Revista Saude e Pesquisa, v. 4, p. 101-107.

Pires, E. C. S. (2016). Viabilidade de Lactobacillus casei em leite fermentado enriquecido com biomassa de banana verde (Trabalho de Conclusão de Curso). Universidade de Brasília, Brasília.

Riquette, R. F. R. (2013). Bebidas fermentadas probióticas à base de extrato hidrossolúvel de soja adicionadas de mel de abelha: Desenvolvimento, avaliação sensorial e determinação da vida de prateleira (Dissertação de mestrado). Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte.

Sanchez, B., Reyes-Gavilan, C. D., Margolles, A., & Gueimonde, M. Probiotic fermented milks: present and future. International Journal of Dairy Technology , v. 62, p. 472 - 483.

Silva, M. L. S. (2012). Teor de carotenoides em polpas de acerola congeladas. 36 f. (Trabalho de Conclusão de Curso). Universidade Federal do Piauí, Picos.

Thamer, G. K. & Penna, B. L. A. (2005). Efeito do teor, açúcar e de frutooligossacarídeos sobre a população de bactérias em bebidas fermentadas. Revista Brasileira de Ciências Farmacêuticas, v. 41, n. 3.

Tiburski, J. H., Rosenthal, A., Deliza, R., Godoy, R. L. O. & Pacheco, S. (2011). Nutritional properties of yellow mombin (Spondias mombin L.) pulp. Food Research International, v. 44, p. 2326 - 2331.

Zarpelon, A. F., Anjos, J. S., Fernandes, A. V. C., Franco, K., Lima, N. F., & Mattanna, P. (2017). Desenvolvimento de bebida probiótica fermentada de beterraba, cenoura e maçã: análises físico-químicas sensoriais. In XIV Encontro Regional Sul de Ciência e Tecnologia de Alimentos. Curitiba.

Zoellner, S. S., Cruz, A. G., Faria, J. A. F., Bolini, H., Moura, M. R. L. & Carvalho, L. M. J. (2009). Whey beverage containg açaí pulp as food carrier for probiotic bactéria. Australian Journal of Dairy Technology, v. 64, n. 2, p. 165-169.




DOI: https://doi.org/10.34117/bjdv6n5-158

Refbacks

  • There are currently no refbacks.