Uso de aliviadores de pressão em idosos acamados hospitalizados: um relato de experiência / Use of pressure reliefers in hospitalized elderly elderly: an experience report

Anna Karine Dantas de Souza, Ana Patrícia do Egito Cavalcanti de Farias, Arrisson Leite Costa, Maria de Fátima Oliveira da Silva, Mayrla Lima Pinto, Pauliana Caetano Lima, Tiago José Silveira Teófilo, Valkênia Alves Silva

Abstract


O envelhecimento populacional gera uma série de questões cruciais para gestores e pesquisadores dos sistemas de saúde e das repercussões desse fenômeno na sociedade como um todo, um dos resultados dessa dinâmica é a maior procura dos idosos por serviços de saúde com maior frequência de internações e tempo de hospitalização, restrição de mobilidade tornando as pessoas idosas mais expostas ao surgimento de lesões na pele. Essa pesquisa tem como objetivo relatar a implantação do uso de aliviadores de pressão em idosos hospitalizados e com mobilidade prejudicada como estratégia de prevenção de lesões por pressão. Estudo descritivo, tipo relato de experiência, que está sendo desenvolvido em unidade de clínica médica. Trata-se da aplicação de um dispositivo aliviador de pressão para prevenção de LPP em pacientes idosos. O critério adotado para aplicabilidade do dispositivo, é que o paciente seja idoso, tenha 60 anos ou mais, seja orientado ou que esteja acompanhado. Sendo classificado de acordo com a Escala de Braden com risco alto ou muito alto para o desenvolvimento de LPP. Uma alternativa que tem se mostrado eficaz em nossa prática diária uma vez que o dispositivo proporciona conforto e protege a pele em risco, diminuindo a dor na hora da retirada, evitando maceração da borda, podendo ser usada para prevenir e tratar lesões crônicas e agudas pré existentes, com durabilidade de até 07 dias.

 


Keywords


Lesão por Pressão, Idoso, Enfermagem.

References


BLACK et al, Pressure ulcer incidence and progression in critically III subject.Journal Wound Ostomy Continence Nursing. Saint Lous, v.3, n.3, p.267-273,2012. Disponível em: https://journals.lww.com/jwocnonline/Abstract/2012/05000/Pressure_Ulcer_Incidencl_anl_Progression_in.8.aspx. Aceso em: 15 Abr. 2019.

BORGHARDT, Andressa Tomazini et al. Avaliação das escalas de risco para úlcera por pressão em pacientes críticos: uma coorte prospectiva. Rev Latino-Am Enfermagem. 2015; 23(1):28-35. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/rlae/v23n1/pt_0104-1169-rlae-23-01-00028.pdf .

Acesso em: 15 Abr. 2019.

CARVALHO, José Alberto Magno de; RODRIGUEZ-WONG, Laura L. A transição da estrutura da população brasileira na primeira metade do século XXI. Cad. Saúde Pública. 2008;24(3):597-605. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/csp/v24n3/13.pdf. Acesso em: 07 Abr. 2019.

CARVALHO FILHO, Eurico Thomaz de; PAPALÉO NETTO, Matheus.Geriatria: fundamentos, clínica e terapêutica. 2a ed. São Paulo: Atheneu; 2006. p. 661-6.

FREITAS, Maria Celia de et al. Úlcera por pressão em idosos institucionalizados: análise da prevalência e fatores de risco. Rev Gaúcha Enferm. Porto Alegre (RS) 2011 mar;32(1):143-50. http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1983-14472011000100019. Acesso em: 08 Abr. 2019.

HANS, Marisa; BITENCOURT, Júnia Valéria de Oliveira Vargas; PINHEIRO, Flaviana. Additional risk factors related to Braden Scale: a risk for pressure ulcers. Enferm Foco. 2011; 2(4):222-25 . Disponível em: revista.cofen.gov.br/index.php/enfermagem/article/view/188. Acesso em: 15 Abr. 2019.

LANGEMO, Diane K; ANDERSON, Julie; VOLDEN, Cecilia M. Nursing quality outcome indicators: the North Dakota Study. J Nurs Adm. 2002;32(2):98-105. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_nlinks&ref=000113&pid=S19831447201100010001900001&lng=pt Acesso em: 13 Abr. 2019.

LUZ, Sheila Rampazzo et al. Úlceras de pressão. Geriatr gerontol. 2010; 4:36-43. Disponível em: http://webcache.googleusercontent.com/search?q=cache:VbHsl4cTAZUJ:www.ggaging.com/export- pdf/296/v4n1a06.pdf+&cd=1&hl=pt-BR&ct=clnk&gl=br. Acesso em: 15 Abr. 2019.

VERAS, Renato. Envelhecimento populacional contemporâneo: demandas, desafios e inovações. Rev. Saúde Pública. 2009;43(3):548-54. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/rsp/v43n3/224.pdf. Acesso em: 08 Abr. 2019.




DOI: https://doi.org/10.34117/bjdv6n5-154

Refbacks

  • There are currently no refbacks.