Comparação entre coagulantes orgânicos e sulfato de alumínio no pós tratamento do efluente de industria cervejeira / Comparison of the application of organic coagulants and aluminum sulphate after the treatment of effluent from the brewing industry

Fellipe Jhordã Ladeia Janz, Edilaine Regina Pereira, Thaís Ribeiro, Dandley Vizibelli, Julio Cesar Angelo Borges, Maria Christina Andrade

Abstract


A presente pesquisa comparou a aplicação de diferentes tipos de coagulantes no pós tratamento do efluente proveniente da indústria cervejeira, sendo utilizados os coagulantes Tanino, Sulfato de Alumínio e o extraído da semente de Moringa oleifera. O estudo utilizou a metodologia Jar Teste para simular os processos de coagulação/floculação/sedimentação e foram analisados os parâmetros pH, condutividade elétrica, demanda química de oxigênio, sólidos totais, cor aparente e turbidez. Os ensaios foram realizados em duplicata e foram analisados estatisticamente através do programa BioEstat 5.0 por meio da análise de variância ANOVA avaliando apenas um critério. Todos os coagulantes apresentaram resultados promissores, porém dentre os coagulantes utilizados no estudo, o mais indicado para uso é o extraído da semente de Moringa oleifera, pois obteve os melhores resultados.

 

 


Keywords


indústria de cervejaria; tratamento de efluentes; coagulantes

References


APHA. Standard Methods for the Examination of Water and Wastewater. 22ª ed. Washington, 2012.

CETESB. Secretaria do Meio Ambiente. Companhia de Tecnologia de Saneamento Ambiental – CETESB. Cervejas e Refrigerantes. São Paulo: CETESB, 2005. Disponível em: http://www.cetesb.sp.gov.br. Acesso em:24 nov. 2017.

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO –MAPA. A cerveja no brasil. 2018. Disponível em: . Acesso em: 23 de abril de 2019.

THEODORO, J. D. P. Estudo dos mecanismos de coagulação/floculação para a obtenção de água de abastecimento para o consumo humano. 2012. 184f. Tese de Doutorado (Departamento de Engenharia Química) – Centro de Tecnologia, Universidade Estadual de Maringá, Maringá, 2012.




DOI: https://doi.org/10.34117/bjdv6n5-150

Refbacks

  • There are currently no refbacks.