Simulação e avaliação dos parâmetros dinâmicos da luz natural para salas de aula da Universidade Federal da Paraíba – UFPB / João Pessoa / Simulation and evaluation of dynamic parameters of natural light for classrooms of the Federal University of Paraíba - UFPB/João Pessoa

Camila Sales Nóbrega de Santana, João Victor Bezerra de Araújo Primo, Camilla Pereira Soares, José Felix da Silva Neto, Marçal Rosas Florentino Lima Filho, Luiz Moreira Coelho Junior

Abstract


Em nível mundial, o crescimento populacional tem representado um aumento na demanda de edificações e consumo de energia. De maneira geral, as edificações são responsáveis por altos índices de consumo de energia voltados a iluminação. Visando contribuir para melhorar a eficiência energética e otimizar o uso dos recursos naturais, é essencial verificar a disponibilidade de iluminação natural e seus impactos no projeto de iluminação artificial. Este artigo avaliou o desempenho luminoso com enfoque na autonomia da iluminação natural em salas de aulas do bloco do Centro de Energias Alternativas e Renováveis - CEAR, localizado na Universidade Federal da Paraíba, João Pessoa – Paraíba e apresentou cenários com iluminação artificial para o alcance dos parâmetros adequados para perfeito uso das salas. A análise perpassou pelo diagnóstico da situação atual com o uso dos programas computacionais Shetchup e Dialux correlacionando-o com a quantidade de iluminância recomendada pela NBR 15:215-4:2005 para ambientes de ensino. Os resultados demonstram uma boa disponibilidade de iluminação natural que pode ser utilizada em favor da eficiência energética durante boa parte dos dias estudados (solstício de verão, solstício de inverno e equinócios). Tais resultados se mostraram dependentes da geometria e posição das salas de estudo. Como já era esperado, observou-se que a autonomia da luz natural foi insuficiente para atender as atividades especificadas no projeto. O trabalho propôs o uso de estratégias alternativas (bioclimáticas ou artificiais) para adequar o projeto visando viabilidade técnica e eficiência energética. Como resultados da intervenção proposta, o impacto ocasionado no consumo energético foi suficiente para garantir a viabilidade operacional nas salas de aulas bem como uma redução de 60 a 70% do total por mês da iluminação artificial consumida no local proposta em projeto elétrico. Pode-se concluir que a simulação contribuiu para um melhor diagnóstico dos níveis de iluminação e autonomia das salas objeto de estudo, o que levou a intervenções adequadas no projeto de iluminação e consequentemente melhoria na eficiência energética das edificações com impacto direto na sustentabilidade e meio ambiente.


Keywords


eficiência energética; conforto lumínico; consumo energético

References


ALBUQUERQUE, M. S. C; AMORIM, C. N. C. Iluminação natural: indicadores de profundidade limite em ambientes para iluminação natural no Regulamento Técnico de Qualidade do Nível de Eficiência Energética de Edifícios Residenciais. Ambiente Construído,v.12,n 02, jun. 2012.

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS - ABNT. NBR14724: Informações e documentação; trabalhos acadêmicos; apresentação. Rio de Janeiro, 2002.

__________. NBR 15.215-2:2005: Iluminação Natural - Parte 2: Procedimento de cálculo para a estimativa da disponibilidade de luz natural. Rio de Janeiro, 2003.

___________. NBR 15.215-3:2005: Iluminação Natural - Parte 3: Procedimento de cálculo para a determinação da iluminação natural em ambientes internos. Rio de Janeiro, 2003.

___________. NBR 15.215-4:2005: Verificação experimental das condições de iluminação interna de edificações – Método de medição. Rio de Janeiro, 2004.

___________. NBR ISO 8995-1: Iluminação de ambientes de trabalho parte 1: Interior. Rio de Janeiro, 2013.

___________. NBR ISO 5461:1991: Iluminação. Rio de Janeiro, 1991.

BORBA, I. M. M. Avaliação do potencial de prateleiras de luz na distribuição da luz natural: estudo em modelo reduzido. Paraná, 2005.

BRASIL. Agência Nacional de Energia Elétrica - ANEEL. Tarifa de energia elétrica. Disponível em: < http://www.aneel.gov.br/tarifas/>. Acesso em: 14 jul. de 2017.

CASTRO, G. N. Componente de condução da luz natural em edifícios multifamiliares. João Pessoa, PB: Dissertação, UFPB, 2013.

CARDOSO, F. F.. A sustentabilidade ao longo do ciclo de vida de edifícios: a importancia da etapa de projeto arquitetônico. São Paulo, 2002.

CATÁLOGO EVER LIGHT. Disponível em: < http:// www.everlight.com.br />. Acesso em: 10 jul. de 2017.

ELETROBRÁS/PROCEL. Manual para aplicação do RTQ-C.v02, 2013.

HEYWOOD, H. 101 Regras básicas para uma arquitetura de baixo consumo energético. Gustavo Gill, São Paulo, 2015.

INMETRO - Instituto Nacional de Metrologia, Normalização e Qualidade Industrial. Regulamento TRO - Instituto Nacional de Metrologia, Normalização e QuaC). Rio de Janeiro, 2010.

KOWALTOWSKI, D. Arquitetura Escolar: o projeto do ambiente de ensino. São Paulo: Oficina de textos, 2013.

LAMBERTS, R.; DUTRA, L.; PEREIRA, F. Eficiencia energetica na arquitetura. 3.ed. ELETROBRAS/PROCEL, 2014.

LUCENA, M. C.; Alejandro, C. Avaliação dos parâmetros dinâmicos e estáticos do conforto lumínico em salas de aula do Centro de Tecnologia na Universidade federal da Paraíba. VI Encontro Nacional de Ergonimia do Ambiente Construído. Anais... Recife, 2015.

MOREIRA, V. A. Iluminação e fotometria: teoria e aplicação. São Paulo: Edgard Blücher, 1987.

OSRAM. Manual Luminotécnico Prático. Osasco, SP, 2000.

PRESTES, M. L. M. A pesquisa e a construção do conhecimento científico: do planejamento aos textos, da escola à academia. 2. ed. São Paulo: Rêspel, 2003.

ROMERIO, M. A.; REIS, L. B. Eficiencia energética em edifícios. 1ed. Manole, São Paulo, 2012.

ROIZENBLATT, I. Iluminação Urbana - A visão dos conceituadores da luz. Edição 44, Setembro de 2009. Disponível em: . Acesso: 11 ago. 2017.

VIANA, N. S.; GONÇALVES, J. C. S. Iluminação e Arquitetura. São Paulo: Vitruvius s/c Ltda,2001.

WERTHEIN, J. É preciso mais que um ensino médio. Gazeta do Povo, 2010.




DOI: https://doi.org/10.34117/bjdv6n5-101

Refbacks

  • There are currently no refbacks.