Education and income in civil construction and industry in Brazil between 2002 and 2013 / Educação e renda na contrução civil e na indústria brasileira entre 2002 e 2013

Diogo Ferraz, Naijela Silveira, Eduardo Polloni Silva, Leônidas Pompeu Leão Velloso, Diego Scarpa Mello, Fabíola Cristina Ribeiro de Oliveira

Abstract


In 2015, the Federal Government launched the slogan "Brasil Pátria Educadora", placing education as a driving force behind the development of the nation. The contribution of this paper was to estimate educational rates of return for the Industry and Construction Sector from 2002 to 2013 and wage differentiation by gender, race, and geographic region. The  Human Capital Theory and educational rates of return presented themselves as an appropriate theoretical framework. The proposed method was earnings equations with polygonal adjustment for education. Using the National Household Sample Survey – PNAD/IBGE, it was observed that educational returns in Construction Sector are higher than in Industry. Another significant result was the asymmetry of the educational return. In Construction, individuals with eight years of schooling or more receive five times more than workers with less education. In Industry, this proportion is three times higher for individuals with eleven years of study or more. This work confirms the understanding that education remained among the variables that contributed most to the increase in income, and educational inequality is translated into the income gap in the labor market.


Keywords


Education; Income; Civil Construction; Industry; Human Capital Theory.

Full Text:

PDF

References


ARBACHE, J. S. Determinação e diferencial de salários no Brasil. In: FONTES, R.;

BARROS, R. P. de; MENDONÇA, R.; SANTOS, D.D. dos; QUINTAES, G. Determinantes do desempenho educacional no Brasil. Rio de Janeiro: IPEA, 2001. (Texto para Discussão, 834).

____________; HENRIQUES, R.; MENDONÇA, R. Pelo fim das décadas perdidas: educação e desenvolvimento sustentado no Brasil. Rio de Janeiro: IPEA, 2002. (Texto para Discussão, 857).

____________; FRANCO, S.; MENDONÇA, R. A recente queda da desigualdade de renda e o acelerado progresso educacional brasileiro da última década. Rio de Janeiro: IPEA, 2007. (Texto para Discussão, 1304).

BECKER, G.S. Human capital: a theoretical and empirical analysis with special reference to education. 3. ed. Chicago: The University of Chicago Press, 1994.

DEPARTAMENTO DA INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO – DECONCIC. Proposta de política industrial para a construção civil – edificações. São Paulo, out. 2008.

HECKMAN, J.J. Shadow prices, market wages, and labor supply. Econometrica, Princeton University Press, p. 679-694, 1974.

____________. Sample selection bias as a specification error. Econometrica, Menasha, v. 47, n.1, p.153-161, jan. 1979.

HOFFMANN, R. Distribuição de renda e crescimento econômico. Estudos Avançados, São Paulo, v. 15, n. 41, 2001.

____________; NEY, M.G. Desigualdade, escolaridade e rendimentos na agricultura, indústria e serviços, de 1992 a 2002. Economia e Sociedade, Campinas, v. 13, n. 2, p. 51-79, jul./dez. 2004.

____________; SIMÃO, R.C.S. Determinantes do rendimento das pessoas ocupadas em Minas Gerais em 2000: o limiar no efeito da escolaridade e a diferença entre mesorregiões. Nova Economia, Belo Horizonte, v. 15, n. 2, p. 35-62, maio /agosto 2005.

____________. Desigualdade da distribuição da renda no Brasil: a contribuição de aposentadorias e pensões e de outras parcelas do rendimento domiciliar per capita. Economia e Sociedade, Campinas, v. 18, n. 1, p. 213-231, abr. 2009.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAGIA E ESTATÍSTICA - IBGE. Pesquisa Nacional por Amostra por Domicílios 2013, v. 31, Brasil. Rio de Janeiro, IBGE.

INSTITUTO NACIONAL DE ESTUDOS E PESQUISAS EDUCACIONAIS ANÍSIO TEIXEIRA - INEP. Ministério da Educação. Censo Escolar 2010, 2011 e 2012. Disponível em: < http://www.inep.gov.br/>. Acesso em: 29 jul. 2013.

INSTITUTO DE PESQUISA ECONÔMICA APLICADA – IPEA. Sobre a recente queda da desigualdade de renda no Brasil. Brasília: IPEA, agosto de 2006. Nota Técnica. Disponível em: . Acesso em: 12 mai. 2012.

KASSOUF, A.L. The wage rate estimation using the Heckman procedure. Revista de Econometria, Rio de Janeiro, p. 89-107, 1994.

____________. Wage gender discrimination and segmentation in the Brazilian labor market. Economia Aplicada, São Paulo, v. 2, n. 2, p. 243-269, 1998.

LANGONI, C.G. Distribuição da renda e desenvolvimento econômico do Brasil. Rio de Janeiro: Expressão e Cultura, 1973.

LEAL, C. I. S.; WERLANG, S. R. C. Retornos em educação no Brasil: 1976/89. Pesquisa e Planejamento Econômico, Rio de Janeiro, v. 21, n. 3, p. 559-574, dez. 1991.

MENEZES-FILHO, N. Equações de rendimentos: questões metodológicas. In: CORSEUIL, C. H. Estrutura salarial: aspectos conceituais e novos resultados para o Brasil. Rio de Janeiro: IPEA, 2002.

MINCER, J. Schooling, experience and earnings. National Bureau of Economic Research, 1974.

OLIVEIRA, F.C.R. de; HOFFMANN, R. Determinantes dos salários dos empregados na lavoura de cana de açúcar e em outras atividades agropecuárias no Brasil. Revista de Economia Agrícola, São Paulo, v. 58, n. 2, p. 41-56, jul./dez. 2011.

PIKETTY, T. O Capital no século XXI. Rio de Janeiro: Intrínseca, 2014. 672 p.

SACHIDA, A.; LOUREIRO, P.R.A.; MENDONÇA, M.J.C. de. Um estudo sobre retorno em escolaridade no Brasil. Revista Brasileira de Economia, Rio de Janeiro, v.58, n.2, p. 249-265, abr./jun. 2004.

SCHULTZ, T.W. The economic value of education. New York: Columbia University Press, 1961.

SOARES, R.; GONZAGA, G. Determinação de salários no Brasil: dualidade ou não-linearidade no retorno à educação. Anais do XX Encontro Brasileiro de Econometria, Vitória, vol.II, 9-11, 1999.

SOARES, S.S.D. Distribuição de renda no Brasil de 1976 a 2004 com ênfase no período entre 2001 e 2004. Brasília: IPEA, fev. 2006. (Texto para Discussão, 1166).

SMITH, A. A riqueza das nações: investigação sobre sua natureza e suas causas. São Paulo: Nova Cultural, 1776.




DOI: https://doi.org/10.34117/bjdv6n5-096

Refbacks

  • There are currently no refbacks.