“Como ficará a superioridade masculina?”: Marie Curie e o “Fim” da submissão das mulheres nas ciências / “How will male superiority stay?”: Marie Curie and the “End” of women's submission in sciences

Ana Carolina Hyrycena, Gustavo Pricinotto, Sara Silva Soares, Giovanna Conrado Quadros, Juliano Lopes Soares dos Santos, Estela dos Reis Crespan, Alexandre Luiz Polizel

Abstract


O presente estudo teve visou compreender do processo de afetação e produção da identificação de mulheres do curso de Licenciatura em Química, da Universidade Tecnológica Federal do Paraná, e investigar os elementos responsáveis por produzir formas de estabilização relativamente duráveis do ser e estar mulher, assim como formas de interdição do ser cientista. Para isso, o documentário “Marie Curie: a mãe da radiação” foi exibido para graduandas dos dois períodos iniciais do curso, para que fossem elencadas as percepções das mulheres a partir da afetação pelo documentário em questão, qualitativa por meio de um questionário semi-estruturado. Posteriormente desenvolvemos uma análise qualitativa dos resultados, na qual percebemos a afetação de várias estudantes diante da fala de um jornalista no momento em que Marie se torna a primeira mulher a lecionar na universidade de Sourbonne: “Como ficará a superioridade do homem?”. Além disso, diversas outras  formas de afetação foram relatadas pelas estudantes, articulando formas de discriminação e de perseguições sofridas. Então, percebemos a existência de elementos que, constantemente, estabilizam verdades que naturalizem a existência das mulheres, identificando-as na impossibilidade de serem cientistas sem seus respectivos “homens”. Mas seria inquestionável a superioridade dos homens? Seria possível desnaturalizar estes papeis? Para isso, é necessário que sejam estabelecidas possibilidades de repensar essa naturalização dos espaços nos quais as mulheres estão presentes, nessa teia articulada da despotencialização da identificação da mulher, desconstruindo espaços predefinidos para elas que as impossibilitam de escolherem seus caminhos.


Keywords


Mulher cientista, afetação, identificação, superioridade masculina.

References


BEAUVOIR, Simone. O Segundo Sexo: Fatos e Mitos. 3. Ed. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 2016.

(COSTA, Ana Alice Alcântara. SARDENBERG, Cecilia Maria Bacellar. Feminismo, Ciência e Tecnologia. Salvador: REDOR/NEIM-FFCH/UFBA, 2002. 320p. - (Coleção Bahianas; 8).

HALL, Stuart. A identidade cultural na pós – modernidade/ tradução Tomaz Tadeu da Silva, Guacira Lopes Louro. 11 ed. Rio de janeiro: DP&A, 2006.

LATOUR, Bruno. A esperança de pandora: ensaios sobre a realidade dos estudos científicos. Bauru: EDUSC, 2001.

LATOUR, Bruno. Ciência em ação: como seguir cientistas e engenheiros sociedade afora. Tradução de Ivone C. Benedettí. São Paulo: Editora UNESp, 2000.

LATOUR, Bruno. Jamais fomos modernos: Ensaio de Antropologia Simétrica. Rio de Janeiro: Ed. 34, 1994.

LETA, Jacqueline. As mulheres na ciência brasileira: crescimento, contrastes e um perfil de sucesso. Estudos Avançados, Rio de Janeiro, v. 17, n. 49, p. 271-284, 2003.

NADER, Maria Beatriz. CAMINOTI, Jacqueline Medeiros. Gênero e poder: a construção da masculinidade e o exercício do poder masculino na esfera doméstica. Anais do Encontro Regional de História da Anpuh-Rio: Saberes e praticas científicas, 2014.

NARVAZ, Martha Giudice; KOLLER, Sílvia Helena. Metodologias feministas e estudos de gênero: articulando pesquisa, clínica e política. Psicologia em Estudo, Maringá, v. 11, n. 3, p. 647-654. 2006.

OLINTO, Gilda. A inclusão das mulheres nas carreiras de ciência e tecnologia no Brasil. Inclusão Social. Brasília, v. 5, n. 1, p.68-77, jul/dez. 2011. . Disponível em:

http://repositorio.ibict.br/bitstream/123456789/427/1/GildaO.pdf. Acesso em: 23

nov. 2018.

SILVA, Elizabete Rodrigues da. A (in)visibilidade das mulheres no campo científico. Revista HISTEDBR On-line, Campinas, n.30, p.133-148, jun. 2008. Disponível em: http://www.histedbr.fe.unicamp.br/revista/edicoes/30/art09_30.pdf. Acesso em: 23 nov. 2018.

SILVA, Emanuely Arco Iris. Ciência no feminino: um estudo sobre a presença da mulher docente na pósgraduação da UFPE. Programa de Pós-graduação em Educação Contemporânea . Universidade Federal de Pernambuco, Caruaru, 2015.

SILVA, Rosalina Carvalho da. A Falsa Dicotomia Qualitativo -Quantitativo: Paradigmas que Informam nossas práticas de pesquisas. In: Romanelli , G. ; BiasoliAlves, Z.M.M. (1998) Diálogos Metodológicos sobre Prática de Pesquisa. Rio Preto:Editora Legis-Summa, 1998. p. 159-174.

SCHIEBINGER, L. O feminismo mudou a ciência? Tradução Raul Fiker. Bauru: EDUSC, 2001.

STENGERS, Isabelle. Reativar o animismo. Trad. Jamille Pinheiro. Chão de Feira: Belo Horizonte, 2017.

NARVAZ, Martha Giudice; KOLLER, Sílvia Helena. Metodologias feministas e estudos de gênero: articulando pesquisa, clínica e política. Psicologia em Estudo, Maringá, v. 11, n. 3, p. 647-654. 2006.

WANG, May-Lin. JABLONSKI, Bernardo MAGALHÃES, Andréa Seixas . Identidades masculinas:limites e possibilidades. Psicologia em Revista - Belo Horizonte - v. 12 - n. 19 - p. 54-65 - jun. 2006.




DOI: https://doi.org/10.34117/bjdv6n5-080

Refbacks

  • There are currently no refbacks.