O mapa conceitual como uma atividade didática avaliativa no ensino superior / The concept map as an evaluative teaching activity in higher education

Graciane Silva Bruzinga Borges, Eliúde Oliveira Leal, Célia da Consolação Dias, Gercina Ângela de Lima

Abstract


O processo de avaliação da aprendizagem no ensino superior se configura hoje em um cenário de mudanças. Frente às novas tecnologias didáticas e a um perfil dinâmico de estudante, o ambiente educacional tem buscado novos caminhos. O objetivo deste artigo é apresentar a elaboração de Mapas Conceituais como uma alternativa às atividades didáticas avaliativas. Este recurso se caracteriza como um  instrumento de análise, síntese e representação de conteúdos. A metodologia utilizada se baseou na abordagem analítica-sintética, prevendo cinco etapas: 1) planejamento; 2) prototipagem; 3) validação; 4) revisão e 5) finalização. O universo de estudo constituiu-se de uma turma do curso de Biblioteconomia da Universidade Federal de Minas Gerais, tendo sido produzidos oito mapas via o software Cmap Tools. Os resultados obtidos foram positivos, demonstrando facilidade na avaliação do professor e na assimilação dos estudantes. Conclui-se que a metodologia é consistente e o instrumento eficaz, possibilitando uma aplicação continuada durante a graduação.


Keywords


Avaliação da Aprendizagem. Processo de Ensino-aprendizagem. Ensino Superior. Mapa Conceitual.

References


CAVALCANTI, Roberto de Albuquerque; GAYO, Maria Alice Fernandes da Silva. Andragogia na educação universitária. Revista Conceitos, n. 11 e 12, p. 44-51, Jul.2004-Jun. 2005. Disponível em: . Acesso em: 30 jul. 2017.

CORREIA, Paulo Rogério Miranda; SILVA, Amanda Cristina da; ROMANO JUNIOR, Jerson Geraldo. Mapas conceituais como ferramenta de avaliação na sala de aula. Revista Brasileira de Ensino de Física. São Paulo, v. 32, n. 4, p. 4402-1-4402-8, 2010. Disponível em: . Acessoem: 27 jul. 2017.

EARL, Lorna. Assessment as learning: using classroom assessment to maximize student learning. California: Corwin Press, 2003.

FORTE, Luiza Tatiana et al. Mapas conceituais: representação do conhecimento. In: CONGRESSO ONLINE DO OBSERVATÓRIO PARA A CIBERSOCIEDADE, 3. 20/11 – 03/12/2006. Disponível em:. Acesso em: 20 jun. 2017.

GRILLO, M. C.; GESSINGER, R. M. (Orgs.).Por que falar ainda em avaliação? Porto Alegre: EDIPUCRS, 2010.

MOREIRA, Marco Antonio. Mapas conceituais e aprendizagem significativa. Cadernos do Aplicação, v. 11, n. 2, p.143-156, 1998.

NAOE, Aline. Uso de mapas conceituais favorece aprendizagem e processos colaborativos.Educação, USP Online Destaque, Fev. 2014. Disponível em: . Acesso em: 16 jul. 2017.

SANTOS, Sandra Carvalho dos. O Processo de ensino-aprendizagem e a relação professor-aluno: aplicação dos “Sete princípios para a boa prática na educação de Ensino superior”. Caderno de Pesquisas em Administração, USP, v. 8, p. 69-82, 2001.

SOUZA, Nadia Aparecida de; BORUCHOVITCH, Evely. Mapas conceituais: estratégia de ensino/aprendizagem e ferramenta avaliativa. Educação em Revista., Belo Horizonte , v. 26, n. 3, p. 195-217, dez. 2010 . Disponível em: . Acessoem: 16 jul. 2017.

STRUYVEN, Katrien; DOCHY, Filip; JANSSENS, Steven. Students’ perceptions about evaluation and assessment in higher education: a review. Assessment & Evaluation in Higher Education, v. 30, n. 4, p. 331-347, 2005.

ZABALZA, Miguel. La enseñanzauniversitaria: elescenario y sus protagonistas. Madrid: Narcea, 2002.




DOI: https://doi.org/10.34117/bjdv6n5-026

Refbacks

  • There are currently no refbacks.