As relações de poder no ambiente escolar à luz do pensamento Foucaultiano / The relations of power in the school environment in the light of Foucaultian thought

Caroliny Santos Lima, George Ribeiro Costa Homem, Ginia Kenia Machado Maia, Ana Cristina de Assunção Xavier Ferreira, José Luis dos Santos Sousa, Fernando Machado Ferreira

Abstract


No artigo em questão trazemos as reflexões de Foucault sobre relações de poder, como são caracterizados os diferentes modos de poder, perpassando pelas formas de força e disciplina aplicados no ambiente escolar no intuito de caracterizar como as regras se aplicam nesse espaço. Objetivamos com esse estudo identificar as relações de poder em Foucault e como elas se manifestam no ambiente escolar. Conforme o pensamento de Foucault, compreendemos que o poder não existe, o que permanece são as práticas ou relações de poder que se estabelecem na sociedade. Nesse sentindo, abordaremos o aspecto da relação poder/saber, bem como, da noção de poder disciplinar, ou seja, como o poder disciplinar e suas práticas disciplinares privilegiam a análise da disciplina como forma do poder, considerando suas características de disciplinar e corrigir, assim como a sua importância para o bom funcionamento do espaço escolar como forma de garantir a manutenção do caráter formativo/pedagógico que se configura estruturante para a sociedade com mais consistência teórica e metodológica para fortalecer a postura crítico reflexiva. O Estudo é de natureza qualitativo e bibliográfico, buscou-se extrair os aspectos relevantes do pensamento de Foucault para a reflexão das relações de poder no ambiente escolar. Para respaldar esse estudo buscamos fontes que abordam a temática, principalmente as obras de Foucault. Sobre o poder abordaremos Vigiar e Punir (1987), assim como A arqueologia do Saber (2004), dentre outros autores e fontes que discutem a temática. Assim, a pesquisa possibilitou inicialmente perceber que o pensamento de Foucault permite afirmar que, no interior das estratégias disciplinares, a escola encontra-se em uma situação de identidade a outras instituições como prisão, hospital, fábrica. No estudo destacam-se a necessidade da construção de um novo modelo educativo, que possa ser capaz de criar uma atitude de alteridade frente ao saber e formar sujeitos capazes de romper com as estratégias do poder disciplinar e adotar uma postura de invenção frente ao conhecimento, assim, com base nessas reflexões esperamos que a educação seja capaz de instruir os indivíduos muito mais do que disciplinar.


Keywords


Relação de Poder. Saber. Ambiente escolar. Disciplina.

References


APPLE, M. W. Ideologia e Currículo. 3. Ed. Porto Alegre: Artmed, 2006.

________. Lições das escolas democráticas. In: _______ (orgs). Escolas Democráticas. 2. Ed. São Paulo: Cortez, 2001.

________. Reestruturação Educativa e Curricular e as agendas neoliberal e neoconservadora: entrevista com Michael Apple. Currículo sem Fronteiras, v.1, n.1, p. 5‐33, 2001.

FOUCAULT, Michel. Microfísica do Poder. 11ª ed., Rio de Janeiro: Graal, 1997.

________. Vigiar e punir: história da violência nas prisões. 8º Ed. Petrópolis: Vozes, 1991.

_________. Vigiar e Punir. Trad. Raquel Ramalhete. 27. ed. Petrópolis: Vozes, 1987.

________. A ordem do discurso: aula inaugural no Collége de France, pronunciada em 2 de dezembro de 1970. Trad. Laura Fraga de Almeida Sampaio. 24º ed. São Paulo: Edições Loyola, 2014.

_________. A Arqueologia do Saber. Trad. Luiz Felipe Baeta Neves. 7. ed. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2004.

VEIGA-NETO, Alfredo. Cultura, culturas e educação. Rev. Bras. Educ. [online]. 2003, n.23, pp.5-15.




DOI: https://doi.org/10.34117/bjdv6n5-011

Refbacks

  • There are currently no refbacks.