Avaliação das emoções de crianças e professoras sobre o espaço escolar na Educação Infantil / Evaluation of the emotions of children and teachers about the school space in Early Childhood Education

Jeriane da Silva Rabelo, Luiz Botelho de Albuquerque

Abstract


A discussão acerca da organização dos espaços e ambientes destinados às crianças pequenas aponta subsídios para o estabelecimento de critérios e parâmetros para a realização de programas educativos de qualidade, atentos às necessidades da educação integral da criança. Este estudo objetivou analisar a visão de crianças e professoras sobre os espaços educativosda Educação Infantil (EI).Para isso, foi realizada uma pesquisa de natureza qualitativa, na forma de um estudo caso com 24 crianças e 4 professoras de turmas da pré-escola de duas instituições públicas municipais no Ceará, Brasil. As práticas educativas são bastante influenciadas pela realidade familiar e do contexto social das crianças. A qualidade da afetividade no espaço escolar, percebida, principalmente, através das professoras para as crianças, não favoreciam o desenvolvimento integral da criança, pois permeado de distanciamento, que contribui para a desmotivação docente, com danos que ultrapassam a dimensão cognitiva da criança e emocional das professoras.

 


Keywords


Infância–Espaços escolares–Currículo –Educação emocional

References


ALVES, N. O espaço escolar e suas marcas: o espaço como dimensão material do currículo. ALVES. N. Rio de Janeiro: DP&A, 1998.

ARIÉS, P.História Social da Criança e da Família. 2. ed. Rio de Janeiro:Zahar, 1981.

BOGDAN, R. C.; BIKLEN, S. K. Investigação qualitativa em Educação: uma introdução à teoria e aos métodos. Porto: Porto Editora, 1994.

BOWLBY, J. Formação e rompimento dos laços afetivos. 4.ed. São Paulo: Martins Fontes, 2006.

BRASIL. Constituição da República Federativa do Brasil de 1988, de 05 de outubro de 1988. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, Brasília, DF, 05 out. 1988. Disponível em: . Acesso em: 18 março de 2020, 1988.

BRASIL. Lei nº 9.394, de 20 de dezembro de 1996. Estabelece as diretrizes e bases da educação nacional. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, Brasília, DF, 23 dez. 1996. Disponível em: . Acesso em: 18 março 2020, 1996.

BRASIL. Conselho Nacional de Saúde. Resolução Nº 466, de 12 de dezembro de 2012. Diretrizes e Normas Regulamentadoras de Pesquisas Envolvendo Seres Humanos. Diário Oficial da União, Brasília, DF, n. 12, 13 de junho de 2013. Seção 1, p. 59. Disponível em: . Acesso em: 18 junho 2019.

BRASIL. Ministério da Educação. Secretaria de Educação Básica. Parâmetros Nacionais de Qualidade para a Educação Infantil. Brasília, DF, 2006. 2v.

CAMPOS-DE CARVALHO, M. I.; Rubiano, M. R. B. (1994). Organização do espaço em instituições pré-escolares. In: OLIVEIRA, Z. M. R. (Org.). Educação infantil: muitos olhares. São Paulo: Cortez, p. 107-130, 1994.

CORSARO, W. A .Sociologia da Infância. Porto Alegre: Artmed, 2011.

CRUZ, S. H. V.; CRUZ, R. C. de A. O ambiente na educação infantil e a construção da identidade da criança. Em Aberto, Brasília, v. 30, n. 100, p. 71-81, set./dez. 2017. Disponível em: . Acesso em: 17abril 2020.

DOMINGUES, A. R. A. A dificuldade de expressar emoções: um estudo Psicossocial da servidão. Dissertação (Mestrado em Psicologia) – Departamento de Psicologia, Pontifícia Universidade Católica – PUC, São Paulo, 2001.

FARIA, A. L. G. Loris Malaguzzi e os direitos das crianças pequenas. In: OLIVEIRA-FORMOSINHO, J.; KISHIMOTO, T. M.; PINAZZA, M. A. Pedagogia(s) da Infância: dialogando com o passado - construindo o futuro. Porto Alegre: Artmed, 2007.

FORNEIRO, L. I. (1998). A organização dos espaços na educação infantil. In: ZABALZA, M. A. (Org.). Qualidade em educação infantil. Porto Alegre: Artmed, p. 229-281.

FREIRE, Paulo. Pedagogia da autonomia: saberes necessários à prática educativa. São Paulo: Paz e Terra, 1997

GARDNER, H. Inteligências Múltiplas. A teoria na Prática. Porto alegra: Artes

Médicas, 1995.

GERHARDT, S. Por que o amor é importante: como o cérebro molda o cérebro do bebê. Trad: MaizaRitomy Ide. 2. Ed – Porto Alegre: Artmed, 2017.

HORN, M. G. S. (2007).Sabores, cores, sons, aromas: a organização dos espaços na educação infantil. Porto Alegre: Artmed, 2007.

KOAN, W.Devir-criança da Filosofia – infância da educação. Belo Horizonte: Autêntica Editora, 2010.

OLIVEIRA-FORMOSINHO, J.; FORMOSINHO, J. Pedagogia-em-Participação: a documentação pedagógica no âmago da instituição dos direitos da criança no cotidiano. Em Aberto, Brasília, v. 30, n. 100, p. 115-130, set./dez. 2017. Disponível em: . Acesso em: 17abril 2020.

RABELO, J. S. A organização do espaço na Educação Infantil e o desenvolvimento integral da criança:sentimentos e ações em turmas de Pré-Escola. Dissertação (Mestrado em Educação) – Faculdade de Educação, Universidade Federal do Ceará, Fortaleza, 2017.

SALTINI, C. J. Afetividade & Inteligência: a emoção na Educação. Rio de Janeiro: DP&A, 1997.

SARMENTO, M. J. Gerações e Alteridade: Interrogações a partir da Sociologia da Infância. Educação & Sociedade, Campinas, v. 26, n. 91, p. 361-378, maio/ago, 2005.

SAWAIA, B. B. Espinosa: o precursor da ética e da educação ambiental com base nas paixões humanas. In: CARVALHO, I. C. M.; GRUN, M; TRABJER, R. (Orgs.). Pensar o ambiente: bases filosóficas para a educação ambiental. Brasília: Edições MEC/UNESCO: Brasília, p. 79-91, 2006.

ZABALZA, M. A. Os dez aspectos chaves de uma educação infantil de qualidade. In: ZABALZA, M. A. (Org.). Qualidade em educação infantil. Tradução Beatriz Afonso Neves. Porto Alegre: Artmed, 1998. p. 49-55.




DOI: https://doi.org/10.34117/bjdv6n5-007

Refbacks

  • There are currently no refbacks.