Parasitoses intestinais e saneamento básico no Brasil: estudo de revisão integrativa / Intestinal parasites and basic sanitation in Brazil: an integrative review study

Phelipe Austriaco Teixeira, Maria Fantinatti, Monique Pinto Gonçalves, Joziane Santos da Silva

Abstract


O desenvolvimento tecnológico e a urbanização desordenada não perdoaram o homem das doenças associadas à pobreza e à falta de saneamento básico, principalmente nos países em desenvolvimento, como o Brasil. O objetivo desse trabalho foi identificar a literatura produzida sobre o saneamento básico e parasitoses intestinais no Brasil, no período entre 2007 e 2018. Metodologia: revisão integrativa da literatura, utilizando os descritores Parasitologia e Saneamento Básico, na Biblioteca Virtual em Saúde e Intestinal Parasitosis, Sanitation e Brazil naLiteratura Internacional em Ciências da Saúde.Foram levantados 29 estudos, dos quais 44,8% (13/29) foram realizados na região sudeste. Os principais achados foram: as parasitoses intestinais são referidas como importante problema de saúde pública associadas à precariedade no saneamento; Ascaris lumbricoides foi o helminto mais prevalente nos estudos com amostras humanas; a educação em saúde foi relatada como elemento indissociável ao saneamento na redução da prevalência de enteroparasitoses. As parasitoses intestinais ainda permanecem como problema de saúde pública no Brasil, o que salienta a necessidade de melhorias no saneamento, principalmente nas áreas com maior vulnerabilidade social e sanitária.

 


Keywords


Direito à Saúde, Saneamento Básico, Parasitologia, Saúde Pública.

References


AGUIAR-SANTOS, Ana M. et al. Avaliação epidemiológica de doenças negligenciadas em escolares: filariose linfática e parasitoses intestinais. J. Pediatr. (Rio J.), Porto Alegre, v. 89, n. 3, p. 250-255, 2013.

ANDRADE, Elisabeth Campos de et al. Parasitoses Intestinais: uma revisão sobre seus aspectos sociais, epidemiológicos, clínicos e terapêuticos. Rev APS. v.13, n.2, p. 231-240, 2010.

ANDRADE, Elisabeth Campos de et al. Prevalência de parasitoses intestinais em comunidade quilombola no Município de Bias Fortes, Estado de Minas Gerais, Brasil, 2008. Epidemiol. Serv. Saúde, Brasília, v. 20, n. 3, p. 337-344, 2011.

ASSIS, Ana Marlúcia et al. Desigualdade, pobreza e condições de saúde e nutrição na infância no Nordeste brasileiro. Cad. Saúde Pública, v. 23, n. 10, p.2337-2350, 2007.

ASSIS, Eliseu Miranda de et al . Prevalência de parasitos intestinais na comunidade indígena Maxakali, Minas Gerais, Brasil, 2009. Cad. Saúde Pública, v. 29, n. 4, p. 681-690, 2013.

AUSTRÍACO-TEIXEIRA, Phelipe; OLIVEIRA, Luís Antonio; FANTINATTI, Maria. Giardia duodenalis Genotyping from Dogs and Cats in Brazil: A Reality Still Unknown. Journal of Dairy and Veterinary Sciences, 2019.

AUSTRÍACO-TEIXEIRA, Phelipe. Conhecimentos sobre parasitoses intestinais como estratégia para subsidiar ferramentas de educação em saúde. Rio de Janeiro, 2016. Xv, 81. Dissertação (Mestrado)- Instituto Oswaldo Cruz, Pós Graduação em Medicina Tropical.

BALDURSSON, S; KARANIS, P. Waterborne transmission of protozoan parasites: Review of worldwide outbreaks - An update 2004-2010. Water Res. v. 45, n.20, p.6603-14, 2011.

BARRETO, Mauricio L. et al. Impact of a citywide sanitation program in Northeast Brazil on intestinal parasites infection in young children. Environ Health Perspect, v. 118, n. 11, p. 1637-1642, 2010.

BRANDELLI, Clara Lia Costa et al . Intestinal parasitism and socio-environmental factors among Mbyá-Guarani indians, Porto Alegre, Rio Grande do Sul, Brazil. Rev. Inst. Med. trop. S. Paulo, v. 54, n. 3, p. 119-122, 2012.

BRASIL. Constituição (1988). Constituição da República Federativa do Brasil. Brasília, DF: Senado Federal: Centro Gráfico, 1988. 292 p.

BRASIL. Ministério da Saúde. Plano Nacional de Vigilância e Controle das Enteroparasitoses. Secretaria de Vigilância em Saúde. Brasília: Ministério da Saúde, 2005.

BRASIL. Censo Demográfico de 2010. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística – IBGE, 2010.

BRASIL. Ministério das Cidades. Secretaria Nacional de Saneamento Ambiental – SNSA. Sistema Nacional de Informações sobre Saneamento: Diagnóstico dos Serviços de Água e Esgotos – 2016. Brasília: SNSA/MCIDADES, 2018a. 218 p.: il.

_______. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Departamento de Vigilância das Doenças Transmissíveis. Guia Prático para o Controle das Geo-helmintíases [recurso eletrônico] / Ministério da Saúde, Secretaria de Vigilância em Saúde, Departamento de Vigilância das Doenças Transmissíveis. – Brasília: Ministério da Saúde, 2018b. 33 p.: il.

_______. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Departamento de Vigilância das Doenças Transmissíveis. Coordenação Geral de Hanseníase E Doenças Em Eliminação. Informe Técnico e Operacional. “V Campanha Nacional de Hanseníase, Verminoses, Tracoma e Esquistossomose”. Brasília, outubro de 2017. 17pp.

_______. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Departamento de Vigilância de Doenças e Agravos Não Transmissíveis e Promoção da Saúde. Saúde Brasil 2014: uma análise da situação de saúde e das causas externas / Ministério da Saúde, Secretaria de Vigilância em Saúde, Departamento de Vigilância de Doenças e Agravos Não Transmissíveis e Promoção da Saúde. – Brasília: Ministério da Saúde, 2015. 462 p.: il.

_______. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Departamento de Vigilância em Doenças Transmissíveis. Plano integrado de ações estratégicas de eliminação da hanseníase, filariose, esquistossomose e oncocercose como problema de saúde pública, tracoma como causa de cegueira e controle das geohelmintíases: plano de ação 2011-2015 / Ministério da Saúde, Secretaria de Vigilância em Saúde, Departamento de Vigilância em Doenças Transmissíveis. – Brasília: Ministério da Saúde, 2012.

_______. Lei no 11.445, de 05 de janeiro de 2007. Estabelece diretrizes nacionais para o saneamento básico e para a política federal de saneamento básico. Diário Oficial da União 2007a; 08 jan.

_______. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção À Saúde. Departamento de Atenção Básica. Política Nacional de Atenção Básica / Ministério da Saúde, Secretaria de Atenção à Saúde, Departamento de Atenção Básica. – 4. ed. – Brasília: Ministério da Saúde, 2007b.

BRITTO, Ana Lucia; REZENDE, Sonaly Cristina. A política pública para os serviços urbanos de abastecimento de água e esgotamento sanitário no Brasil: financeirização, mercantilização e perspectivas de resistência. Cad. Metrop. São Paulo , v. 19, n. 39, p. 557-581, 2017.

BUSS, Paulo Marchiori. Globalização, pobreza e saúde. Ciênc. saúde coletiva, Rio de Janeiro, v. 12, n. 6, p. 1575-1589, 2007.

CAPELLA, Gabriela de Almeida et al. Environmental contamination by parasitic forms in a socially vulnerable community in southern Rio Grande do Sul state: a serious public health problem. Braz. J. Vet. Res. Anim. Sci. (Online), v. 55, n. 2, 2018.

CARDOSO, Biatriz Araújo et al . Environmental aspects related to tuberculosis and intestinal parasites in a low-income community of the Brazilian Amazon. Rev. Inst. Med. trop. S. Paulo, v. 59, e57, 2017.

CARVALHO, Sônia Aparecida de. O direito fundamental ao saneamento básico como garantia do mínimo existencial social e ambiental. Revista Brasileira de Direito, IMED, v. 8, n2, 2012.

CDC- Centers For Disease Control And Prevention, 2018. Disponível em: . Acesso em 21/03/2019.

COELHO, Camila Henriques et al. Giardiasis as a neglected disease in Brazil: Systematic review of 20 years of publications. PLoS neglected tropical diseases, v. 11, 2017.

CORONATO-NUNES, Beatriz et al. Spatial and Molecular Epidemiology of Giardia intestinalis Deep in the Amazon, Brazil. PLoS One, v. 11, n. 7, e0158805, 2016.

D’ÁVILA, Luciana Souza; SALIBA, Graciane Rafisa. A EFETIVAÇÃO DO DIREITO À SAÚDE E SUA INTERFACE COM A JUSTIÇA SOCIAL. Revista de Direito Sanitário, v. 17, n. 3, p. 15-38, 2017.

DAMAZIO, Schayra Minine et al . Intestinal parasites in a quilombola community of the Northern State of Espírito Santo, Brazil. Rev. Inst. Med. trop. S. Paulo, São Paulo, v. 55, n. 3, p. 179-183, 2013.

FANTINATTI, Maria et al. Identification of Giardia lamblia Assemblage E in Humans Points to a New Anthropozoonotic Cycle. J Infect Dis. v. 214, n.8, p.1256-9, 2016.

FANTINATTI, Maria. Zoonotic potential of Giardia lamblia and control of giardiasis. Insights in Veterinary Science, v. 3, p. 1-4, 2019.

FONSECA, Eduardo Oyama Lins et al. Prevalência e fatores associados às geo-helmintíases em crianças residentes em municípios com baixo IDH no Norte e Nordeste brasileiros. Cad. Saúde Pública, Rio de Janeiro, v. 26, n. 1, p. 143-152, 2010.

FONSECA, Renata Elizabete Pagotti da; BARBOSA, Michelle Christiane Rodrigues; FERREIRA, Beatriz Rossetti. High prevalence of enteroparasites in children from Ribeirão Preto, São Paulo, Brazil. Rev. Bras. Enferm.,v. 70, n. 3, p. 566-571, 2017.

FREI, Fernando; JUNCANSEN, Camila; RIBEIRO-PAES, João Tadeu. Epidemiological survey of intestinal parasite infections: analytical bias due to prophylactic treatment. Cad. Saúde Pública, Rio de Janeiro, v. 24, n. 12, p. 2919-2925, 2008.

GIL, Antônio Carlos. Como elaborar projetos de pesquisa. 5.ed., São Paulo: Atlas, 2010.

IGNACIO, Caroline Ferraz et al. Socioenvironmental conditions and intestinal parasitic infections in Brazilian urban slums: a cross-sectional study. Rev. Inst. Med. trop. S. Paulo, São Paulo, v. 59, e56, 2017.

IGNACIO, Caroline Ferraz; LIMA-BARATA, Martha Macedo de; MORAES-NETO, Antonio Henrique Almeida de. The Brazilian Family Health Strategy and the management of intestinal parasitic infections. Prim Health Care Res Dev. v. 19, n. 4, p.333-343, 2018.

KORKES, Fernando et al. Relationship between intestinal parasitic infection in children and soil contamination in an urban slum. Journal of Tropical Pediatrics, v. 55, n.1, p. 42-5, 2009.

LIMA JUNIOR, Oswaldo Aparecido de; KAISER, Juliana; CATISTI, Rosana. High occurrence of giardiasis in children living on a 'landless farm workers' settlement in Araras, São Paulo, Brazil. Rev. Inst. Med. trop. S. Paulo, São Paulo, v. 55, n. 3, p. 185-188, 2013.

MATA-SANTOS, Taís et al. Prevalência de enteroparasitas em crianças atendidas em unidades básicas de saúde em uma cidade do sul do Brasil. Rev. Inst. Adolfo Lutz, v. 72, n. 2, p. 175-178, 2013.

MATI, Vitor Luis Tenório; PINTO, João Henrique; MELO, Alan Lane de. Levantamento de parasitos intestinais nas áreas urbana e rural de Itambé do Mato Dentro, Minas Gerais, Brasil. Revista de Patologia Tropical, v. 40, n.1, p. 92-100, 2011.

MENEZES, Valesca Francisco Pinto; MEDEIROS, Niara da Silva; DANI, Caroline. Prevalência de enteroparasitoses em escolares: uma revisão do perfil encontrado nas diferentes regiões do Brasil. REVISTA UNIARA, v. 15, n.2, p.7-12, 2012.

MINE, Júlio César; ROSA, João Aristeu da. Frequency of Blastocystis hominis and other intestinal parasites in stool samples examined at the Parasitology Laboratory of the School of Pharmaceutical Sciences at the São Paulo State University, Araraquara. Rev. Soc. Bras. Med. Trop., Uberaba, v. 41, n. 6, p. 565-569, 2008.

MONTEIRO, Kerla Joeline Lima et al. Focal persistence of soil-transmitted helminthiases in impoverished areas in the State of Piaui, Northeastern Brazil. Rev. Inst. Med. trop. S. Paulo, São Paulo, v. 60, e24, 2018.

MORAES- NETO, Antonio Henrique A. de et al. Prevalence of intestinal parasites versus knowledge, attitudes, and practices of inhabitants of low-income communities of Campos dos Goytacazes, Rio de Janeiro State, Brazil. Parasitol Res., v. 107, p. 295–307, 2010.

MORAES, Luiz Roberto Santos. Household solid waste bagging and collection and their health implications for children living in outlying urban settlements in Salvador, Bahia State, Brazil. Cad. Saúde Pública, v. 23, supl. 4, p. S643-S649, 2007.

MOURA, Fabiana de Toledo et al. Enteroparasite contamination in peridomiciliar soils of two indigenous territories, State of Paraná, southern Brazil. Revista Panamericana de Salud Pública, v. 27, n. 6, p. 414-422, 2010.

NEVES, David Pereira. Parasitologia Humana. 13. ed. São Paulo, 2016.

ORGANIZACIÓN PANAMERICANA DE LA SALUD. Directrices: Quimioterapia preventiva para controlar las geohelmintiasis en grupos de población em riesgo. Genebra, 2018.

PAIVA, Roberta Fernanda da Paz de Souza; SOUZA, Marcela Fernanda da Paz de. Associação entre condições socioeconômicas, sanitárias e de atenção básica e a morbidade hospitalar por doenças de veiculação hídrica no Brasil. Cad. Saúde Pública, Rio de Janeiro, v. 34, n. 1, e00017316, 2018.

SANTOS, Claudimary Bispo et al. Diarrhea incidence and intestinal infections among rotavirus vaccinated infants from a poor area in Brazil: a spatial analysis. BMC Public Health, v. 14, n. 399, 2014.

SEGUÍ, Raimundo et al. Prevalence of intestinal parasites, with emphasis on the molecular epidemiology of Giardia duodenalis and Blastocystis sp., in the Paranaguá Bay, Brazil: a community survey. Parasit Vectors, v. 11, n. 1, 2018.

SILVA, Jefferson Conceição et al. Parasitismo por Ascaris lumbricoides e seus aspectos epidemiológicos em crianças do Estado do Maranhão. Rev. Soc. Bras. Med. Trop., Uberaba, v. 44, n. 1, p. 100-102, 2011.

SILVA, Juliana Vasconcelos Lyra da et al. Factors Associated with Gastrointestinal Parasitic Infections among Young Population in Northeast Brazil. Canadian Journal of Infectious Diseases and Medical Microbiology, 6239434, 2016.

SILVA, Patrícia Vieira da et al. Enteroparasites in Riverside Settlements in the Pantanal Wetlands Ecosystem. Journal of Parasitology Research, 6839745, 2018.

SIMÕES, Bárbara dos Santos et al. Environmental conditions and prevalence of parasitic infection in Xukuru-Kariri indigenous people, Caldas, Brazil. Revista Panamericana de Salud Pública, v. 38, n. 1, p. 42-48, 2015.

SOARES, Cassia Baldini et al. Revisão integrativa: conceitos e métodos utilizados na enfermagem. Rev. esc. enferm. USP, São Paulo, v. 48, n. 2, p. 335-345, 2014.

SOUZA, Fabiana Dantas de; MAMEDE-NASCIMENTO, Thiago Leandro; SANTOS, Carlos Silveira dos. Encontro de ovos e larvas de helmintos no solo de praças públicas na zona sul da cidade do Rio de Janeiro. Rev Patol Trop. v. 36, n.3, p247-253, 2007.

TEMPONI, Andrea Oliveira Dias et al. Ocorrência de casos de leishmaniose tegumentar americana: uma análise multivariada dos circuitos espaciais de produção, Minas Gerais, Brasil, 2007 a 2011. Cad. Saúde Pública, Rio de Janeiro, v. 34, n. 2, e00165716, 2018.

TOLEDO, Max Jean de Ornelas et al. Avaliação de atividades de controle para enteroparasitos em uma aldeia Kaingáng do Paraná. Rev. Saúde Pública, v. 43, n. 6, p. 981-990, 2009.

VASCONCELOS, Izabel Alencar Barros et al. Prevalência de parasitoses intestinais entre crianças de 4-12 anos no Crato, estado do Ceará: um problema recorrente de saúde pública. Acta Scientiarum. Health Sciences., v. 33, n. 1, p. 35-41, 2011.

VISSER, Silvia et al . Estudo da associação entre fatores socioambientais e prevalência de parasitose intestinal em área periférica da cidade de Manaus (AM, Brasil). Ciênc. saúde coletiva, v. 16, n. 8, p. 3481-3492, 2011.

WHITTEMORE, Robin; KNAFL, Kathleen. The integrative review: updated methodology. J Adv Nurs., vol. 52, n. 5, p. 546-53, 2005.

WHO 2012. Soil-transmitted helminthiases: eliminating soiltransmitted helminthiases as a public health problem in children: progress report 2001-2010 and strategic plan 2011–2020. Geneva: World Health Organization. Disponível em: http://whqlibdoc.who.int/publications/2012/9789241503129_eng.pdf.

ZVEIBIL, Victor Zular. Saneamento Básico: novas oportunidades para os municípios / Saneamiento Básico: nuevas oportunidades para los municípios. Rev. Adm. Munic. v. 53, n. 265, 2008.


Refbacks

  • There are currently no refbacks.