Glomerulonefrite lúpica focal ativa combinada à variante membranosa com remissão completa após pulsoterapia: um relato de caso / Active focal lupus glomerulonephritis combined with the membranous variant with complete remission after pulse therapy: a case report

Ádria Rodrigues da Silva, Thiago Gonçalves Barros, André Barbosa Pimentel dos Santos, Laís Sousa Pismel, Waleska Cheim Rocha Montalvão, Amélia Santos Leal, Rayssa Avelar Côrte Real, Ana Paula Mota Franco

Abstract


O lúpus eritematoso sistêmico (LES) é uma doença inflamatória crônica multissistêmica, de caráter autoimune e de etiologia idiopática, marcada pelo aumento da atividade do sistema imunológico e pela síntese de autoanticorpos. O envolvimento renal no LES ocorre clinicamente em cerca de 60% dos pacientes e pode determinar alterações tubulares, intersticiais, vasculares e glomerulares. O tratamento é urgente e sua escolha pode ser direcionada pela biópsia renal, a partir da qual é possível classificar os tipos de glomerulonefrite lúpica. Neste contexto, este estudo objetivou relatar o caso de uma paciente jovem adulta, portadora de LES, que evoluiu com Nefrite Lúpica em 15 dias e apresentou remissão completa imediatamente após a pulsoterapia. Para tal exposição, foram coletadas informações retrospectivas e qualitativas, obtidas diretamente a partir de dados de prontuários de diferentes especialistas, exames, laudos, receituários e relatórios de procedimentos. Foi evidenciado certa dificuldade diagnóstica inicialmente, contudo, houve sucesso terapêutico após terapia com metilprednisolona, ciclofosfamida, azatioprina e prednisona, mesmo frente a possibilidades de evolução para doença crônica renal. Concluiu-se, então, que essencial importância deve ser dada aos critérios diagnósticos de glomerulonefrite lúpica frente à qualquer sinal de comprometimento renal no paciente portador de LES. Igualmente importante, é a implementação adequada do tratamento, que requer não só uma equipe multiprofissional experiente, mas também uma unidade hospitalar que ofereça serviços eficazes e tecnologias estruturais adequadas à complexidade da terapia imunossupressora.

 


Keywords


Nefrite Lúpica, Lúpus Eritematoso Sistêmico, Complicações do LES, Glomerulonefrites, Pulsoterapia.

References


ASSIS, M. R. DE; BAAKLINI, C. E. Lúpus eritematoso sistêmico. Revista Brasileira de Medicina, v. 66, n. 9, set. 2009.

BRASIL. Ministério da Saúde. Protocolo Clínico e Diretrizes Terapêuticas do Lúpus Eritematoso Sistêmico. Portaria nº 100, de 7 de fevereiro de 2013. Brasília: MS, 2013.

CORREA, Fernanda Ibiapina. Lúpus eritematoso sistêmico: uma revisão de literatura. 2010. 52 F. Monografia de Trabalho de Conclusão de Curso (Bacharelado em Farmácia). Piauí: Universidade Federal do Piauí – Centro de Ciências da Saúde.

DELFINO, J. A. S.; PEREIRA, W. M. G. et al. Lúpus eritematoso sistêmico – relato de caso. Revista interfaces; saúde, humanas e tecnologia, v. 2, n. 6, a. 2, 2014.

FONSECA, S. B. Lúpus eritematoso sistêmico: causas, mecanismos patológicos e alvos terapêuticos futuros. Porto, jun. 2009.

GALINDO, C. V. F.; VEIGA, R. K. A. Características clínicas e diagnósticas do lúpus eritematoso sistêmico: uma revisão. Revista Eletrônica de Farmácia, v. 7, n. 4, p. 46-58, 2010.

IMBODEN, John B.; HELLMANN, David B. et al. Current [recurso eletrônico]: reumatologia: diagnóstico e tratamento. – 2. ed. – Dados eletrônicos. – Porto Alegre: AMGH, 2011.

KLUMB, E. M.; SILVA, C. A. A. et al. Consenso da Sociedade Brasileira de Reumatologia para o diagnóstico, manejo e tratamento da nefrite lúpica. Revista Brasileira de Reumatologia, v. 55, n. 1, p. 1-21, 2015.

LIMA, I.; NÉRI, F. et al. Dosagem sérica de adenosina deaminase em lúpus eritematoso sistêmico: ausência de associação com atividade da doença. Revista Brasileira de Reumatologia, São Paulo, v. 45, n. 5, p. 273-279, 2005.

MELO, A. K. G.; AVELAR, A. B. et al. Avaliação de 100 pacientes com nefrite lúpica acompanhados por dois anos. Revista Brasileira de Reumatologia, v. 49, n. 1, p. 8-19, 2009.

OLIVEIRA, Márcio Nascimento. Lúpus eritematoso sistêmico: uma revisão de literatura das características, diagnósticos e tratamentos. 2011. 28 F. Monografia de Consórcio Setentrional de Educação a Distância (Licenciatura em Biologia a distância). Brasília: Universidade de Brasília/Universidade Estadual de Goiás.

PÓVOA, T. I. R. Lúpus eritematoso sistêmico, exercício físico e qualidade de vida: artigo de revisão. Revista Digital, Buenos Aires, a. 15, n. 144, p. 1, 2010.

SANTOS-ARAÚJO, Carla; PESTANA, Manuel. Tratamento da nefrite lúpica. Acta Med Port, n. 21, p. 259-272, 2008.

SATO, Juliana de Oliveira. Avaliação clinimétrica do desfecho em uma série de casos de lúpus eritematoso sistêmico juvenil (LESJ). 2013. 133 F. Tese para obtenção do título de Doutor (Pós-graduação em Saúde Coletiva). Botucatu-SP: Faculdade de Medicina da Universidade Estadual Paulista “Júlio de Mesquita Filho”, Campus de Botucatu.

SOARES, F.M.; TELLES, Q. E. J.; MOURA, A.L. Classificação da Nefrite Lúpica: Metanálise e Proposta Atual da Sociedade Internacional de Nefrologia e da Sociedade de Patologia Renal. J Bras Nefrol, v. 27, n. 3, p. 157-162, 2005.

TELES, K. A.; MEDEIROS-SOUZA, P. et al. Rotina de administração de ciclofosfamida em doenças autoimunes reumáticas: uma revisão. Revista Brasileira de Reumatologia, v. 57, n. 6, p. 596-604, 2017.

VIANNA, R.; SIMÕES, M. J. et al. Lúpus eritematoso sistêmico. Revista Ceciliana, Santos-SP, v. 3, n. 1, p. 1-3, 2010.




DOI: https://doi.org/10.34117/bjdv6n5-462

Refbacks

  • There are currently no refbacks.