Equidade avaliativa servida à mesa: A “gastromática” como uma proposta metodológica ativa para o ensino e avaliação da etnomatemática / Evaluative equity served at the table: “gastromatics” as an active methodological proposal for teaching and evaluating ethnomathematics

Edivan Vieira Lima, Solimar Barros Ramires, Sheila Pires dos Santos

Abstract


Quando cria-se um elo entre a matemática e a antropologia, assim como a geografia e a sociologia, pode-se construir a etnomatemática, que envolve as diferentes culturas considerando suas raízes e tensões sociais, diferente da matemática pura, que considera essencial, apenas as habilidades cognitivas, o que não deixa de ser importante, porém, por serem pouco dinâmicas, não realiza uma conexão com o cotidiano, fazendo com que os alunos não assimilem a maior parte dos conteúdos, tornando as aulas mecânica e pouco satisfatória quando relacionada a índices de proficiência. Na tentativa de dinamizar tais aulas, desenvolveu-se um projeto teórico/prático, que considerou além dos conteúdos da disciplina, um enfoque histórico-cultural. Dessa maneira, as aulas teóricas abrangeram conhecimentos prévios, termos técnicos, matemática financeira básica, cálculo de proporções, e características étnicas, já as aulas práticas, destinou-se ao preparo de alimentos que estabelecesse uma assimilação do conteúdo tanto de matemática quanto das considerações histórico-culturais. O projeto da cozinha experimental de matemática foi de grande valia na fixação dos conteúdos relacionados a frações, proporções e as quatro operações básicas. O professor juntamente com os alunos prepara receitas envolvendo diferentes classificações de medidas proporcionando um momento de aprendizado dinâmico e qualitativo. A possibilidade de desenvolvimento de projetos à parte das disciplinas da Base Comum, melhora o convívio entre professores/alunos, alunos/alunos, pois favorece a composição de grupos com indivíduos de diferentes idades e identidades pessoais, melhorando o entendimento das diferentes opiniões.


Keywords


Matemática, Etnomatemática, Cozinha experimental, avaliação.

References


BRASIL. Ministério da Educação. Parâmetros curriculares para o Ensino Médio: Ciências da Natureza, Matemática e suas tecnologias. Brasília, 2000.

BRASIL. Ministério da Educação. Parâmetros curriculares para o Ensino Médio: Ciências Humanas e suas tecnologias. Brasília, 2000.

BRASIL. Ministério da Educação. Parâmetros curriculares para o Ensino Médio: Linguagens, códigos e suas tecnologias. Brasília, 2000.

D ́AMBROSIO, U. Etnomatemática: Elo entre as tradições e a modernidade. 2. Ed., Belo Horizonte: Autêntica, 2002.

___________. Etnomatemática: elo entre as tradições e a modernidade. 2. ed. Belo Horizonte: Autêntica, 2005.

______________. Educação matemática: da teoria a prática, 22. ed. Campinas , Papirus, 2011.

_______________ Mathematical Modelling in Education Research and Practice: Cultural, Social and Cognitive Influences. In: STILLMAN, G. A.; BLUM, W.; BIEMBENGUT, M. S. (Ed.) International Perspectives on the Teaching and Learning of Mathematical Modelling. S. l.: Springer International Publishing AG, 2018.

FREIRE, P. Conscientização: teoria e prática da libertação: uma Introdução ao pensamento de Paulo Freire. 3. ed., São Paulo:Moraes, 1980.

HUPPES, J.C.; BRUM, M. D. A. Matemáticas na Cozinha. II Escola de Inverno de Educação Matemática, 2010.

HUPPES, J.C.; BRUM, M. D. A. Prática Social da Culinária na perspectiva do Programa Etnomatemática. XIII Conferência Interamericanda de Educação Matemática, Recife, 2011.

KNIJNIK, G.; WANDERER, F.; GIONGO, I. W.; DUARTE, C. G. Etnomatemática em movimento. Belo Horizonte: Autêntica, 2012.

PARANÁ. SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO. Diretrizes curriculares da educação básica: matemática. Curitiba: SEED, 2008.

PAIVA, T.V.S.et al. A matemática na culinária regional. In:III EIEMAT -Escola de Inverno da Educação Matemática. 1º Encontro Nacional PIBID-Matemática, Agosto de 2012.Santa Maria –RS. Anais...Disponível em: . Acesso em:01/06/2019.

RAMOS, L. F. Frações sem mistérios. São Paulo:Ática, 1998.

SKOVSMOSE, O.; VITHAL, R. The end of innocence: a critique of ‘ethnomathematics’. Educational Studies in Mathematics, New York: v. 34, p.131-158,1997.




DOI: https://doi.org/10.34117/bjdv6n5-453

Refbacks

  • There are currently no refbacks.