Do paradigma da corporeidade à semiótica do corpo:uma reflexão sobre a produção de subjetividade nas vivências em Biodanza/ From the paradigm of corporeity to the semiotics of the body:a reflection on the production of subjectivity in Biodanza experiences

Patrícia Simone Dal- Col, Edna Ferreira Coelho Galvão

Abstract


Este trabalho propõe-se estabelecer um diálogo entre o paradigma da corporeidade e a semiótica do corpo, como se articulam entre si, para assim refletir sobre a produção de subjetividades a partir da prática de vivências em Biodanza. O texto evidencia a fenomenologia de Merleau-Ponty para embasamento dos conceitos de corporeidade e semiótica em interlocução com outros teóricos. Para a apresentação da Biodanza nos reportamos ao arcabouço teórico - metodológica de Rolando Toro, criador da técnica e dialogamos com o filósofo Wilhelm Dilthey para tratar do conceito de vivência. A Biodanza é um sistema vivencial de integração e desenvolvimento humano que visa promover a (re) aprendizagem afetiva do sujeito-praticante. A dança na Biodanza é a dança da vida, é movimento pleno de sentido que tem o propósito de deflagrar vivências de vitalidade, afetividade, criatividade, prazer cenestésico e pertencimento. É um sistema vivenciado em grupo por meio de dinâmicas que envolvem músicas específicas e movimentos plenos de significados que visam despertar e fortalecer potenciais genéticos humanos que foram bloqueados ao longo da vida. O afloramento desses potenciais genéticos promove a transformação no estilo de vida e por sua vez na identidade, o que nos leva a produção de subjetividades.


Keywords


corporeidade - semiótica do corpo - subjetividade – vivência

References


AMARAL, Maria N. de C. P. Dilthey. Conceito de vivência e os limites da compreensão nas ciências do espírito, 2004. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/trans/v27n2/v27n2a04.pdf. Acesso em: 31 de março 2015.

BÁRTOLO, José. Corpo e Sentido. Estudos Intersemióticos. Covilhã, Portugal:

Livros Labcom, 2007. Disponível em: http://www.labcomifp.ubi.pt/ficheiros/20110824-bartolo_jose_corpo_e_sentido.pdf. Acesso em: 22 de abril de 2018.

BOFF, Leonardo. O despertar da águia: O dia-bólico e o sim-bólico na construção da realidade. Ed.22. Petrópolis: Vozes, 2010.

CONTRERAS, M. J. Introducción a la semiótica del cuerpo: Presencia, enunciación encarnada y memória. Pontificia Universidad Catolica de Chile, 2012. Disponível em: . Acesso: 15 de jan de 2017.

FUENMAYOR, Victor. VI Congresso Latino-Americana de Semiótica IV Congresso Venezuelano de brocas Semiótica, Imaginarios y Representaciones. Maracaibo de 25 a 28 outubro de 2005: Conferência entre corpo e semiose: THE CORPOREIDAD Between Corpo e Semiótica: corporeidade. Opção , Maracaibo, v. 21, n. 48, p. 121-156, Dez. De 2005. Disponível em . acessado em 25 de janeiro de 2017.

______. Corporeidad, semiosis y memória. Conferencia dictada en el VI Congreso Venezolano-Internacional de Semiótica, “Nuevas formas de la comunicación, escrituras, cuerpos e imágenes”. Trujillo, 14, 15, y 16 de Julio, 2010. Disponível em: http://victorfuenmayorruiz.com/files/corporeidadsemiosisymemoria.pdf

GARAUDY, Roger. A dança da vida. São Paulo: 1980.

GONÇALVES, Maria Augusta Salin. Sentir, pensar, agir: Corporeidade e educação. São Paulo: Papírus, 1994.

MATURANA, R. Humberto; VARELA, Francisco. A Árvore do Conhecimento: As bases biológicas do entendimento humano. São Paulo: Editorial Psy II, 1995..

MERLEAU-PONTY, Maurice. Fenomenologia da percepção. São Paulo: Martins Fontes, 1999.

NAJMANOVICH, Denise. O sujeito encarnado: Questões para pesquisa no/do cotidiano. Rio de Janeiro: DP&A, 2001.

PIRES, Nathália Massi. Sensibilizar a pele, singularizar a existência: o toque e as políticas e as políticas de contato nas praticas de biodança. Dissertação apresentada ao programa de Pós-Graduação em Psicologia da Universidade Federal do Rio de janeiro para obtenção do título de mestre. Rio de janeiro, 2014.

REIS, Alice Casanova dos. A Dança do Eu: Sentidos da Experiência da Biodança nos Movimentos da Subjetividade. Universidade Federal de São João del-Rei, 2012. Dispon´vel em: https://www.ufsj.edu.br/portal2-repositorio/File/revistalapip/Volume7_n1/Reis.pdf. Acesso em: 23 de abril de 2018.

SCHWAB, Gustav. As mais belas histórias da antiguidade clássica. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1996.

TORO, R. Biodanza. São Paulo: Editora Olavo Brás, 2002.

______. Apostilas do Curso de formação Docente de Biodanza. International Biocntrical Foundation ([1980 – 1990]).

______. Definición de Biodanza y Principio Biocentrico: Textos Originais del Prof. Rolando Toro, 1995.

______. Biodanza Lineas de Vivencia: Textos Originais del Prof. Rolando Toro, 1997.

______. Aspectos Biológicos, Fisiológicos e psicológicos. Apostilas de formação docente, Sistema rolando Toro ([1980 – 1990]).

______. Movimento Humano. Curso de formação docente, Sistema Rolando Toro ([1980 – 1990]).

______. O Inconsciente Vital e Princípio Biocêntric. Curso de formação docente, Sistema Rolando Toro ([1980 – 1990]).

VILLAÇA, Nízia; GÓES, Fred. Em nome do corpo. Rio de Janeiro: Rocco19998.




DOI: https://doi.org/10.34117/bjdv6n5-439

Refbacks

  • There are currently no refbacks.