“Quando a cor da pela é empecilho para a gestão organizacional": Uma revisão de literatura sobre mulheres negras no mercado de trabalho / "When the color of the skin is an obstacle for organizational management": A literature review on black women in the labor market

Yohana Maria Monteiro Augusto Alencar, Miguel Melo Ifadireó, Vanessa de Carvalho Nilo Bitu

Abstract


Pessoas negras sofrem com a desigualdade e discriminação étnico-racial em diversos segmentos de trabalho causados por vestígios do período escravagista no Brasil. Porém, mulheres negras são ainda mais discriminadas devido ao seu gênero. As organizações são responsáveis por grandes números de contratações e de realizações profissionais, tendo com enfoque prezar pelo coletivo e pela diversidade. Contudo, devido a esse alto índice de contratação, diversos sujeitos com diversas culturas, práticas discriminatórias estão passíveis de acontecer. Sendo assim, cabe a essas organizações aplicar, promover e praticar diversas políticas de gestão a fim de que possam evitar qualquer ato discriminatório racial. O objetivo deste trabalho é fazer uma reflexão sobre a discriminação da mulher negra no mercado de trabalho, bem como, sobre as leis que protegem a igualde de gênero e raça no país. A metodologia utilizada foi a de revisão bibliográfica através da busca de publicações sobre a temática e posterior discussão à luz da legislação brasileira em vigor: Constituição Federal Brasileira (1988), Código Penal Brasileiro (1940), Consolidação das Leis Trabalhistas (1943) e afins. Ressaltamos a importância de políticas antirracistas e antissexistas no âmbito laboral bem como a penalização por qualquer discriminação referente a raça e gênero.


Keywords


Discriminação. Diversidade. Mercado de Trabalho. Mulheres Negras.

References


ADICHIE, Chimamanda Ngozi. Sejamos todos feministas. Editora Companhia das Letras, 2015.

AFONSO, Nathalia. Dia da Consciência Negra: números expõem desigualdade racial no Brasil. Publicado em 20/11/2019. Folha de São Paulo-SP. Disponível em: https://piaui.folha.uol.com.br/lupa/2019/11/20/consciencia-negra-numeros-brasil/. Acessado em 12/04/2020.

ALMEIDA, Silvio Luiz de. O que é racismo estrutural? Belo Horizonte (MG): Letramento, 2018.

ARAÛJO, Ubiratan Castro de. Reparação moral, responsabilidade pública e direito à igualdade do cidadão negro no Brasil. In: ANAIS Seminários regionais preparatórios para a conferência mundial contra o racismo a discriminaçaõ racial, xenofobia e discriminação correlata. Organizadores: Gilberto Vergne Saboia e Samuel Pinheiro Guimarães. Ministério da Justiça. 2001. p. 315-323.

BENTO, Maria Aparecida Silva. (2000). Raça e gênero no mercado de trabalho. In M. I. B. ROCHA (Org.). Trabalho e gênero: mudanças, permanências e desafios (pp. 295-307). Campinas: ABEP, NEPO/UNICAMP e CEDEPLAR/UFMG; São Paulo: Editora 34.

______,. Os psicólogos de R.H., a igualdade e a diversidade no trabalho. In B. B. Sawaia & M. R. Namura (Orgs.). Dialética exclusão/inclusão: reflexões metodológicas e relatos de pesquisa na perspectiva da Psicologia Social Crítica (pp. 39-54). Taubaté, SP: Cabral Editora Universitária

BRASIL, Lemuel; PEREIRA, Antônio Nunes; MACHADO, Vandresa Lúcia. A inserção do gênero feminino na empresa vis-à-vis a participação feminina na população economicamente ativa: um estudo de caso da Companhia Energética do Paraná (COPEL). GES, v. 3, n. 5, p. 95-115, jan./jun., 2009

BRASIL. Código Penal. Decreto-Lei nº 2.848, de 7 de dezembro de 1940. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/decreto-lei/del2848compilado.htm. Acessado em 13/04/2020.

______,. Constituição da República Federativa do Brasil de 1988. Recuperado de http://www. ritmodeestudos. com. br, 2010. Acessado em 13/12/2020.

BRASIL. Decreto-Lei n. 5.452, de 1º de maio de 1943. Aprova a Consolidação das Leis do Trabalho. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/decreto-lei/del5452.htm. Acessado em 13/04/2020.

______. Estatuto da Igualdade Racial (Lei nº 12.288/2010). Disponível em: . Acesso em: 13/04/2020

______, Consolidação das Leis de Trabalho. (Lei nº 5.452/1943). Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/decreto-lei/del5452.htm. Acessado em 13/04/2020.

CACCIAMALI, Maria Cristina; HIRATA, Guilherme Issamu. A influência da raça e do gênero nas oportunidades de obtenção de renda-uma análise da discriminação em mercados de trabalho distintos: Bahia e São Paulo. Estudos Econômicos (São Paulo), v. 35, n. 4, p. 767-795, 2005.

Caiado, Rodrigo, et al. "Metodologia de revisão sistemática da literatura com aplicação do método de apoio multicritério à decisão SMARTER." CONGRESSO NACIONAL DE EXCELÊNCIA EM GESTÃO E III INOVARSE–RESPONSABILIDADE SOCIAL E APLICADA. Vol. 12. 2016.

CARBONI, Maria Angela. Evolução da Mulher no Mercado de Trabalho. Universidade do Extremo SulCatarinense – UNESC. Criciuma, Abril de 2009. Disponível em: https://www.academia.edu/35436888/UNIVERSIDADE_DO_EXTREMO_SUL_CATARINENSE_UNESC_CURSO_DE_P%C3%93SGRADUA%C3%87%C3%83O_ESPECIALIZA%C3%87%C3%83O_EM_GEST%C3%83O_EMPRESARIAL_III_EVOLU%C3%87%C3%83O_DA_MULHER_NO_MERCADO_DE_TRABALHO. Acessado em 13/04/2020

CHIAVENATO, José Julio. O negro no Brasil. Da senzala à Guerra do Paraguai. 1ª. Ed. São Paulo: Editora Brasiliense, 1980.

DULCE, Emilhy. Mulher negra trabalha quase o dobro do tempo para obter salário de homem branco. Brasil de Fato. Publicado em 22/11/2019. Disponível em: https://www.brasildefato.com.br/2019/11/22/mulher-negra-trabalha-quase-o-dobro-do-tempo-para-obter-salario-de-homem-branco. Acessado em 13/04/2020.

CRISOSTOMO, Maria Aparecida dos Santos; REIGOTA, Marcos Antônio dos Santos. Professoras universitárias negras: trajetórias e narrativas. Avaliação, Sorocaba, v. 15, n. 2, fev. 2010. Disponível em: < http://www.scielo.br/pdf/aval/v15n2/a05v15n2.pdf>. Acesso em: 13/04/2020

FAUSTO, Boris; FAUSTO, Sergio. História do Brasil. São Paulo: Edusp, 1994.

FREYRE, Gilberto. Casa Grande e Senzala. Editora: Record. Ano: 1998

GOMES, Nilma Lino. (2005). Alguns termos e conceitos presentes no debate sobre relações raciais no Brasil: uma breve discussão. In Ricardo Henriques (Org.). Educação anti-racista: caminhos abertos pela Lei Federal no. 10.639/03 (pp. 39-62). Brasília: SECAD/MEC. Recuperado de http://www.acaoeducativa.org.br/fdh/wp-content/uploads/2012/10/Algunstermos-e-conceitos-presentes-no-debate-sobre-Rela%C3%A7%C3%B5es-Raciais-noBrasil-uma-breve-discuss%C3%A3o.pdf

GONÇALVES, Ednéia Batista do Prado Gonçalves et al. Gestão da diversidade: um estudo de gênero e raça em grandes empresas brasileiras. Enfoque: Reflexão Contábil, v. 35, n. 1, p. 95-111, 2016.

HAGUETTE, M. F. Metodologias qualitativas na sociologia. Petrópolis: Vozes, 1987. p. 55

HUMANOS, Declaração Universal dos Direitos. Disponível em: https://nacoesunidas.org/wp-content/uploads/2018/10/DUDH.pdf. Acesso em 10/05/2020.

JUSTIÇA, Conselho Nacional de. Conheça a diferença entre Injúria Racial e Racismo. Disponível em: https://www.cnj.jus.br/conheca-a-diferenca-entre-racismo-e-injuria-racial/. Acessado em 17/04/2020.

KARASCH, Mary. A vida dos escravos no Rio de Janeiro (1808 – 1850). Tradução Pedro Maia Soares. São Paulo: Companhia das Letras, 2000.

MENDONÇA, Heloísa. “Mulheres negras recebem menos da metade do salário dos homens brancos no Brasil”. Jornal El País. Disponível em: https://brasil.elpais.com/brasil/2019/11/12/politica/1573581512_623918.html. Acessado em 10/04/2020.

MESQUITA FILHO, Marcos; EUFRÁSIO, Cremilda; BATISTA, Marcos Antônio. Estereótipos de gênero e sexismo ambivalente em adolescentes masculinos de 12 a 16 anos. Saúde e Sociedade, v. 20, n. 3, p. 554-567, 2011.

MINAYO, Maria Cecilia de Souza; DESLANDES, Suely Ferreira. Pesquisa social: teoria, método e criatividade. 13. ed. Petrópolis: Vozes, 1999.

MIRANDA, Carlos Alberto Cunha. A arte de curar nos tempos da Colônia. Limites e espaços da cura. 2ª. ed. rev. ampliada e revisada. Recife: Editora Universitária da UFPE, 2011.

MORAIS, Juliana. “Mulheres ainda ganham 20,5% a menos do que homens, diz IBGE”. Disponível em: https://noticias.r7.com/economia/mulheres-ainda-ganham-205-a-menos-do-que-homens-diz-ibge-08032019. Acessado em 10/04/2020

NITAHARA, Akemi. Negros são maioria entre desocupados e trabalhadores informais no país. Negros são maioria entre desocupados e trabalhadores informais no país. Publicado em 13/11/2019. Agencia Brasil. Disponível em: https://agenciabrasil.ebc.com.br/economia/noticia/2019-11/negros-sao-maioria-entre-desocupados-e-trabalhadores-informais-no-pais. Acessado em 12/04/2020

NUCCI, Guilherme de Souza. Código Penal Comentado. 9º Edição revista, atualizada e ampliada. São Paulo- SP. Editora Revista dos Tribunais, 2008.

ONU. Organização das Nações Unidas. Declaração Universal dos Direitos Humanos. 1948. Disponível em: htttp://www.onu-brasil.org.br/documentos_direitoshumanos.php. Acesso em 13/04/2020.

PRUDENTE, Eunice Aparecida de Jesus. O negro na ordem jurídica brasileira. Revista da Faculdade de Direito, Universidade de São Paulo, v. 83, p. 135-149, 1988. Disponivel em:https://scholar.google.com/scholar_url?url=https://www.revistas.usp.br/rfdusp/article. Acessado em 16/04/2020

SALES JUNIOR, Ronaldo Laurentino. Raça e justiça: o mito da democracia racial e o racismo institucional no fluxo de justiça. In: Raça e justiça: o mito da democracia racial e o racismo institucional no fluxo de justiça. 2009. p. 203-203.

SANTOS, Elisabete Figueroa dos; DIOGO, Maria Fernanda; SHUCMAN, Lia Vainer. Entre o não lugar e o protagonismo: articulações teóricas entre trabalho, gênero e raça. Cadernos de Psicologia Social do Trabalho, v. 17, n. 1, p. 17-32, 2014.

SILVA, Valdenice Portela. "A discriminação da mulher negra no setor industrial sergipano entre 2007 e 2014: uma análise dos impactos da norma de responsabilidade social empresarial." Ano: 2017.

TRIVIÑOS, Augusto N. S. Introdução à pesquisa em ciências sociais. São Paulo: Atlas, 1987.

WALVIN, James. Uma história da Escravatura. Tradução de Jorge Palinhos. Lisboa: Editora Tinta da China, 2008.




DOI: https://doi.org/10.34117/bjdv6n5-416

Refbacks

  • There are currently no refbacks.