Volume aproveitável de água da chuva: um estudo sobre as capitais Brasileiras / Usable volume of rain water: a study on Brazilian capital

Bruna Coelho da Conceição Pôjo, Monaldo Begot da Silva Júnior, Ronaldo Lopes Rodrigues Mendes

Abstract


O objetivo deste artigo é quantificar e ranquear o volume aproveitável de água da chuva nas capitais brasileiras, a fim de refletir sobre a potencialidade de adoção dessa solução como um sistema de suporte à sustentabilidade dos serviços de saneamento ambiental. Entende-se que a escassez de água, juntamente com as inundações decorrentes do processo de urbanização nos grandes centros brasileiros, observadas nos últimos anos, são determinadas e agravadas pela ineficiência do planejamento urbano atual. A utilização da água da chuva se apresenta como alternativa a estes problemas, pois é uma fonte de água doce que não se cobra pelo uso e as alternativas de sua utilização para fins não potáveis são diversas e sustentáveis, bem como a possibilidade de atenuação de alagamentos durante picos de chuvas. Foi utilizada a metodologia de Ghisi (2006) para realização do cálculo e, assim, verificou-se que apesar de São Paulo (SP) e Rio de Janeiro (RJ) serem responsáveis pelo maior consumo de água, tais cidades ocupam o primeiro e o segundo lugar, respectivamente, no ranking das capitais que conseguiriam captar um volume de água da chuva suficiente para atender às suas necessidades, contribuindo para a sustentabilidade dessas cidades; enquanto que Macapá (AP) seria a única cidade em que o volume aproveitável de água da chuva não atenderia a demanda. Conclui-se que o aproveitamento de água da chuva se apresenta como uma das inúmeras ferramentas que podem ser utilizadas para atender à sustentabilidade dos sistemas de saneamento ambiental das capitais brasileiras.


Keywords


Água da chuva. Volume aproveitável. Sustentabilidade. Inundações. Escassez.

References


ANA – Agência Nacional das Águas. Abastecimento, 2017. Disponível em: https://www.ana.gov.br/textos-das-paginas-do-portal/abastecimento. Acesso em: mar. 2020.

BUENO, L. M. M. Reflexões sobre o futuro da sustentabilidade urbana com base em um enfoque socioambiental. Cadernos Metrópole, n. 19, p. 99-121, 2008. Disponível em: https://revistas.pucsp.br/index.php/metropole/article/view/8712. Acesso em: set. 2019.

CARMO, R. L. do. Urbanização, metropolização e recursos hídricos no Brasil. In: DOWBOR, L.; TAGNIN, R. A. (Orgs.). Administrando a água como se fosse importante: gestão ambiental e sustentabilidade. São Paulo: SENAC, p. 111-120, 2005.

CHRISTOFIDIS, H.V. Drenagem Urbana sustentável: análise do uso do Retrofit. Brasília, Dissertação (Mestrado em Desenvolvimento Sustentável, área de concentração em Políticas e Gestão Ambiental) Centro de Desenvolvimento Sustentável – Universidade de Brasília, 2010.

CIDADE, L. C. F. Urbanização, ambiente, risco e vulnerabilidade: em busca de uma construção interdisciplinar. Cadernos Metrópole, n. 15, v. 29, p. 171-191, 2013. Disponível em: https://revistas.pucsp.br/metropole/article/view/15821. Acesso em: set. 2019.

CIRILO, J. A. Crise Hídrica: Desafios e Superação. Revista USP, n. 106, p. 45-58, 2 set. 2015. doi: https://doi.org/10.11606/issn.2316-9036.v0i106p45-58

GHISI, E. Potential for potable water savings by using rainwater in the residential sector of Brazil. Building and Environment, n. 11, v. 41, p. 1544–1550, 2006. doi: https://doi.org/10.1016/j.buildenv.2005.03.018

IBGE – Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Censo Demográfico, 2010. Disponível em: https://cidades.ibge.gov.br. Acesso em: set. 2019.

______. Classificação e caracterização dos espaços rurais e urbanos do Brasil: uma primeira aproximação. Rio de Janeiro: IBGE, 2017a. Disponível em: https://biblioteca.ibge.gov.br/visualizacao/livros/liv100643.pdf. Acesso em: abr. 2020.

______. Cidades e Estados, 2017b. Disponível em: https://www.ibge.gov.br/cidades-e-estados.html?c=Brasil. Acesso em: jun. 2019.

______. População em áreas de risco no Brasil, 2018. Disponível em: https://www.ibge.gov.br/apps/populacaoareasderisco. Acesso em: mar. 2020.

INMET – Instituto Nacional de Meteorologia. Normal Climatológica do Brasil 1981-2010: precipitação acumulada mensal e anual (mm), 2018. Disponível em: http://www.inmet.gov.br/portal/index.php?r=clima/normaisClimatologicas. Acesso em: set. 2019.

INSTITUTO TRATA BRASIL. Perdas de água (SNIS 2017): desafios para Disponibilidade Hídrica e Avanço da Eficiência do Saneamento Básico, 2019. Disponível em: http://www.tratabrasil.org.br/estudos/estudos-itb/itb/perdas-de-agua-2019. Acesso em: mar. 2020.

______. Ranking do Saneamento, 2020. Disponível em: http://tratabrasil.com.br/images/estudos/itb/ranking_2020/Relat%C3%B3rio_-_Ranking_Trata_Brasil_2020_1.pdf. Acesso em: mar. 2020.

MACEDO, R.; MENDES, R. L. R.; COSTA, T. Sistema de Informação Geográfica (SIG) aplicado à gestão de recursos naturais. Atlas de aproveitamento de água da chuva nas ilhas de Belém – iniciativas, demandas e potencialidades. Geo UERJ, n. 32, 2018. doi: https://doi.org/10.12957/geouerj.2018.29876

MAY, S. Estudo da Viabilidade do Aproveitamento de Água de Chuva para Consumo Não Potável em Edificações. São Paulo, Dissertação (Mestrado em Engenharia da Construção Civil) – USP, 2004.

OPAS – Organização Pan-Americana da Saúde. Desastres Naturais e Saúde no Brasil: série desenvolvimento sustentável e saúde, 2. Brasília: OPAS, 2015.

SNIS – Sistema Nacional de Informações sobre Saneamento. Diagnóstico dos serviços de água e esgoto, 2018. Disponível em: http://www.snis.gov.br/downloads/diagnosticos/ae/2018/Diagnostico_AE2018.zip. Acesso em: nov. 2019.

SORIANO, E.; LONDE, L. de R.; GREGORIO, L. T di; COUTINHO, M. P.; SANTOS, L. B. L. Crise hídrica em São Paulo sob o ponto de vista dos desastres. Ambiente e Sociedade, n. 19, v. 1, 2016. doi: https://doi.org/10.1590/1809-4422asoc150120r1v1912016

TUCCI, C. E. M. Gestão de Águas Pluviais Urbanas. Brasília: Ministério das Cidades, 2005.

______. Inundações urbanas. Porto Alegre: ABRH/RHAMA, 2007.

ZANELLA, L. Viabilidade técnica e econômica da captação de água da chuva no meio urbano. In: SANTOS, D. B. dos; MEDEIROS, S. de S.; BRITO, L. T. de L.; GNADLINGER, J.; COHIN, E.; PAZ, V. P. da S.; GHEYI, H. R. (Orgs.). Captação, manejo e uso de água da chuva. Campina Grande: INSA, p. 147-168, 2015.




DOI: https://doi.org/10.34117/bjdv6n5-376

Refbacks

  • There are currently no refbacks.