Educação do campo e tecnologias sociais: uma discussão eminente / Field education and social technologies: an eminent discussion

Saul Lomba Bulhosa Oliveira

Abstract


A Tecnologia Social compreende a utilização de procedimentos que são desenvolvidos através da interação com a comunidade e que geram efetivas soluções de inclusão e transformação social. Não tem como falar de tecnologia social sem falar de inclusão, principalmente no que se refere aos estudantes de escolas do campo, onde ao longo de décadas foram escolas invisíveis, vivendo à sombra de modelos fracassados das escolas multisseriadas, e que pouco valorizou a identidade e cultura individual como instrumentos de aprendizagem para a construção do conhecimento, como diz Paulo Freire no seu livro sobre a pedagogia da autonomia. O objetivo deste trabalho é verificar a possibilidade da utilização de tecnologias sociais como instrumento de aprendizado. As discussões em torno da tecnologia social não vêm somente alertar para a necessidade de mudança da forma como o tema tecnologia foi inserido na sociedade, mas vem para se sobrepor a esse padrão, ocupando espaços que antes não eram preenchidos pela tecnologia contemporânea, se atrelando a práticas mais humanas e se sobrepondo a valores muito mais coerentes do que apenas a lógica de mercado. A tecnologia social funciona não como um exemplo de modelo pragmático, mas como de inclusão para os alunos do campo.  Para isso a Educação do Campo precisa funcionar de fato, no campo das políticas públicas, traçando normas para essa especificidade da educação, inserindo verbas aos projetos políticos pedagógicos voltados para melhoria da qualidade da educação fornecida e mostrando que o campo pode funcionar como um local de trabalho e qualidade de vida.

 

 


Keywords


Educação do Campo, Inclusão, Tecnologia Social, Cooperativismo.

References


ARROYO, M. G. A educação básica e o movimento social do campo. In: ARROYO, M. G.; CALDART, R. S.; MOLINA, M. C. Por uma educação do campo. Petrópolis: Vozes, 2004.

ARROYO, M. G. Outros sujeitos outras pedagogias. Petrópolis, RJ: Vozes, 2014.

CAVACO, C. Aprender fora da escola: percursos de formação experiencial. Lisboa: EDUCA, 2002.

CALDART, R. S. Educação do campo: notas para uma análise de percurso. Trab. educ. saúde vol.7 no.1 Rio de Janeiro Mar./June 2009.

DAGNINO, R. P.; BRANDÃO, F. C.; NOVAES, H. T. Sobre o marco analítico-conceitual da tecnologia social. In: LASSANCE JR. et al., (Org.). Tecnologia social: uma estratégia para o desenvolvimento. Rio de Janeiro: Fundação Banco do Brasil, 2004.

DAGNINO, R. P.; BRANDÃO, F. C.; NOVAES, H. T. Sobre o marco analítico conceitual da tecnologia social. In DAGNINO Renato. (Org.) Tecnologia Social: Ferramenta para construir outra sociedade. 2. ed. Campinas: Komedi. 2010.

FREIRE, P. Pedagogia da autonomia: saberes necessários à prática educativa. São Paulo: Editora Paz e Terra, 1996.

GARCIA, S. G. A tecnologia social como alternativa para a reorientação da economia. Estudos Avançados. V. 28, n. 82, 2014. p. 251-275.

PIMENTA, S. G. Formação de professores: identidade e saberes da docência. In: PIMENTA.S. G. et al. Saberes pedagógicos e atividade docente. 8. ed. São Paulo: Cortez. 2012. p. 15-34.

RITIMO. Rede de Tecnologia Social. Disponível em: https://www.ritimo.org/Rede-de-Tecnologia-Social. Acesso em: 29 de set. 2019.

VENDRAMINI, C.R. Educação e trabalho: reflexões em torno dos movimentos sociais do campo. Cad. Cedes, Campinas, vol. 27, n. 72, maio/ago. 2007. p. 121-135.




DOI: https://doi.org/10.34117/bjdv6n5-374

Refbacks

  • There are currently no refbacks.