Características de fluxo e vazão de soja em silos prismáticos com tremonhas retangulares cuneiformes / Characteristics of soy flow and flow in prismatic silos with rectangular cuneiform hopes

André Luiz Cardoso, Jovêncio José de Sousa Filho, Deovaldo de Moraes Júnior, Marlene Silva de Moraes, Vitor da Silva Rosa, Rogério Ruiz

Abstract


A caracterização do padrão de fluxo e vazão dos produtos granulares é essencial para o projeto de silos destinados ao seu armazenamento. As normas internacionais e estrangeiras apresentam gráficos para a determinação da ocorrência dos padrões de fluxo no interior de um silo a partir de tremonhas do tipo cônicas e retangulares, porém contendo áreas de incerteza. O presente trabalho teve por objetivo caracterizar experimentalmente o fluxo e a vazão de uma amostra de soja em um silo prismático com tremonha retangular cuneiforme, considerando a área de incerteza da norma (EUROCODE, 2006). Os resultados apresentaram padrão de fluxo mássico e vazão de 0.23 Kg/s para inclinação da parede da tremonha em 37.5º e fluxo funil entre 45 e 67.5º com vazão entre 0.158 e 0.118 Kg/s respectivamente.

Keywords


Silo prismático; silo retangular; características de fluxo; tremonhas retangulares; produtos granulares, Eurocode.

References


A.B.CHEUNG, et al. Investigação Estrutural de Silos Metálicos e de Concreto no Brasil. Lisboa: CONPAT, 10 set 2015, 8p. Resumo: p1.

CALIL Jr., C. Recomendações de Fluxo e de Cargas para o Projeto de Silos Verticais. 1990. 198f. Tese de Livre Docência em Engenharia de Estruturas. - Escola de Engenharia de São Carlos, Universidade de São Paulo, 1990.

CALIL JUNIOR, C.; CHEUNG, A. B. Silos: pressões, fluxo, recomendações para o projeto e exemplos de cálculo. São Carlos: EESC/USP, 2007. 3- 4p; 36p; 38p; 48p; 53p.

CARSON, J. W. “Silo Failures: Case histories and lessons learned”. Proc., 3rd Israeli Conf. for Conveying and Handling of Particulate Solids, Dead Sea, Israel, Vol. 1, 2000.

CARSON, J. W; RUIZ. R. “Silo Design Codes: Recommendations for a Brazilian Standard”. Rio de Janeiro, 24th World Mining of Innovation, 2016.

CHAVES, Arthur P. Teoria e Prático do Tratamento de Minérios: Manuseio de sólidos granulares.2.ed. São Paulo: Oficina de textos, 2012. 384 p.,20 mm. Ensaio de cisalhamento sob carga: p. 127,134,137. ISBN 978-85-7975-045-8.

ENGBLOM. N ,et al. “Effects of process parameters and hopper angle on segregation of cohesive ternary powder mixtures in a small scale cylindrical silo”. Advanced Powder Technology. 14 p, 2011.

EUROCODE 1 - BsEN 1991- 4: Actions on silos and tanks. CEN, Brussels. 2006.

HAAKER, G. An introduction to the storage of bulk solids in silos. Twente: University of Twente, The Netherlands, 1999, 45p.

IBGE- Instituto Brasileiro de geografia e estatística. Agência sala de imprensa, notícias, 2019.

INTERNATIONAL STANDART ISO 11697: Bases for design of structures: Loads due to bulk materials, London, 1995.

JENIKE, A. W. Storage and flow of silos. Salt Lake City: University of Utah, 1964. 89 p. (Bulletin, 123).

NETO, JP.; NASCIMENTO, J.W.B. Caracteristicas de fluxo e projeto de tremonhas cônicas em silos verticais. Revista brasileira de engenharia agrícola e ambiental,v.17,n.3,p.339-345, 2012.

OSTENDORF, M.; SCHWEDES, J. Application of particle image velocimetry for velocity measurements during silo discharge. Powder Technology, v.158, p.69-75, 2005.

SCHULZE, Dietmar. Globalization: Powders and bulk solids: Behavior, characterization, storage and flow. Tradução: Jörg Schwedes. Braunschweig: Germany, 2007. 517 p. Título original: Globalization: Pulver und Schüttgüter. p.1-4. ISBN 978-3540-73767-4.

WOODCOCK. C.R, MASON.J.S:Bulk Solids Handling. An introduction to the practice and tecknology. Blackie Academic e Professional: London, 1988. p.54-57. ISBN-13: 978-94-010-7689-0.




DOI: https://doi.org/10.34117/bjdv6n5-367

Refbacks

  • There are currently no refbacks.