Sobrevida de pacientes HIV/AIDS em tratamento antirretroviral e fatores associados na região dos Campos Gerais, Paraná: 2002-2014 / HIV/AIDS patients survival on antiretroviral treatment and associated factors in the Campos Gerais region, Paraná state: 2002-2014

Erildo Vicente Müller, Pollyanna Kassia de Oliveira Borges

Abstract


Introdução: o tratamento daqueles que vivem com o HIV/AIDS tem se revelado um fenômeno global, contínuo e instável fizeram da epidemia um desafio e grave problema de saúde. Objetivo: Descrever fatores de influência no tempo de sobrevida dos pacientes em TARV na região dos campos gerais no estado do Paraná. Método: Coorte retrospectiva de pacientes atendidos pelo SAE, no período de 2002 a 2014. Para verificar os fatores que exerceram influência sobre a sobrevida foram utilizadas curvas de Kaplan-Meier e Modelo de Regressão de Cox. Resultados: A idade média de diagnóstico foi de 36,3 anos, 56,1% eram homens, 82,2% brancos, 33,8% com 4 a 7 anos de estudo, 49,2% casados, 98,5% com transmissão sexual e 89,0% declararam ser heterossexuais. Estiveram associadas ao aumento da sobrevida a raça branca, sexo feminino o esquema terapêutico “C”. Conclusão: Os fatores que exerceram influência na sobrevida das pessoas vivendo com HIV/AIDS foram sexo masculino, raça branca, maior escolaridade, peso corporal maior e pressão arterial baixa.


Keywords


HIV/AIDS, terapia antiretroviral, sobrevida.

References


World Health Organization. Global health observatory data. Available: https://www.who.int/gho/hiv/epidemic_response/en/

Schossler ES, Fraga GA, Schossler JGS, et al. Interiorização da AIDS em município de médio porte do Rio Grande do Sul (2008-2012): aspectos importantes para políticas de saúde. Saúde (Santa Maria), 42(1):155-164, 2016.

Cabral JVB, Santos SSF, Oliveira CM. Perfil Sociodemográfico, Epidemiológico e Clínico dos Casos de HIV/Aids em Adolescentes no Estado de Pernambuco. Rev Uniara [internet]. 2018 jul [citado em 28 de junho 2018]; 18(1):149-63. Disponível em: http://www.uniara.com.br/legado/revistauniara/pdf /34/artigo_10.pdf

Silva, J. E. D. HIV/AIDS: um perfil epidemiológico do vírus e uma análise das práticas seguras, conhecimento e percepção de mulheres. 2014. Universidade Federal do Rio Grande do Norte.

Donalisio, M. R., Cordeiro, R., Lourenço, R. W, et al. The AIDS epidemic in the Amazon region: a spatial case-control study in Rondonia, Brazil. Rev. Saúde Pública, 47(5):873-882, 2013.

Hoagland B, Moreira RI, De Boni RB, et al. High preexposure prophylaxis uptake and early adherence among men who have sex with men and transgender women at risk for HIV infection: the PrEP Brasil demonstration project. J Int AIDS Soc. 2017;20(1):1–14.

Guimarães Mark Drew Crosland, Carneiro Mariângela, Abreu Daisy Maria Xavier de, França Elisabeth Barboza. HIV/AIDS Mortality in Brazil, 2000-2015: Are there reasons for concern?. Rev. bras. epidemiol. [Internet]. 2017 May [cited 2019 Feb 07] ; 20( Suppl 1 ): 182-190. Available from:http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1415-790X2017000500182&lng=en. http://dx.doi.org/10.1590/1980-5497201700050015.

UNAIDS. Get on the Fast-Track: The live-cycle to HIV, 2016. Disponível em: http://unaids.org.br/estatísticas/ Acesso em 20 junho de 2018.

Brasil, Ministério da Saúde, Secretaria de Vigilância em Saúde, Departamento de DST, Aids e Hepatites Virais. Boletim Epidemiológico do HIV/AIDS. Ano V, n 01. Brasília, 2016.

Estrada V, Bernardino JI, Masiá M, Iribarren JA, Ortega A, Lozano F, Miralles C, Olalla J, Santos J, Pérez MJ, Elías, Domingo EP, Cruz AF. Cardiovascular risk factors and lifet MJ, ime risk estimation in HIV-infected patients under antiretroviral treatment in Spain.Hiv Clinical Trials Vol. 16, 2, 2015.

Nsagha, D. S. et al. Risk Factors of Cardiovascular Diseases in HIV/AIDS Patients on HAART. Open. AIDS. J. 9, 51–59, 2015.

Xavier HT, Izar M, Faria Neto J, Assad M, Rocha V, Sposito A, et al. V Diretriz brasileira de dislipidemias e prevenção da aterosclerose. Arquivos brasileiros de cardiologia 2013; 101(4):1-20.

Sociedade Brasileira de Cardiologia. VII Diretriz Brasileira de Hipertensão Arterial. Arq. Bras. Cardiol 2016. 107(3): 1-83.

Sociedade Brasileira de Diabetes. Diretrizes da Sociedade Brasileira de Diabetes (2015-2016). São Paulo: A.C. Farmacêutica 2016.

Colosimo, E. A, e Giolo, S. R. Análise de Sobrevivência Aplicada. São Paulo, 2006.

Efroymson, M. A. Multiple regression analysis. Mathematical methods for digital computers, 1, 191-203, 1960.

Grambsch, P. e Therneau, T. Proportional hazards tests and diagnostics based on weighted residuals. Biometrika, 81, 515-26. 1994

BRASIL, Ministério da Saúde, Secretaria de Vigilância em Saúde, Departamento de DST, Aids e Hepatites Virais. Boletim Epidemiológico do HIV/AIDS. Ano V, n 01. Brasília, 2017.

Barbará A., Sachetti V.A.R., Crepaldi M.A. Contribuições das representações sociais ao estudo da AIDS. Interação. 2005 jul/dez; 9(2):331-9.

Paschoal Eduardo Pereira, Santo Caren Camargo do Espírito, Gomes Antônio Marcos Tosoli, Santos Érick Igor dos, Oliveira Denize Cristina de, Pontes Ana Paula Munhen de. Adhesión al tratamiento antirretroviral y sus representaciones por personas que viven con VIH/SIDA. Esc. Anna Nery [Internet]. 2014 Mar [cited 2018 July 05]; 18(1):32-40.

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Programa Nacional de DST e AIDS. Boletim Epidemiológico AIDS e DST, Brasília, ano II, n.1, 2013.

Grangeiro, Alexandre, Castanheira, Elen Rose, & Nemes, Maria Inês Battistella. (2015). A re-emergência da epidemia de aids no Brasil: desafios e perspectivas para o seu enfrentamento. Interface - Comunicação, Saúde, Educação. 2015; 19(52), 5-8.

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Departamento Nacional de DST/Aids e Hepatites Virais. A mídia brasileira enfocando os jovens como atores centrais na prevenção de DST/Aids e hepatites virais: relatório final / Ministério da Saúde. Departamento Nacional de DST/Aids e Hepatites Virais. - Brasília: MS, 2014. 132 p.

Rossi, S. M. G. D. et al. Impacto da terapia antirretroviral conforme diferentes consensos de tratamento da Aids no Brasil. Revista Panamericana de Salud Pública, 32, 117-123, 2012.

Santa Helena ET, Mafra ML, Simes M. Fatores associados à sobreviva de pessoas vivendo com aids no Município de Blumenau, Estado de Santa Catarina, Brasil, 1997-2004. Epidemiol Serv Saúde. 2009;18(1):45-53.

Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Departamento Nacional de DST, Aids e Hepatites Virais. Boletim Epidemiológico Aids/DST. Brasília (DF): Ministério da Saúde; 2014.

Pinto A, Grey P, Cooper DA, Kelleher AD, Petoumenos K. Early treatment of primary HIV infection is associated with decreased mortality AIDS Research and Human Retroviruses; 2018;0(14): 1-17.

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Departamento de Vigilância, Prevenção e Controle das Infecções Sexualmente Transmissíveis, do HIV/Aids e das Hepatites Virais. Protocolo Clínico e Diretrizes Terapêuticas para Manejo da Infecção pelo HIV em Adultos. Ministério da Saúde, Secretaria de Vigilância em Saúde, Departamento de Vigilância, Prevenção e Controle das Infecções Sexualmente Transmissíveis, do HIV/Aids e das Hepatites Virais. – Brasília: Ministério da Saúde, 2018. 412 p.

Ojikutuab B., Holmana J., Kunchesa L., Landersa S., Perlmuttera D. Warda M., Fanct G., Hirschhornab L. Interdisciplinary HIV care in a changing healthcare environment in the USA. AIDS Care. 2014; 26(6): 731-35.




DOI: https://doi.org/10.34117/bjdv6n5-339

Refbacks

  • There are currently no refbacks.