O ensino de libras para crianças surdas / Teaching pounds to deaf children

Lyedja Syméa Ferreira Barros, Fábia Sousa de Sena, Manoel Tavares Melo

Abstract


O presente artigo tem por finalidade evidenciar a importância da LIBRAS (Língua Brasileira de Sinais) para crianças surdas na Aquisição da Linguagem. A língua de sinais possibilita à criança surda maior rapidez e naturalidade na exposição de seus desejos, sentimentos e necessidades. O contato com a língua nos primeiros anos de vida é essencial, pois é nesse contato com outros surdos fluentes em libras que a criança surda construirá sua identidade. A maioria das crianças surdas são filhos de pais ouvintes, para estas crianças o primeiro contato com a Língua de Sinais só acontece no ambiente escolar. Para que essa criança venha se apropriar dessa língua é importante à participação da família, de professores e de profissionais intérpretes e instrutores de Libras capacitados em salas bilíngues, na sala regular e nas salas de AEE (Atendimento Educacional Especializado). Desse modo, o estudo em tela está pautado numa perspectiva de Educação Bilíngue para surdos, subsidiado em estudiosos da área como: Ferreira Brito (1995); Pinker (1994); Quadros (1994; 2004), dentre outros.

 

 


Keywords


Libras. Crianças surdas. Aquisição da linguagem.

References


BRASIL. Lei n° 10.436, de 24 de abril de 2002. Dispõe sobre a Língua Brasileira de Sinais – Libras e dá outras providências.

CAPOVILLA, F. C.; RAPHAEL, W. D. Dicionário enciclopédico ilustrado trilíngue da língua de sinais brasileira. Vol. I: Sinais de A a L. São Paulo: Editora da Universidade de São Paulo. 2001. p.17-25.

FERNANDES, S. Educação bilíngue para surdos: identidades, diferenças, contradições e mistérios. 2003. Tese (Doutorado em Letras) – Setor de Ciências Humanas, Letras e Artes da Universidade Federal do Paraná, Curitiba, 2003.

FERREIRA-BRITO, L.; LANGEVIN, R. Sistema Ferreira Brito-Langevin de Transcrição de Sinais. In: FERREIRA BRITO, L. Por uma gramática de Língua de Sinais. Rio de Janeiro: Tempo Brasileiro, 1995.

FISHER, S. & GOUGH, B. Verbs in American Sign Language. In: SLS 18. [s.l.,s.n.] p. 17- 48. 1973.

HOFFMEISTER, Robert James. Word order in the acquisition of ASL. Ms. Boston University. 1978. http://www.planalto.gov.br/CCIVIL/LEIS/2002/L10436.htm.

LILLO-MARTIN, D. C. Parameter setting: evidence from use, acquisition, and breakdown in American Sign Language. Doctoral Dissertation. University of California, San Diego. University Microfilms International. Ann Arbor. Michigan. 1986

PETITTO E MARENTETTE. Babbling in the Manual Mode: Evidence for Ontonegy of Language. In Science. V.251. American Associanton for the Advancement of Science, 1991.

PETITTO, L. On the Autonomy of Language and Gesture: Evidence from the Acquisition of Personal Pronoums in American Sign Laguage. In Cognittion Elsevier Science Publisher B.V. V.27. 1987

PINKEr, S. (1994). The language instinct. New York: William Morrow.

QUADROS, Ronice M. & KARNOPP, Lodenir B. Língua de sinais brasileira: estudos linguísticos. Porto Alegre: ArtMed, 2004.

QUADROS, Ronice Muller & CRUZ, Carina Rebello. Língua de sinais: instrumentos de avaliação. Porto Alegre: Artmed, 2011.

QUADROS, Ronice Muller de. Educação de Surdos: a aquisição da linguagem. Porto Alegre: Editora Arte Médicas, 1997.

SVARTHOLM, K. Aquisição de segunda língua por surdos. Revista Espaço, junho 1998, 38- 45.

SVARTHOLM, K. Döva och samhällets skrivna språk. Forskning om Teckenspråk XII. Stockholms universitet, Institutionen för lingvistik, 1984.




DOI: https://doi.org/10.34117/bjdv6n5-336

Refbacks

  • There are currently no refbacks.