Análise da Elaboração de um Protocolo para Registros de Acidentes em Laboratórios de Pesquisa e Ensino / Analysis of the Elaboration of a Protocol for Accident Records in Research and Teaching Laboratories

Emerson Machado de Carvalho, Mônica Ansilago, Maricy Raquel Lindenbah Bonfá, Simone Simionatto, Ana Taniely Prestes dos Santos

Abstract


Os laboratórios de pesquisa e ensino são ambientes de trabalho que podem oferecer riscos ocupacionais para a saúde humana, sendo necessária a inserção de ferramentas de biossegurança para minimizar estes riscos.  O presente estudo buscou elaborar um protocolo com intuito de registrar e avaliar os riscos em laboratórios de pesquisa e ensino, envolvendo técnicos, graduandos, pós-graduandos e professores-pesquisadores (usuários). Também foi avaliado pelos usuários aspectos como objetividade, clareza e praticidade na utilização do protocolo. Assim, o Protocolo para Registro de Acidentes em Laboratórios de Pesquisa e Ensino (PRA) reuniu elementos de ferramentas utilizadas em segurança do trabalho, como o Diagrama de Corlett e o Mapa de Risco, entre novos elementos. Apesar da aceitação dos usuários que avaliaram o PRA, algumas considerações e críticas foram apontadas, como a necessidade de torná-lo um material autoexplicativo. Por outro lado, a maioria dos usuários também o classificou como “bom” devido principalmente à sua objetividade, acessibilidade, qualidade visual e fácil utilização. Embora seja conhecido que o risco zero é uma meta utópica, é necessária a busca por métodos que reduzam e previnam os acidentes e, para isso, torna-se importante a criação de manuais, normas e ferramentas da qualidade para a avaliação, controle e correção do sistema de biossegurança.

 


Keywords


Biossegurança; Biotecnologia; Segurança do trabalho.

References


BRASIL. Diretrizes Gerais para o Trabalho em Contenção com Agentes Biológicos. Ministério da Saúde. Departamento de Ciência e Tecnologia. 3ª ed. Brasília: Ministério da Saúde, 64 p., 2010.

BRASIL. Portaria MS/GM nº 816 de 31 de Maio de 2005. Constitui o comitê gestor nacional de protocolos de assistência, diretrizes terapêuticas e incorporação tecnológica em saúde, e dá outras Providências. Brasília, DF: Diário Oficial da União. 2005.

BRASIL. Portaria nº 5, de 17 de agosto de 1992. Altera a Norma Regulamentadora nº 9 estabelecendo a obrigatoriedade de elaboração do MAPA DE RISCOS AMBIENTAIS. Curitiba, PR: Anbientec. 1992.

CORLETT, E. N.; MANENICA, I. The effects and measurement of working postures. Applied Ergonomics, v. 11, n. 1, p. 7-16, 1980.

DUARTE, S.J.H.; MAMEDE, M. V.; ANDRADE, S. M. O. Opções teórico-metodológicas em pesquisas qualitativas: Representações sociais e discurso do sujeito coletivo. Saúde e Sociedade, v. 18, n. 4, p. 620-626, 2009.

GRONVALL, G. K. Safety, security, and serving the public interest in synthetic biology. Journal of Industrial Microbiology & Biotechnology, v. 45, n. 463-466, 2018.

KIMMAN, T. G.; SMIT, E.; KLEIN, M. R. Evidence-based biosafety: A review of the principles and effectiveness of microbiological containment measures. Clinical Microbiology Reviews: Home, v. 21, n. 3, p. 403-425, 2008.

LEFÈVRE, F.; LEFÈVRE, AMC. O discurso do sujeito coletivo: Um novo enfoque em pesquisa qualitativa (desdobramentos). 2ª ed. Caxias do Sul: Editora Educs, 2005.

LEME, A.; MAIA, I. Evaluation of fatigue at work in teachers using modern resources in the classroom. Procedia Manufacturing, v. 3, p. 4852-4859, 2015.

MASTROENI, M. F. A difícil tarefa de praticar a biossegurança. Ciência e Cultura, v. 60, n. 2, p. 4-5, 2008.

MATTAR, F. N. Pesquisa de marketing: metodologia, planejamento, execução e análise. 7ª ed. v. 2. São Paulo: Atlas, 2014.

MATTOS, U. A. O.; FREITAS, N. B. B. Mapa de risco no Brasil: As limitações da Aplicabilidade de um modelo operário. Cadernos de Saúde Pública, v. 10, n. 2, p. 251-258, 1993.

MONTEIRO, G. R. S. S.; SILVA, M. E. S. Mapa de risco como instrumento para a identificação de riscos ocupacionais: revisão integrativa da literatura. Revista de Pesquisa: Cuidado é Fundamental (online), v. 7, n. 3, p. 3076-3092, 2015.

MÜLLER, I. C.; MASTROENI, M. F. Tendência de acidentes em laboratórios de pesquisa. Controlando riscos em laboratórios. Revista Biotecnologia Ciência & Desenvolvimento, v. 7, n. 33, p.101-108, 2004.

OLIVEIRA, M. S. B. S. Representações sociais e sociedade: A contribuição de Serge Moscovici. Revista Brasileira de Ciências Sociais, v. 19, n. 55, p. 180-186, 2004.

PENNA, P. M. M.; AQUINO, C. F.; CASTANHEIRA, D. D.; BRANDI, I. V.; CANGUSSU, A. S. R.; MACEDO SOBRINHO, E.; SARI, R. S.; SILVA, M. P.; MIGUEL, A. S. M. Biossegurança: Uma revisão. Arquivos do Instituto Biológico, v. 77, n. 3, p. 465-555, 2010.

SANGIONI, L. A.; PEREIRA, D. I. B.; VOGEL, F. S. F.; BOTTON, S. A. Princípios de biossegurança aos laboratórios de ensino universitários de microbiologia e parasitologia. Ciência Rural, v. 43, n. 1, p. 91-99, 2013.

SOUZA, J. A. C.; FILHO, M. L. M. Análise ergonômica dos movimentos e posturas dos operadores de check out em um supermercado localizado na cidade de Cataguases, Minas Gerais. Gestão & Produção, v. 24, n. 1, p. 123-135, 2017.

TEIXEIRA, P.; VALLE, S. Biossegurança: Uma abordagem multidisciplinar. 2ª ed. Rio de Janeiro: FIOCRUZ, 442 p., 2010.

TONELLO, L. C. G.; CARVALHO, E. M. Avaliação de riscos ergonômicos durante o trabalho odontológico: um estudo de caso. Revista Realização, v. 4, n. 7, p. 120-144, 2017.

VALLE, A. R. M. C.; FEITOSA, M. B.; ARAÚJO, V. M. D.; MOURA, M. E. B.; SANTOS, A. M. R.; MONTEIRO, C. F. S. Representações sociais da biossegurança por profissionais da enfermagem de um serviço de emergência. Escola Anna Nery, v. 12, n. 2, p. 304-309, 2008.




DOI: https://doi.org/10.34117/bjdv6n5-317

Refbacks

  • There are currently no refbacks.