Epidemiologia dos acidentes ofídicos no município de Chaves, Ilha-do-Marajó, Pará, Brasil (2013-2015) / Epidemiology of snakebites in the city of Chaves, Marajó Island, Pará State, Brazil (2013-2015)

Elder Oliveira da Silva, Melquizes Pereira da Lima, Roberto Wagner Scherr Campos

Abstract


Este artigo é um recorte da dissertação de mestrado intitulada “Perfil clínico dos casos e epidemiológicos dos pacientes, vítimas de acidentes ofídicos, atendidos na Unidade Mista de Saúde de Chaves - Pará de 2013 a 2015”, defendida em julho de 2016. O objetivo é descrever as características clínicas e epidemiológicas dos pacientes vítimas de acidente ofídicos notificados no município de Chaves, Pará, Brasil. Estudo epidemiológico descritivo, quantitativo, prospectivo e longitudinal. Foram analisados 114 casos de acidentes ofídicos. A maioria dos acidentes foi ocasionada por serpentes do gênero Bothrops (88%), classificados como moderados (49%), não apresentaram complicações locais (88%) e sistêmicas (98%). Predominaram acidentes no sexo masculino (77%), na zona rural (87%), na faixa etária 15-45 anos (61%), idade média 21,2 anos, e que levaram até 3h para receber o antídoto (54%). Os membros inferiores foi a região mais acometida (83%), a dor e edema em (79%) dos casos foram as principais manifestações locais. (78%) não apresentaram manifestações sistêmicas, (96%) curou sem sequelas. A média anual foi de 38 casos/ano, com taxa de incidência 1,68 casos/1000hab, taxa de letalidade anual média de 1,75 casos/100hab. Taxa de mortalidade anual foi de 0,02/1000hab, e a taxa de mortalidade geral 0,08 casos/1000hab

Keywords


Acidentes ofídicos. Epidemiologia. Perfil Clínico.

References


BARBOSA IR. Clinical and epidemiological aspects of accidents caused by venomous animals in the Rio Grande do Norte State. Revista Ciência Plural. 2015;1(3): 2-13.

BERNARDE PS. Serpentes Peçonhentas e Acidentes Ofídicos no Brasil. Anolisbook. 224 p.: il. São Paulo-SP, 2014.

BÉRNILS RS, COSTA HC. Répteis Brasileiros: Lista de espécies. Sociedade Brasileira de Herpetologia. São Paulo-SP, 2014.

BOCHNER R. Acidentes por animais peçonhentos: aspectos históricos, epidemiológicos, ambientais e sócio-econômicos. 146 f. Tese (Doutorado em Saúde Pública) – Escola Nacional de Saúde Pública Sergio Arouca, Rio de Janeiro, 2003.

BRASIL, Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Guia de Vigilância Epidemiológica/ Ministério da Saúde, Secretaria de Vigilância em Saúde. Volume único. Brasília: Ministério da Saúde, 2014.

CARDOSO JLC. Acidentes por Animais Peçonhentos na Coordenação de Zoonoses e Animais Peçonhentos - Comentários e Sugestões. Brasília: Ministério da Saúde, 1993.

FRANCO FL. Origem e diversidade das serpentes. Pp. 13-32 In: Animais peçonhentos no Brasil: biologia, clínica e terapêutica dos acidentes. Cardoso et al. (Orgs.). Sarvier, São Paulo–SP, 2003.

FUNASA, Ministério da Saúde. Manual de Diagnóstico e Tratamento de Acidentes por Animais Peçonhentos. Brasília. 2001.

Global Snakebite Initiative Limited (GSI). P.O. Box 193, Herston QLD 4029.

Austrália. Disponível em: . Acesso em: janeiro de 2016.

GUTIÉRREZ JM, et al. Confronting the Neglected Problem of Snake Bite Envenoming: The Need for a Global Partnership. PLoS Medicine, p. 01-05., vol 3 Issue 6. 2006.

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Estimativa Populacional de 2015. Disponível em: .

INSTITUTO BUTANTAN. Animais venenosos: serpentes, anfíbios, aranhas, escorpiões e insetos. 2 ed. São Paulo: Instituto Butantan, 2013.

JORGE MT e RIBEIRO LA. Acidentes por serpentes peçonhentas do Brasil. Rev Ass Med Bras 1990; 36: 66-77.

LEMOS JC, et al. Epidemiologia dos acidentes ofídicos notificados pelo Centro de Assistência e Informação Toxicológica de Campina Grande (Ceatox-CG). Revista Brasileira de Epidemiologia. 12(1):50-59. Paraíba, 2009.

MISE YF. Aspectos epidemiológicos do ofidismo no nordeste brasileiro. 98 f Tese (Doutorado em Saúde Pública) Universidade Federal da Bahia. Instituto de Sa, Salvador, Bahia, 2014.

MONTAG LFA, et al. Ictiofauna de campos alagados da Ilha do Marajó, Estado do Pará, Brasil. Biota Neotrop. 2009, vol.9, n.3, pp.241-253.

MOURA VM, MOURÃO HHV, Dos-Santos MC. Acidentes ofídicos na Região Norte do Brasil e o uso de espécies vegetais como tratamento alternativo e complementar à soroterapia. Revista Eletrônica Scientia Amazonia, v.4, n.1, 73-84, 2015.

PARDAL PPO, GADELHA MAC. Acidentes por animais peçonhentos. Manual de Normas e Rotinas. Belém, PA: SESPA - Secretaria de Estado de Saúde Pública. 2010.

PAULA RCMF. Perfil epidemiológico dos casos de acidentes ofídicos atendidos no Hospital de Doenças Tropicais de Araguaína - TO (Triênio 2007-2009). 104 f. Dissertação (Mestrado) - Curso de Ciências da área de Tecnologia Nuclear. Instituto de Pesquisas Energéticas e Nucleares, IPEN. São Paulo-SP, 2010.

RIBEIRO LA. Epidemiologia e quadro clínico dos acidentes por serpentes Bothrops jararaca adultas e filhotes. Revista do Instituto de Medicina Tropical. São Paulo – SP, 1999.

ROSENFELD G. Symptomatology, pathology, and treatment of snake bites in South America, p. 354-384. In: W. BUCHERL; E.E. BUCKLEY & V. DEULOFEU (Eds). Venom. Anim. Venoms. New York, Academic Press, vol. 2. P. 687, 1971.

SEMSA. Secretaria Municipal de Saúde de Chaves. Departamento de Vigilância em Saúde, Departamento de Vigilância Epidemiológica e Endemias. Sistema de Informação de Agravos e Notificação SINAN/ Sistema de Informação de Mortalidade SIM. Chaves, PA. 2015.

SESPA. Secretaria de Estado de Saúde Pública do Pará. Departamento de Controle de Endemias. GT-Zoonoses SESPA. Belém, PA. 2016.

SILVA EO. Acidente ofídico grave revela a importância do cuidado frente aos envenenamentos por serpente. Revista Emergência. Novo Hamburgo 2012, v. 34, p. 36-39.

SILVA EO. Perfil clínico dos casos e epidemiológicos dos pacientes, vítimas de acidentes ofídicos, atendidos na Unidade Mista de Saúde de Chaves - Pará de 2013 a 2015. 108 f. Dissertação (Mestrado) – Saúde Pública. Universidad Iberoamericana, UNIBE. Asunción - PY, 2016.

VILAR JC, CARVALHO CM, FURTADO MFD. Ofidismo e plantas utilizadas como antiofídicas. Biologia Geral e Experimental, v. 6, p 3-36, 2005.

WEN FH. Soroterapia. Pp. 380-393 In: Animais peçonhentos no Brasil: biologia, clínica e terapêutica dos acidentes. Cardoso et al. (Orgs.). Sarvier, São Paulo – SP, 2003.

World Health Organization (WHO). Rabies and envenoming: a neglected public health issue: report of a Consultative Meeting, Geneva, 10 January 2007.




DOI: https://doi.org/10.34117/bjdv6n5-324

Refbacks

  • There are currently no refbacks.