Que país é este? Um estudo psicanalítico sobre o corpo social e a identidade brasileira / What country is this? A psychoanalytic study on the social body and brazilian identity

Mauricio Cardoso da Silva Junior, Gustavo Adolfo Ramos Mello Neto

Abstract


Este artigo apresenta uma tentativa de leitura psicanalítica da formação social brasileira, a partir da articulação entre a psicanálise de grandes grupos e coletividades e ideias elaboradas por alguns dos principais intérpretes de nosso país. Para tanto, buscamos compreender que elementos inconscientes podem ser concebidos enquanto constituintes das formações sociais como as nações, e em seguida realizamos um percurso nas obras de autores do chamado “pensamento social brasileiro”, como Oliveira Vianna, Paulo Prado, Gilberto Freyre, Caio Prado Junior, Sérgio Buarque de Holanda, Florestan Fernandes, Maria Sylvia de Carvalho Franco e Roberto DaMatta. De modo geral, tais escritos, respeitadas suas diferenças teórico-metodológicas, possuem pontos de encontro e possibilidades de diálogo em torno de temas em comum, como a origem do Brasil a partir dos núcleos rurais, a predominância da família em nossa sociabilidade, a dominação das elites sobre o restante da população pobre, a exclusão sistemática da população negra e mestiça do acesso aos postos mais altos de nossa rígida hierarquia social. Tais elementos nos serviram de base para lançarmos nossa tentativa de aproximação psicanalítica sobre nosso corpo social e identidade nacionais.

 

 

 


Keywords


psicanálise, ciências sociais, Brasil.

References


Almeida, A. C. (2018). O motivo que levou à vitória de Bolsonaro, segundo Alberto Carlos Almeida. Poder360. 31 out. 2018. Disponível em: < https://bit.ly/2FBXVHF>.

André, J. (2000). O privilégio. As duas teorias freudianas do originário social. Psicologia em Estudo, 5 (1). p. 1-34.

Antonino, R. M. (2018). Impeachment e misoginia nas redes sociais: decodificando o conservadorismo pós 2013. Rio de Janeiro: Lumen Juris.

Botelho, A. & Schwarcz, L. M. (Org.) (2009). Um enigma chamado Brasil: 29 intérpretes e um país. São Paulo: Companhia das Letras.

Chauí, M. (2014). Brasil: mito fundador e sociedade autoritária. In: M. Chauí. Manifestações ideológicas do autoritarismo brasileiro. Belo Horizonte: Autêntica Editora; São Paulo: Fundação Perseu Abramo.

DaMatta, R. (1997). Carnavais, malandros e heróis: para uma sociologia do dilema brasileiro. Rio de Janeiro: Rocco.

Enriquez, E. (1999). Da horda ao Estado. Rio de Janeiro: Jorge Zahar.

Fernandes, F. (1976). A revolução burguesa no Brasil – ensaio de interpretação sociológica. Rio de Janeiro: Zahar Editora.

Franco, M. S. C. (1997). Homens livres na ordem escravocrata. São Paulo: Fundação Editora da UNESP.

Freud, S. (1913). Totem e tabu. Tradução: Jayme Salomão. In: Edição Standard Brasileira das Obras Psicológicas Completas de Sigmund Freud (Volume XIII). Rio de Janeiro: Imago, 1996. (Original publicado em 1913).

Freud, S. (1921). Psicologia de grupo e análise do ego. Tradução: Jayme Salomão. In: Edição Standard Brasileira das Obras Psicológicas Completas de Sigmund Freud (Volume XVIII). Rio de Janeiro: Imago, 1996. (Original publicado em 1921).

Freyre, G. (2006). Casa-grande e senzala: formação da família brasileira sob o regime da economia patriarcal. São Paulo: GlobAL.

Guiberneau, M. (1997). Nacionalismos: o estado nacional e o nacionalismo no século XX. Rio de Janeiro: Jorge Zahar.

Guimarães, A. S. A. (2001). Democracia racial: o ideal, o pacto e o mito. In: Novos Estudos CEBRAP, n 61, p. 147-162.

Holanda, S. B. (2016). Raízes do Brasil. São Paulo: Companhia das Letras.

Laplanche, J. (2001). La así llamada pulsión de muerte: uma pulsión sexual. In J. Laplanche. Entre seducción e inspiración: el hombre. Buenos Aires: Amorrortu.

Leite, D. M. (1983). O caráter nacional brasileiro: história de uma ideologia. São Paulo, Pioneira Editora.

Martius, K. F. P. V. (1956). Como se deve escrever a história do Brasil. Revista de História de América. n. 42. (Original publicado em 1844).

Mello Neto, G. A. R. (1995). Psicanálise extraclínica: solpsismo sem fim? In: Cadernos de Metodologia e Técnicas de Pesquisa – Suplemento Psicologia. Ano 7, n. 6.

Mello Neto, G. A. R. (1997). Coerção e angústia em psicologia de massas e análise do eu, de S. Freud. Psicologia em Estudo. 2(2).

Mendes, A. (2018). Vertigens de junho: os levantes de 2013 e a insistência de uma nova percepção. Rio de Janeiro: Autografia.

Prado, P. (1997). Retrato do Brasil: ensaio sobre a tristeza brasileira. São Paulo: Companhia das Letras.

Prado Junior, C. (2011). Formação do Brasil contemporâneo. São Paulo: Companhia das Letras.

Ramos, G. A. (1997). Le social dans la construction freudienne de la psychanalyse. Paris: L'harmattan.

Vianna, O. (1987). Populações meridionais do Brasil: história, organização, psicologia. Belo Horizonte: Itatiaia, 1987. Niterói: Editora da Universidade Federal Fluminense.




DOI: https://doi.org/10.34117/bjdv6n5-294

Refbacks

  • There are currently no refbacks.