A gestão dos recursos hídricos do córrego Água Fria no município de Anápolis (GO) na perspectiva do plano estratégico de desenvolvimento do Centro-Oeste / The management of water resources in the Water Cold water in the municipality of Anápolis (GO) from the perspective of the Central West development strategic plan

Carlos Eduardo Fernandes, Carlos Henrique Mendes dos Santos, Marllon Batistell Oliveira Bizzinotto

Abstract


A proposta deste estudo é apresentar de que maneira estão sendo orientadas as políticas públicas do Plano Estratégico de Desenvolvimento do Centro-Oeste no que concerne a gestão dos recursos hídricos do córrego Água Fria, bem  como o processo de ocupação do leito. O principal referencial do PEDCO é o desenvolvimento regional sustentável, entendido como o processo de mudança que articula o aumento da competitividade da economia, a elevação da qualidade de vida da população e a conservação ambiental. Desta forma, o cuidado com o córrego possibilita o crescimento de indicadores sociais e evita a degradação do meio ambiente. Na cidade de Anápolis-GO, o uso das terras, não levou em consideração as fragilidades do meio físico em que se inseria, condicionando ao município problemas de ordem ambiental, que se refletem na ocorrência de processos erosivos lineares, assoreamentos e inundações. Diante disso, o presente artigo relacionou como as propostas do PEDCO podem implementar ou catalisar as ações previstas localmente para reverter a degradação ambiental, devolvendo a qualidade de vida aos moradores da área, favorecendo a economia e desenvolvimento sustentável da região. Foram relacionados os pontos já aplicados em alguns trechos do córrego e quais problemas necessitam de propostas e atenção.


Keywords


Desenvolvimento regional. Preservação. Bacias Urbanas. Água Fria. Políticas Públicas.

References


ANÁPOLIS. Plano Municipal de Drenagem Urbana – Atualização de 2014. Dispõe sobre o PMDU e dá outras providências. Disponível no Portal da Transparência de Anápolis. Acesso em 28/07/2018.

ANÁPOLIS. Secretaria Municipal de Meio Ambiente de. Acervo de imagens e dados. 2016.

ANÁPOLIS, Secretaria Municipal de Habitação de. Acervo de imagens e dados. 2016.

BAHIA. Lei estadual n° 7.799 de 07 de fevereiro de 2001.Política Estadual de Administração dos Recursos Ambientais.

BORGES, B. G. Goiás nos quadros da economia nacional: 1930-1960. Editora da UFG. Goiânia. 2000.

BROWN, E. H. O homem modela a Terra. In: Boletim Geográfico do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Rio de Janeiro. Edição nº222. 1971.

CASSETI, V. Ambiente e apropriação do relevo. Contexto Editora. São Paulo. 1991.

CASTELLS, M. A Questão Urbana. Editora Paz e Terra. Rio de Janeiro. 2000.

FELDS, E. Geomorfologia Antropogenética. Boletim Geográfico. Rio de Janeiro. 1957.

FERREIRA, D. F; SAMPAIO, F. E; SILVA, R. V. C. Impactos socioambientais provocado pelas ocupações irregulares em áreas de interesse ambiental – Goiânia/GO. Anais... UCG/SENAI – CETRESG. Goiânia. 2004.

FINKLER, N. R.; MENDES, L. A.; BORTOLIN, T. A. et al. Cobrança pelo uso da água no Brasil: uma revisão metodológica. Desenvolvimento e Meio ambiente, 2016.

GARCIAS, C. M; AFONSO, J. A. C. (2013) Revitalização de rios urbanos. Revista Eletrônica de Gestão e Tecnologias Ambientais (Gesta). Disponível em https://portalseer.ufba.br/index.php/gesta/article/view/7111/4883. Acesso em 28/07/2018.

GOIÁS, Secretaria de Estado de Defesa Civil de. Acervo de imagens e dados. 2017.

GONZALES, S. F. N. O espaço da cidade contribuição à análise urbana. Projeto Editores Associados. São Paulo. 1985.

GUERRA, A. J. T.; CUNHA, S. B. Geomorfologia e meio ambiente. Bertrand Brasil. 3ª edição. Rio de Janeiro. 2000.

GUERRA,A.J.T.; CUNHA, S.B. (org.). Geomorfologia: uma atualização de bases e conceitos.Bertrand Brasil. 9ª edição. Rio de Janeiro. 2012.

GUERRA, A.J.T.; JORGE, M.C.O.(org.) Processos erosivos e recuperação de áreas degradadas. Oficina de textos. Rio de Janeiro. 1995.

JACOBI, P.R.; FRACALANZA, A.P.; SILVA-SÁNCHEZ, S. Governança da água e inovação na política de recuperação de recursos hídricos na cidade de São Paulo. Cadernos Metrópole. São Paulo. 2015.

KAGEYAMA, P.Y. Estudo para implantação de matas de galeria na bacia hidrográfica do Passa Cinco visando a utilização para abastecimento público. Anais...Universidade de São Paulo. Piracicaba. 1986.

LIMA, W.P. Função hidrológica da mata ciliar. In: Simpósio sobre Mata Ciliar. Fundação Cargil. Campinas. 1989.

MARICATO, E. As idéias fora do lugar e o lugar fora das idéias: planejamento urbano no Brasil. In: ARANTES, O.; VAINER, C.; MARICATO, E. (Org.). A cidade do pensamento único; desmanchando consensos. Vozes. Petrópolis. 2000.

MATTOS, A. D. M. Valoração ambiental de áreas de preservação permanente da micro-bacia do ribeirão São Bartolomeu no Município de Viçosa. Revista Árvore, vol.31, nº2. Viçosa. Abril 2007.

MENDONÇA, F. Geografia socioambiental. In: Elementos de epistemologia da geografia contemporânea. Curitiba. 2002.

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE. Mananciais. Disponível em: http://mma.gov.br/cidades-sustentaveis/aguas-urbanas/mananciais.Acesso em: 28/07/2018.

MOTTA, D. M. Gestão do uso do solo disfunções do crescimento urbano Volume 1: Instrumento de Planejamento e Gestão Urbana em Aglomerações Urbanas: Uma análise Comparativa. Brasília. 2002.

PIRES, J.S.R.; SANTOS, J.E. Bacias hidrográficas: integração entre meio ambiente e desenvolvimento. Ciência hoje. Rio de Janeiro. 1995.

POLONIAL, J. Anápolis nos tempos da ferrovia. Editora Kelps.Goiânia. 2011.

PRADILLA, C. E. Contribuición a la Crítica de la “Teoria Urbana”. Del “Espacio” a la “Crisis Urbana”. Universidad Autónoma Metropolitana. Casa Abierta alTiempo. Colección Ensayos. México. 1984.

SANTOS, M. A urbanização brasileira. Hucitec. São Paulo. 1993.

SÓCRATES, J.R.; GROSTEIN, M.D.; TANAKA, M.M. A Cidade invade as águas: qual a questão dos mananciais. FAU. São Paulo. 1984.

SUDECO. Superintendência de Desenvolvimento do Centro-Oeste. Plano estratégico de desenvolvimento do Centro-Oeste: 2007 – 2020. Disponível em www.sudeco.gov.br/pdco. Acesso em 01/08/2018.

SUDECO. Superintendência de Desenvolvimento do Centro-Oeste. Plano Regional de Desenvolvimento do Centro-Oeste: 2017 – 2020. Disponível em

http://www.sudeco.gov.br/documents/20182/71420/Plano+Regional+de+Desenvolvimento+do+Centro-Oeste+-+PRDCO.pdf/aa04dc0c-6c8d-4c6c-b15a-c15df129ca52. Acesso em 01/08/2018.

VIANA, R.L.; RIBEIRO, G.A.; LIMA, G.S.; SOUZA, F.A.A.; GÓES, C.T. Considerações sobre a elaboração de um diagnóstico sócio-econômico e sócio-ambiental no entorno de uma unidade de conservação. In: XVI Congresso Brasileiro de Economia Doméstica e IV Encontro Latino-Americano de Economia Doméstica. ABED. Anais... Viçosa-MG. 2001.




DOI: https://doi.org/10.34117/bjdv6n5-279

Refbacks

  • There are currently no refbacks.