O custo do atendimento à norma regulamentadora 18: um estudo de caso / The cost of complying with regulatory standard 18: a case study

Nelson de O. Quesado Filho, Filipe Jorge I. S. M. Moura Nogueira, Marcos Antônio Dutra Filho

Abstract


Este trabalho é um estudo de caso realizado em uma indústria que está inserida no setor que é responsável por gerar 13 milhões de empregos no Brasil, considerando os formais, informais e indiretos. Todavia, a construção civil também possui um número relevante no âmbito de acidentes de trabalho. O objetivo desta pesquisa é calcular o custo relacionado ao atendimento à Norma Regulamentadora 18 (NR-18) do Ministério do Trabalho na indústria da construção civil. Neste estudo de caso foram apresentadas as circunstâncias de estudo, descrevendo a obra, suas atividades, os requisitos legais a serem cumpridos, as condições associadas, suas medidas de controle, o orçamento da obra e os custos relacionados ao cumprimento dos requisitos legais exigidos na NR-18 pertinentes à sua operação. A partir desse levantamento, foi realizada uma análise dos dados, na qual foram comparados os custos levantados e em seguida analisados quantitativamente em relação aos demais custos da obra. Os resultados deste estudo mostraram que os custos oriundos do cumprimento dos requisitos da NR-18 representam apenas 5% do valor total da construção e praticamente se igualaram aos custos de elaboração de projetos, o que revela uma significativa relação custo-benefício considerando a risco de um acidente de trabalho que, quando acontece, gera multas e indenizações onerosas, quando não perdas incalculáveis, como a vida de pessoas.


Keywords


Norma Regulamentadora 18, Construção civil, Análise de custos.

References


ALVARENGA, R. Z. de. A Organização Internacional do Trabalho e a proteção aos direitos humanos do trabalhador. Revista Eletrônica: acórdãos, sentenças, ementas, artigos e informações, Porto Alegre, RS, v. 3, n. 38, p. 56-71. Brasil 2007.

BRASIL, Ministério do Trabalho e Emprego. Normas Regulamentadoras de Segurança e Medicina do Trabalho. NR 18 Condições e Meio Ambiente do Trabalho na Indústria da Construção. Disponível em: . Acesso em: 11 de Nov de 2017.

BRASIL, Ministério do Trabalho e Emprego. Normas Regulamentadoras de Segurança e Medicina do Trabalho. NR 04 Serviços especializados em Engenharia e Segurança do Trabalho. Disponível em: . Acesso em: 11 de Nov de 2017.

COSTELLA, M. F. Análise dos acidentes do trabalho e doenças profissionais ocorridos na atividade de construção civil no Rio Grande do Sul em 1996 e 1997. Dissertação de Mestrado em Engenharia Civil, Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Brasil. 1999.

CRUZ, S. O ambiente do trabalho na construção civil: um estudo baseado na norma. Santa Maria, 1996. Monografia. Especialização em Engenharia de Segurança do Trabalho - Programa de Pós-Graduação em Engenharia de Produção. UFSM. Brasil.

DINO. Previsões para a Economia e a Construção Civil em 2017. Portal Terra. Disponível no link [https://www.terra.com.br/noticias/dino/previsoes-para-a-economia-e-a-construcao-civil-em-2017,2ce9d42aa222b864bcc8c7fef32f5da4f9ng6ld8.html]. Acessado em 31 de agosto de 2017. Brasil. 2016.

GOVERNO FEDERAL DO BRASIL. Construção Civil emprega 13 milhões de pessoas no País. Palácio do Planalto. Disponível no link [http://www2.planalto.gov.br/acompanhe-planalto/noticias/2016/08/construcao-civil-emprega-13-milhoes-de-pessoas-no-pais]. Acessado em 31 de agosto de 2017. Brasil. 2016.

HANSEN, K. ZENOBIA, K. Civil Engineer’s Handbook of Professional Practice. Editora John Wiley & Sons. 2011.

HENRIQUE, M. B. FEITOSA, M. F. ARAÚJO, G. L. Acidentes nos canteiros de obras da construção civil no Brasil. I Seminário Científico da FACIG. Brasil. 2015.

LIMA JR., J. M. Legislação sobre segurança e saúde no trabalho na indústria da construção. In: CONGRESSO NACIONAL SOBRE CONDIÇÕES E MEIO AMBIENTE DO TRABALHO NA INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO, 2º, Rio de Janeiro. FUNDACENTRO. Brasil. 1995.

MANUAIS DE LEGISLAÇÃO ATLAS. Segurança e Medicina do Trabalho. 49ª. São Paulo. Atlas S. ª 2001.

MARCHETTI, E. LEGISLAÇÃO DE SEGURANÇA E MEDICINA NO TRABALHO: Manual Prático – FIESP/ CIESP. Disponível em: < http://www.fiesp.com.br/download/legislacao/medicina_trabalho.pdf>. Acesso em 15 de fevereiro de 2014. Brasil. 2003.

MARTEL, H. MOSELHI, O. Construction safety management: a canadian study. AACE Transactions. Canadá. 1988.

NITAHARA, A. Brasil é o quarto no mundo em acidentes de trabalho, alertam juízes. Agência Brasil. Disponível no link [http://agenciabrasil.ebc.com.br/geral/noticia/2016-04/brasil-e-quarto-do-mundo-em-acidentes-de-trabalho-alertam-juizes]. Acessado em 31 de agosto de 2017. Brasil. 2016.

OIT. Organização Internacional do Trabalho. Disponível em: . Acesso em: 27 maio 2012.

PESQUISA NACIONAL POR AMOSTRA DE DOMICÍLIO. Tabela 1.3.1 – Pessoas de 14 anos ou mais de idade, ocupadas na semana de referência, segundo o sexo. Disponível no link[http://www.ibge.gov.br/home/estatistica/indicadores/trabalhoerendimento/pnad_continua/defaulttab.shtm]. Acessado em 31 de agosto de 2017. Brasil. 2017.

REIS, R. S. Segurança e medicina do trabalho: normas regulamentadoras. 7. ed. São Caetano do Sul: Yendis. Brasil. 2010.

ROBERTO, P. A Indústria da Construção Civil no Brasil e as Estratégias do Subsetor Edificações na Busca da Competitividade. 2013.

ROCHA C. A. SAURIN T. A. FORMOSO C. T. Avaliação da aplicação da NR-18 em canteiro de obras. In: ENCONTRO NACIONAL DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO. São Paulo. Disponível em: . Acesso em: 14 de outubro de 2017. Brasil. 2010.

SAKAMOTO, J. K. Análise comparativa entre o não cumprimento da NR-18 e de sua adequação em uma obra de construção civil. Monografia de Pós-Graduação. Disponível em: Acesso em 14 de outubro de 2017. Brasil. 2014.

SANTANNA JUNIOR, R. Aplicação da NR - 18 em Canteiros de Obra: Percepções e Estudos de Campo. Dissertação de Mestrado. Universidade Federal do Espírito Santo. Disponível em: Acesso em 11 de novembro de 2017. Brasil. 2013.

TRIBUNAL SUPERIOR DO TRABALHO. Dados Oficiais Sobre Benefícios por Incapacidade – MPS. 2011.




DOI: https://doi.org/10.34117/bjdv6n5-255

Refbacks

  • There are currently no refbacks.