Grupos de maturidade relativa frente à qualidade fisiológica das sementes de soja / Groups of maturity relating to the physiological quality of soybean seeds

Maikely Luana Feliceti, Thayllane de Campos Siega, Marcieli da Silva, Ana Paula Barbosa de Mesquita, Josieli Aparecida da Silva, Carlos André Bahry, Jean Carlo Possenti

Abstract


Compreende-se como grupo de maturidade relativa à duração do ciclo de desenvolvimento da soja, ou seja, o número de dias que a cultura leva para chegar a maturidade, do período da semeadura até a sua maturidade fisiológica. O presente trabalho teve como objetivo avaliar diferentes cultivares de soja pertencentes ao mesmo grupo de maturidade relativa sobre a qualidade fisiológica de sementes de soja. Os experimentos foram realizados no Laboratório de Sementes da Universidade Tecnológica Federal do Paraná - UTFPR, situada no município de Dois Vizinhos – Paraná. Foram utilizadas sementes de 13 cultivares de soja, produzida na safra 2018/2019 na região de Pato Branco – Paraná. Buscou-se utilizar três cultivares de ciclos parecidos ou iguais para verificar as diferenças que são apontadas nos testes. Cada cultivar constituiu um tratamento, entre ciclos curtos e longos. As variáveis analisadas no laboratório foram, germinação, envelhecimento acelerado, comprimento de parte aérea e raiz, e massa seca. O teste foi realizado em delineamento experimental inteiramente casualizado (DIC), com quatro repetições. Após compridos os pressupostos, os dados foram submetidos à análise de variância (ANOVA) e sendo constatado significância entre os tratamentos, aplicou-se teste de comparação de médias (Tukey a 5% de probabilidade) com auxílio do programa estatístico Genes. Consoante a isso, conclui-se que, a qualidade inicial das sementes influenciou o comprimento de parte aérea e o comprimento radicular de plântulas de soja, onde as plântulas classificadas com alto vigor obtiveram o maior comprimento de parte aérea plântulas, em comparação com as oriundas de médio e baixo vigor. Não houve relação entre o grupo de maturação e a qualidade fisiológica das sementes de soja, pois alta ou baixa porcentagem de germinação estiveram nos diferentes grupos de maturação estudados.


Keywords


fatores genéticos. condições ambientais. desempenho das sementes.

References


ABRASEM, Associação Brasileira de Sementes e Mudas. Instrução Normativa n° 45, de 17 de setembro de 2013.

ALLIPRANDINI, L. F.; ABATTI, C.; BERTAGNOLLI, P. F.; CAVASSIM, J. E.; GABE, H. L.; KUREK, A.; MATSUMOTO, M. N.; OLIVEIRA, M. A. R. de; PITOL, C.; PRADO, L. C.; STECKLING, C. Understanding soybean maturity groups in brazil: environment, cultivar classification and stability. Crop Science, Madison, v.49, p.801-808, 2009.

BRASIL. Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento. Regras para análise de sementes. Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento. Secretaria de Defesa Agropecuária. Brasília: 2009.

BEXAIRA, K. P.; STRECK, N. A.; ZANON, A. J.; ROCHA, T. S. M. da; RICHTER, G. L., SILVA, M. R. da; TAGLIAPIETRA, E. L.; WEBER, P. S.; DUARTE JUNIOR, A. J.; CERA, J. C.; RIBAS, G. G.; UHRY JUNIOR, D.F.; MEUS, L.D.; ALVES, A.F.; BALEST, D. Grupo de maturidade relativa: Variação no ciclo de desenvolvimento da soja em função da época de semeadura. Anais do VIII Congresso Brasileiro de Soja. Goiânia – GO, Brasil. 2018.

CONAB - Companhia Nacional de Abastecimento. Acompanhamento de Safra Brasileira: Grãos – Quarto levantamento. Conab, Brasília, janeiro de 2020. Disponível em: Acesso em: 02 jan. 2020.

COSTA, N. P.; PEREIRA, L. A. G.; FRANÇA-NETO, J. de B.; HENNING, Ademir A.; KRZVZANOWSKI, Francisco C. Zoneamento ecológico do estado do Paraná para produção de sementes de cultivares precoces de soja. Revista Brasileira de Sementes, Brasília, DF, v. 16, n. 1, p. 12-19, 1994.

DELOUCHE, J. C. Seed maturation. In: HANDBOOK of seed technology. Mississipi: Mississipi State University, 2002.

DÖRR, C. S. Recobrimento de sementes de soja de diferentes níveis de qualidade fisiológica com aminoácidos: desempenho de plantas em campo e sementes. 2016. 40f. Programa de Pós-Graduação em Ciência e Tecnologia de Sementes, Faculdade de Agronomia Eliseu Maciel, Universidade Federal de Pelotas, Pelotas, 2016.

EMBRAPA (EMPRESA BRASILEIRA DE PESQUISA AGROPECUÁRIA). Tecnologias de produção de soja região central do Brasil 2014. Londrina: Embrapa Soja, 2013. Disponível em: < https://ainfo.cnptia.embrapa.br/digital/bitstream/item/95489/1/SP-16-online.pdf> Acesso em: 16 jan. 2019.

GRIS, C. F.; PINHO, E. V. de R. V.; ANDRADE, T.; BALDONI, A.; CARVALHO, M. L. de M. Qualidade fisiologica e teor de lignina no tegumento de sementes de soja convencional e transgênica RR submetidas a diferentes épocas de colheita. Revista Ciência e agrotecnologia, Lavras, v. 34, n. 2, p. 374-381, 2010.

KRZYZANOWSKI, F. C.; FRANÇA NETO, J. de B.; VIEIRA R. D. Vigor de sementes: conceitos e testes. Londrina, ABRATES, v. 1, c. 2, 1999.

NAKAGAWA, J. Testes de vigor baseados no desempenho de plântulas. In: KRZYZANOWSKI, F. C.; VIEIRA, R. D.; FRANÇA NETO, J. B. (Ed.). Vigor de sementes: conceitos e testes. Londrina: ABRATES, 1999.

NEUMAIER, N.; NEPOMUCENO, A. L.; FARIAS, J. R; OYA, T. Estádios de desenvolvimento da cultura da soja. (2017). Disponível em: Acesso em: 15 fev. 2020.

MARCOS-FILHO, J. Fisiologia de sementes de plantas cultivadas. 2. ed., Londrina: ABRATES, 2015.

MENON, J. C. M.; BARROS, A. C. S. A.; MELLO, V. D. C.; ZONTA, E. P. Avaliação da qualidade física e fisiológica da semente de soja produzida no Estado do Paraná, na safra 1989/90. Revista Brasileira de Sementes, Brasília, v.15, n.2, p.203-208, 1993

QUTOB, D.; MA, F.; PETERSON, C. A.; BERNARDS, M. A.; GIJZEN, M. Structural and permeability properties of the soybean seed coat. Canada, Botany, v. 86, 2008.

ZANON, A. J.; WINCK, J. E. M.; STRECK, N. A.; ROCHA, T. S. M. da; CERA, J. C.; RICHTER, G. L.; LAGO, I.; SANTOS, P. M. dos; MACIEL, L. da R.; GUEDES, J. V. C.; MARCHESAN, E. Desenvolvimento de cultivares de soja em função do grupo de maturação e tipo de crescimento em terras altas e terras baixas. Bragantia, v.74, n.4, Campinas, 2015.




DOI: https://doi.org/10.34117/bjdv6n5-260

Refbacks

  • There are currently no refbacks.