Uso da Terapia Floral na Ansiedade e Estresse / Use of Floral Therapy in Anxiety and Stress

Jéssica de Alencar Ribeiro, Maria Helena Pereira de Araújo, Elizete da Silva Vieira, Alzira Elisa Dantas Maia, Danielly Albuquerque da Costa, Maria do Socorro Sousa

Abstract


Conhecidos por promover equilíbrio emocional, contribuindo para harmonizar a pessoa com o meio em que ela vive, os Florais têm sido utilizados como Terapia Complementar em diversas partes do mundo. O Projeto Ambulatório Terapia Floral atende a comunidade interna e externa da Universidade Federal da Paraíba, ao mesmo tempo que constitui um espaço de aprendizagem para os alunos da área da saúde. O sistema Saint Germain tem sido usado há 17 anos, em projetos desenvolvidos pelo Núcleo de Estudos e Pesquisas Homeopáticas e Fitoterápicas. trazendo bons resultados. Ansiedade e Estresse têm sido queixas recorrentes nos indivíduos que buscam essa terapia. O objetivo desse trabalho é apresentar as essências florais mais utilizadas nos casos de ansiedade e estresse, destacando suas principais características. A indicação das essências deu-se em função da seleção realizada pelos indivíduos, a partir da técnica de visualização. Estes dados foram comparados com as indicações encontradas no Repertório de Saint Germain. Ipê Roxo (Tabebuia impetiginosa), Cidreira (Cymbopogum citratus) e Melissa (Lippia alba) foram as essências mais indicadas. Ipê Roxo é indicada para os que não veem saída nas situações de traumas e estresse, repondo energias após situações de grande desgaste físico, mental e emocional. Cidreira é usada em situações que provocam ansiedade, histerismo, nervosismo, apreensão e insônia; para os que têm uma vida sobrecarregada levando ao estresse. Melissa atua quando há sentimentos de desesperança, ansiedade e tristeza, para aqueles que perderam a capacidade de sorrir e de almejar a felicidade. Com base nos depoimentos das pessoas atendidas, constata-se que o uso da terapia floral tem minimizado os sintomas de ansiedade e estresse de maneira que contribui para diminuição do uso de medicamentos alopáticos. Um outro aspecto a se considerar é o modo de atendimento, onde as queixas relativas aos aspectos emocionais são consideradas relevantes, e a pessoa tem sua problemática mais facilmente compreendida e valorizada.


Keywords


Sistema Saint Germain. Ansiedade. Estresse.

References


Barros MS et al. O uso dos Florais de Bach em crianças com TDAH. SEMIOSES: Inovação, Desenvolvimento e Sustentabilidade. 2019; 13(4): 148-57. http://doi.org/10.15202/1981996x.2019v13n4p148

Brasil. Ministério da Saúde. Portaria nº 702/GM, de 21 de março de 2018. Altera a Portaria de Consolidação nº 2/GM/MS, de 28 de setembro de 2017, para incluir novas práticas na Política Nacional de Práticas Integrativas e Complementares - PNPIC. Diário Oficial da República Federativa do Brasil, Brasília, DF, 22 mar. 2018.

Gavai FGS, Turrini RNT. O uso de Florais de Bach para manejo dos sintomas de Autismo Infantil: Relato de Experiência. Rev Paul Enferm [Internet]. 2019; 30. doi:10.33159/25959484. repen.2019v30a6

Lipp, M. E. N., Malagris, L. E. N., & Novais, L. E. (2007). Stress ao longo da vida. São Paulo: Editora Ícone.

Margonari N.( 2007). Florais de São Germain-Repertório-Dicionário. São Paulo: Edições Florais de São Germain.

Monteiro CFS, Freitas JFM, Ribeiro AAP. Estresse no cotidiano acadêmico: o olhar dos alunos de enfermagem da Universidade Federal do Piauí. Esc Anna Nery R Enferm 2007 mar; 11 (1): 66 - 72.

Naiff N. (2006). Florais do mundo. 1ª edição. Rio de Janeiro: Nova Era.

Nascimento VF et al. Utilização de Florais de Bach na Psicoterapia Holística. Rev. Saúde.Com 2017; 13(1): 770-778. doi 10.22481/rsc.v13i1.367

Salles LF, Silva MJP. Efeito das essências florais em indivíduos ansiosos. Acta Paul Enferm. 2012; 25(2):238-42

Sousa MS, Costa, DA. (2018). Sistema Florais de Saint Germain e a Extensão Universitária. 1ª edição. João Pessoa: Moura Ramos Gráfica e Editora,

Suriano ML et al. Identificação das características definidoras de medo e ansiedade em pacientes programadas para cirurgia ginecológica. Acta Paul Enferm. 2009; 22(nº Espec):928-34.




DOI: https://doi.org/10.34119/bjhrv3n3-040

Refbacks

  • There are currently no refbacks.