A importância da atuação do Cirurgião-Dentista na Atenção Básica no Sistema Único de Saúde (SUS): uma revisão bibliográfica / The importance of the performance of the Dental Surgeon in Primary Care in the Unified Health System (SUS): a bibliographic review

Emmanoel Matheus de Oliveira Matos, Cintia Carliene Santos de Oliveira, Taynara Franciele da Silva Souza, Maria da Conceição do Nascimento, Talita Giselly dos Santos Souza

Abstract


No Brasil a inserção do cirurgião-dentista (CD) no serviço público foi reforçada desde o ano 2000 com a chegada das Equipes de Saúde Bucal (EqSB) na Estratégia de Saúde da Família (ESF). Para isso, o CD precisou sair de uma prática privada restrita ao consultório e equipamentos para uma nova proposta de saúde bucal que tem como base o cuidado e ações de promoção à saúde. Diante disso, o presente trabalho teve como objetivo fazer um levantamento bibliográfico sobre a importância da atuação do Cirurgião-dentista na Atenção Básica no Sistema Único de Saúde. Para isso, foram pesquisados trabalhos entre 1995 e 2019 nas bases de dados do Bireme, Google Acadêmico, Scielo e Lilacs, utilizando os descritores: Atuação do cirurgião-dentista, Unidade Básica de Saúde, Estratégia de Saúde da Família e SUS. Após a leitura analítica e crítica dos trabalhos selecionados, foi possível evidenciar a importância da inserção e participação do cirurgião-dentista na ESF, atuando como membro da equipe na concretização do conceito de saúde integral, desenvolvendo prática preventiva e curativa, além do apoio no trabalho interdisciplinar. Desta forma, conclui-se que é fundamental a participação efetiva do cirurgião-dentista na atenção à saúde, uma vez que o profissional exerce um papel primordial na prevenção de doenças, agregando nos cuidados à saúde do usuário junto aos demais profissionais.


Keywords


Saúde bucal. Odontologia. Saúde coletiva.

References


Aerts, D, Abegg, C, Cesa, K. O papel do cirurgião-dentista no Sistema Único de Saúde. Ciência & Saúde Coletiva. 2004; 9(1): 131-138.

Aquilante, AG, Almeida, BSD, Martins Castro, RF, Xavier, CRG, Sales Peres, SHC, Bastos, JRDM. A importância da educação em saúde bucal para pré-escolares. Revista de Odontologia da UNESP. 2013; 32 (1): 39-45. Disponível em: Acesso em: 10 mar. 2020.

Arantes, LJ, Shimizu, HE, Merchán-Hamann, E. The benefits and challenges of the Family Health Strategy in Brazilian Primary Health care: a literature review. Revista Ciência & Saúde Coletiva. 2016; 21(5): 1499-1509.

Botazzo, C, Chaves, SCL. Saúde Bucal Coletiva: Antecedentes e estado da arte. In: Botazzo, C. Diálogos sobre a boca. São Paulo: Hucitec. 2013, p. 1643-1652.

Brant A. Promoção de saúde bucal no Programa Saúde da Família – Paquetá – RJ. Rio de Janeiro: CEDAPS – Centro de Promoção da Saúde; 1995.

Brasil. Ministério da Saúde (MS). Fundação Nacional de Saúde. Departamento de Operações coordenações de Saúde da Comunidade. Programa Saúde da Família: dentro de casa. Brasília,1994.

Brasil. Ministério da Saúde (MS). Lei no 8.080, de 19 de setembro de 1990. Dispõe sobre as condições para a promoção, proteção e recuperação da saúde, da organização e funcionamento dos serviços correspondentes e dá outras providências (Lei Orgânica da Saúde). Diário Oficial da União, Brasília, DF, 1990.

Brasil. Ministério da Saúde. Portaria nº 2.436, de 21 de setembro de 2017. Aprova a Política Nacional de Atenção Básica, estabelecendo a revisão de diretrizes para a organização da Atenção Básica, no âmbito do Sistema Único de Saúde (SUS). Brasília, DF: Ministério da Saúde, 2017. Disponível em: Acesso em: 10 mar. 2020.

Brasil. Ministério da Saúde. Projeto SB Brasil 2010: Pesquisa Nacional de Saúde Bucal 2010. Resultados principais. Brasília: Ministério da Saúde; 2011. Disponível em: Acesso em: 10 mar. 2020.

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. Avaliação normativa do Programa Saúde da Família no Brasil: monitoramento da implantação e funcionamento das Equipes de Saúde da Família: 2001/2002. Brasília: Ministério da Saúde; 2004. Disponível em: Acesso em: 10 mar. 2020.

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. Política Nacional de Atenção Básica / Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. – Brasília: Ministério da Saúde, 2012.

Brasil. Secretaria da Assistência à Saúde. Departamento de Assistência e Serviços da Saúde. Coordenação da Saúde da Comunidade. Avaliação da Implantação e funcionamento do Programa Saúde da Família – PSF. (Relatório Preliminar) Brasília, 1999.

Capistrano Filho, D. O cirurgião-dentista no Programa de Saúde da Família. Revista Brasileira de Odontologia em Saúde Coletiva. 2000; 1(2): 08.

Cericato, GO, Garbin, D, Fernandes, APS. A inserção do cirurgião-dentista no PSF: uma revisão crítica sobre as ações e os métodos de avaliação das Equipes de Saúde Bucal. Revista da Faculdade de Odontologia-UPF. 2007; 12(3): 18-23. Disponível em: Acesso em: 10 mar. 2020.

Chibinski, A, Baldani, MH, Wambier, DS, Martins, AS, Kriger, L. Tratamento restaurador atraumático: percepção dos dentistas e aplicabilidade na atenção primária. Revista Brasileira de Odontologia. 2014; 71(1): 89-92.

Cordón, J. Dificuldades, contradições e avanços, na inserção da odontologia no SUS. Revista Divulgação em Saúde para Debate. 1996; 13: p.36- 53.

Cunha, JPP, Cunha, RE. Sistema Único De Saúde – SUS: princípios. In: Campos, FE, Oliveira Júnior, M, Tonon, LM. Cadernos de Saúde. Planejamento e Gestão em Saúde. Belo Horizonte. Belo Horizonte: COOPMED. 1998: cap.2: 11-26.

Fausto, MCR., Giovanella, L, Mendonça, MHMD, Seidl, H, Gagno, J.. A posição da Estratégia Saúde da Família na rede de atenção à saúde na perspectiva das equipes e usuários participantes do PMAQ-AB. Saúde em Debate. 2014; 38, 13-33.

Felisberto, E. Monitoramento e avaliação na atenção básica: novos horizontes. Revista Brasileira Saúde Maternidade Infantil. 2004: 4(3): 317-321.

Franceschini, TRC. Observação da relação mãe-bebê-família como ferramenta para o aprendizado da integralidade. (Dissertação) Mestrado em Enfermagem, Saúde Pública, Universidade de São Paulo, Ribeirão Preto, 2005. 257 f. Disponível em: Acesso em: 10 mar. 2020.

Liberali R. Metodologia Científica Prática: um saber-fazer competente da saúde à educação. 2ª ed rev ampl, Florianópolis: Postmix. 2011, 206p.

Massoni, ACLT, Pessoa, CP, Oliveira, AFB. Tratamento restaurador atraumático e sua aplicação na saúde pública. Revista de Odontologia da UNESP. 2013; 35(3): 201-207.

Matos, PES, Tomita, NE. A inserção da saúde bucal no Programa Saúde da Família: da universidade aos polos de capacitação. Caderno Saúde Pública. 2004; 20(6):1538-44.

Mattos, RA. Os Sentidos da Integralidade: algumas reflexões acerca de 131 valores que merecem ser defendidos. In: Pinheiro, R, Mattos, RA. Os Sentidos da Integralidade na atenção e no cuidado à saúde. Rio de Janeiro: UERJ, IMS, ABRASCO, 2001. p.39-64. Disponível em: Acesso em: 10 mar. 2020.

Mendes, EV. Um novo paradigma sanitário: a produção social da saúde. Uma agenda para a saúde. São Paulo: Hucitec. 1996; 2: 233-300.

Moysés, ST, Rodrigues, CS. Ambientes saudáveis: uma estratégia da saúde bucal de crianças. In: Bönecker M, Sheiham A. Promovendo saúde bucal na infância e na adolescência: conhecimentos e práticas. São Paulo: Santos. 2004, p.81-96.

Paim, JS. Gestão da atenção básica nas cidades. In: Neto, ER, Bógus, CM. Saúde nos aglomerados urbanos: uma visão integrada. Brasília: Organização Pan-Americana da Saúde, 2003, p.183-210.

Pereira, MJB, Fortuna, CM, Mishima, SM, Almeida, MCPD, Matumoto, S. A enfermagem no Brasil no contexto da força de trabalho em saúde: perfil e legislação. Revista Brasileira de Enfermagem. 2009; 62(5): 771-777.

Pucca Junior, GA, Costa, JFR, Chagas, LDD, Sivestre, RM. Oral health policies in Brazil. Brazilian oral research. 2009; 23: 9-16.

Reis, WG, Scherer, MDA, Carcereri, DL. O trabalho do Cirurgião-Dentista na Atenção Primária à Saúde: entre o prescrito e o real. Saúde em Debate. 2015; 39: 56-64.

Sá, PK. A integralidade da atenção no programa médico da família de Niterói/RJ. (Dissertação) Mestrado em Saúde Pública, Escola Nacional de Saúde Pública Sergio Arouca, Fundação Oswaldo Cruz, Rio de Janeiro, 2003. 112 f. Disponível em: Acesso em: 05 mar. 2020.

Santos, MAM, Cutolo, LRA. A interdisciplinaridade e o trabalho em equipe no Programa de Saúde da Família. Arquivos Catarinenses de Medicina. 2003; 32(4): 65-74. Disponível em: Acesso em: 15 fev. 2020.

Sheiham A; Moysés SJ. O papel dos profissionais de saúde bucal na Promoção da Saúde. In: Buischi YP. Promoção de saúde bucal na clínica odontológica. São Paulo: Artes Médicas; 2000. p.23-37.

Silvestre, JAC, Martins, P.; Silva, JRV. O tratamento restaurador atraumático da cárie dental como estratégia de prevenção e promoção da saúde bucal na estratégia saúde da família. SANARE-Revista de Políticas Públicas. 2010; 9(2): 81-85.

Soratto, J, Pires, DEPD, Dornelles, S, Lorenzetti, J. Family health strategy: a technological innovation in health. Texto & Contexto-Enfermagem. 2015; 24 (2); 584-592.

Sousa, EM. Promoção da Saúde: uma estratégia para o fortalecimento das práticas em saúde bucal. (Dissertação) Mestrado profissional, Universidade Estadual de Campinas, Faculdade de Odontologia de Piracicaba, Piracicaba, SP. 2005. 182 p. Disponível em: . Acesso em: 10 mar. 2020.

Viana, AL.; Dal Poz, M. A reforma em saúde no Brasil: Programa de Saúde da Família no Brasil. Physis. 1998; 8(2): 17-38.




DOI: https://doi.org/10.34119/bjhrv3n3-038

Refbacks

  • There are currently no refbacks.