Avaliação da estabilidade de pastilha gomosa contendo extrato seco de citrus aurantium / Evaluation of the stability of gum paste containing dry extract of citrus aurantium

Josimário Ferreira de Jesus, Isabella Mary Alves Reis, Sônia Carine Cova Costa

Abstract


A fitoterapia vem despontando na busca por novas alternativa terapêutica para os pacientes com obesidade. A espécie Citrus aurantium (Rutaceae) é utilizada no auxílio para os tratamentos dos quadros de obesidade por apresentar metabolitos secundários capazes de promover a diminuição acentuada dos adipócitos, a diminuição do acúmulo de lipídeos e o aumento da sensibilidade a insulina. Assim, o objetivo deste trabalho foi avaliar a estabilidade preliminar de pastilhas gomosas contendo 200 mg de C. aurantium, preparadas a partir de uma formulação de base de pastilha gomosa segundo fórmula magistral e uma base de pastilha gomosa pré-formulada. O extrato seco dos frutos de C. aurantium foi adquirido em uma farmácia magistral na cidade de Feira de Santana, Bahia. As pastilhas gomosas de C. aurantium (200 mg) foram preparadas usando-se duas formulações de bases farmacêuticas: uma preparada segundo fórmula magistral (Base Gelatinosa A) e outra base gelatina pré-formulada (Gomagron®) (Base Gelatinosa B), ambos os processos resultaram em pastilhas medicametosas de 2,4 g cada unidade. A estabilidade das pastilhas gomosas de C. aurantium (200 mg) foi avaliada através dos ensaios de características organolépticas e análises físico-químicas (peso médio, tamanho, pH, teor de umidade, desintegração) após 24 horas de manipulação. Todos os ensaios foram realizados em triplicata. As amostras apresentaram resultados semelhantes ao padrão, quando comparadas as características organolépticas e dimensões. Ambas as formulações, quando submetidas à análise de estabilidade preliminar, apresentaram apenas uma pequena variação de pH, os resultados apresentados indicam que ambas as formulações possuem estabilidade. O teste de desintegração apresentou diferença entre as pastilhas gomosas preparadas com a Base Gelatinosa A (180” de desintegração), e as pastilhas preparadas com a Base Gelatinosa B (120” de desintegração), também foi possível afirmar que o extrato seco de C. aurantimum não interfere no tempo de desintegração das formulações. Sendo assim, a base Gomagron® deve ser a preterida para preparar as gomas medicamentosas de C. aurantimum (200 mg), como recurso terapêutico para o auxílio no tratamento terapêutico de paciente com sobre peso ou obesidade.

 

 


Keywords


Citrus aurantimum; pastilha gomosa ; estabilidade preliminar.

References


ALLEN,L.V.; The basics of compounding: compounding hard, soft and chewable troches/lozenges/drops. International journal of pharmaceutical compounding, v. 3, n. 6, p. 461, 1999.

ANSEL,H.C.;POPOVICH,N.G.;ALEN,J.R.L.V. Farmacotécnica: formas farmacêuticas e sistemas de liberação de fármacos. In: Farmacotécnica: formas farmacêuticas e sistemas de liberação de fármacos. 2000. p. 568-568.

BATISTA,F.M.;RISSIN,A.; A transição nutricional no Brasil: tendências regionais e temporais. Cadernos de saúde pública, v. 19, p. S181-S191, 2003.

BATISTUZZO,J.A.O.;ITAYA,M.;ETO,Y. Formulário Médico-Farmacêutico. 5ª ediçao. Pharmabooks, 2015.

BORGES,R.M.R.; Estudos de estabilidade e aceitabilidade de pastilhas orais de prednisolona. 2019. Tese de Doutorado

BRASIL. AGÊNCIA NACIONAL DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA. Resolução de Diretoria Colegiada (RDC) 67. Dispõe sobre as Boas Práticas de Manipulação de Medicamentos para Uso Humano em Farmácias e seus anexos. Diário Oficial da União. p. 1-58 2007.

BRASIL. Farmacopeia Brasileira. Agência Nacional de Vigilancia Sanitáia. 6 edição, volume.1 2019.

BRASIL. Formulário Nacional da Farmacopeia Brasileira. Ministério da Saúde. Agência Nacional de Vigilância Sanitária. 2.ed. Brasília: Anvisa, 2012. 224p

BRASIL. Formulário Nacional da Farmacopeia Brasileira. Ministério da Saúde. Agência Nacional de Vigilância Sanitária. 2.ed. Brasília: Anvisa. P. 224, 2012

Brasil. Resolução nº 01, de 29 de julho de 2005. Guia para a realização de estudos de estabilidade. [Internet]. Agência Nacional de Vigilância Sanitária. Poder Executivo, Brasília, DF, Diário Oficial da União, 01 ago. 2005

BRASIL. Farmacopeia Brasileira. Agência Nacional de Vigilancia Sanitáia. 6 edição, volume.1 2019.

CARVALHO, J.P. Estabilidade de Medicamentos no Âmbito da Farmacovigilância. Fármacos & Medicamentos, 2005

CARVALHO,A.C.B.; BALBINO, E. E.; MACIEL, A.; PERFEITO, J. P.S. Situação do registro de medicamentos fitoterápicos no Brasil. Revista brasileira farmacognosia. João Pessoa , v. 18, n. 2, p. 314-319, June 2008 .

CARVALHO,J.P.; Estabilidade de Medicamentos no Âmbito da Farmacovigilância. Fármacos & Medicamentos, 2005

CUNHA,A.C.S.; Ação do Citrus aurauntium e da Caralluma fimbriata no metabolismo lipídico. 2015. 34 f. Artigo (Nutrição), Universidade Católica de Brasília, Brasília,

DIAS,P.C.;HENRIQUES,P.;ANJOS,L.A.;BURLANDY,L.; Obesidade e políticas públicas: concepções e estratégias adotadas pelo governo brasileiro. Cadernos de Saúde Pública, v. 33, p. 1-12, 2017.

FAGRON,Disponivelem:https://br.fagron.com/sites/default/files/gomagron_mt_fagronbrasil.pdf. Acesso em 10 março 2020

FERREIRA, A. O. Guia prático da farmácia magistral. 2. ed. Juiz de Fora, 2002. BRASIL. Farmacopeia Brasileira. 6 edição, volume.1 2019.

INFINITYPHARMA,Disponívelhttps://infinitypharma.com.br/uploads/insumos/pdf/c/citrus-aurantium.pdf. Acesso em 02 dezembro 2020

ISAAC,V.L.B.,CEFALI,L.C.;CHIARI,B.G.;OLIVIERA,C.C.L.G.;SALGADO,H.R. N.;CORREA,M.A.; (2009). Protocolo para ensaios físico-químicos de estabilidade de fitocosméticos. Revista de Ciências Farmacêuticas básica e aplicada, v. 29 n.1 p. 81-96, 2008

LI, M. Photochemical Degradation. Organic Chemistry of Drug Degradation. 1st ed. The Royal Society of Chemistry, Cambridge, UK, p. 165-197, 2012.

LUCAS,R.R.;PEREIRA,F.F.;SANTOS,J.A.F.;CAVALCANTI,B. C. NOBRE JÚNIOR, H. V.; SILVA, G. R.; MAGALHÃES, H. I. F.. Fitoterápicos aplicados a obesidade, v. 11, n. 2, p. 473-492, 2016

MAMEDE, L.C.;CAETANO,B.L, ; ROCHA, L.A,; FERREIRA, E.M,;CESTARI, A.; KFURI,C.R,;CIUFFI,K.J.; CALEFI,P.S,; MELLO, C,;CUNHA,W.R,; Revista de Ciências Farmacêuticas Básica e Aplicada, v. 27, n. 2, p. 151-155, 2009.

MOISES,R.P.MARTINS,J.S.;SANTOS,P.N.;SILVA,G.A.;NETO,M.P.L. Tecnologia de Produção de Comprimidos. Fármacos e Medicamentos. Revista Interdisciplinar de Ciências Médicas. v. 7, n. 38, p. 38-46, 2006.

MORAIS,G.G.; Desenvolvimento e avaliação da estabilidade de emulsões O/A com cristais líquidos acrescidas de xantina para tratamento da hidrolipodistrofia ginóide (celulite). 2006. Tese de Doutorado. Universidade de São Paulo. p. 153. 2007.

MUSSATTO,S.I.;ROBERTO,I.C.; Xilitol: Edulcorante com efeitos benéficos para a saúde humana. Revista Brasileira de Ciências Farmacêuticas, v. 38, n. 4, p. 401-413, 2002.

OLIVEIRA,A.G.;SCARPA,M.V. Alteração e conservação de medicamentos. Infarma, Brasília, v. 9, n. 115, p. 11-17, 1999

PALUDETTI.L,A.; Formulário Rx: Gomas-Caramelos-Balas-Pastilhas. Saõ Paulo: RX Editora, 2008.p.24

PEDRO,C.C.;RIBEIRO,C.;ROCH,M.;SOTO,R.;DUARTE,R.;CAVALCANTE,S.M.

A.;MAGALHÃES,M.L.M. Relação entre as propriedades físico-químicas e a ação dos fármacos. Revista de ciência e tecnologia PROCET v. 3, n. 2, p. 144-153, 2013

POZZA,V.M.; KHALIL,N.M.; MAINARDES,R.M.; (2009). CONTROLE DE QUALIDADE DE CÁPSULAS DE CHÁ VERDE MANIPULADOS. Revista Salus. 3, n. 1, p. 15-19, 2009.

POZZA,V.M.;KHALIL,N.M.;MAINARDES,R.M.; CONTROLE DE QUALIDADE DE CÁPSULAS DE CHÁ VERDE MANIPULADOS. Revista Salus, v. 3, n. 1, p. 15-19, 2009.

PRADO,C.N.;NEVES,D.R.J.;SOUZA,H.D.;NAVARRO,F.; O uso de fitoterápicos no tratamento da obesidade. RBONE-Revista Brasileira de Obesidade, Nutrição e Emagrecimento, v. 4, n. 19, p.14-21, 2012.

REIS, A.M.M.; CAMPOSCarbonato de Cálcio. Rev. Bras. Farm., v.84, n.3, p.75-79, 2003.

SARTORELLI,D.S.;FRANCO,L.J.; Tendências do diabetes mellitus no Brasil: o papel da transição nutricional. Cadernos de saúde pública, v. 19, p. S29-S36, 2003.

SCHAYDEGGER,C.P.;GIVISIEZ,S.M.F.;MULLER,W.C.;SEVERI,J.A.;VILLANOVA,J.C.O. Desenvolvimento de goma medicamentosa de gelatina contendo extrato aquoso das cascas dos frutos da jabuticabeira. Revista Univap. v. 22, n. 40, p. 336, 2017.

SILVA,K.E.R.;ALVES,L.D.S.;SOARES,M.F.R.;PASSOS,R.C.S.;FARIA,A.R.;NETO,P.R.; Modelos de avaliação da estabilidade de fármacos e medicamentos para a indústria farmacêutica. Journal of Basic and Applied Pharmaceutical Sciences, v. 30, n. 2, 2009.

THOMPSON,J.E.;DAVIDOW,L.W.; A prática farmacêutica na manipulação de medicamentos. Artmed Editora, 2016

TRISSEL,L.A.; Trissel's stability of compounded formulations,6 th Edition.Nova Iorque: American Pharmacists Association. 2009.

WORLD HEALTH ORGANIZATIONl. Obesity: preventing and managing the global epidemic: report of a WHO consultation on obesity, Geneva, 3-5 June 1997. Geneva: World Health Organization, 1998.




DOI: https://doi.org/10.34119/bjhrv3n3-034

Refbacks

  • There are currently no refbacks.