A espondilite anquilosante e o componente especializado da assistência farmacêutica do Piauí / Anquilosante spondilite and the specialized component of pharmaceutical assistance of Piauí

Randerson da Conceição dos Santos, Marlane Almeida Silva, Ravena Maria Belchior de Sousa, Antonio Tito de Araújo Neto, Rogerio Almeida Machado, Thayse Tamara Carreiro Ayres, Luanda Sinthia Oliveira Silva Santana, Francisca das Chagas Araújo

Abstract


A espondilite anquilosante (EA) é uma doença inflamatória crônica que acomete preferencialmente a coluna vertebral, podendo evoluir com rigidez e limitação funcional progressiva do esqueleto axial. Geralmente acomete adultos jovens, com um maior predomínio em pacientes do sexo masculino, de cor branca, e em indivíduos positivos ao antígeno de histocompatibilidade HLA B27; a mesma altera a qualidade de vida do paciente, acarretando diferentes graus de incapacidade física, social, econômica ou psicológica, dependendo de sua atividade e gravidade. Justifica-se a realização do estudo mediante a importância de disponibilizar fontes de informações para ampliar e melhorar a acessibilidade no SUS, contribuindo para que o indivíduo portador dessa patologia possa ter uma melhor qualidade de vida. O presente estudo teve como objetivo avaliar o perfil farmacoepidemiológico dos portadores de EA cadastrados no SUS, no âmbito do Componente Especializado da Assistência Farmacêutica (CEAF) de Teresina-PI. O estudo tem caráter descritivo e observacional do tipo transversal, utilizando uma abordagem quantitativa. Os dados foram coletados do CEAF-PI de Teresina por meio do sistema Hórus, juntamente com a avaliação dos processos dos pacientes em estudo. A pesquisa foi composta por 124 pacientes, sendo a maioria homens, na faixa etária em torno de 40 anos e os principais medicamentos utilizados foram: adalimumabe 40 mg, etanercepte 50 mg, metotrexato 2,5 mg, infliximabe 10 mg e sulfassalazina 500 mg. Em relação ao hemograma, não houve alterações significativas nas hemácias, leucócitos e plaquetas, assim como não houve mudanças nas enzimas hepáticas TGO e TGP. Por fim, foi possível realizar uma análise completa do perfil farmacoepidemiológico e laboratorial dos pacientes portadores de EA, além da realização de uma correlação da doença em seus aspectos clínicos e laboratoriais por meio de hemograma e avaliação das transaminases hepáticas. Os dados epidemiológicos e laboratoriais coletados e analisados nesse estudo estão de acordo com a literatura científica consultada e são de suma importância para o conhecimento do perfil dos pacientes com EA em tratamento, contribuindo, dessa forma, para o direcionamento de ações efetivas para o cuidado destes pacientes.


Keywords


Espondilite Anquilosante; Farmacoepidemiologia; Assistência Farmacêutica.

References


Sampaio-Barros PD, Carvalho MAP, Azevedo VF, Campos WR, Carneiro SCS, Giorgi RDN, Gonçalves CR, Hilário MOE, Keiserman MW, Leite NH, Pereira IA, Vilela EG, Xavier RM, Ximenes AC. Espondiloartropatias: espondilite Anquilosante e artrite psoriásica. Rev Bras Reumatol. 2004; 44(6):464-469.

Van der Heijde D, Landewé R, Einstein S, Ory P, Vosse D, Ni L, Lin SL, Tsuji W, Davis JC Jr. Radiographic progression of ankylosing spondylitis after up to two years of treatment with etanercept. Arthritis Rheum. 2008; 58(5):1324-1331.

Percival D, Sampaio-Barros, Valderílio FA, Rubens B, Wesley RC, Sueli CSC, Marco Antonio P, Carvalho, Célio RG, Maria OEH, Mauro WK, Nocy HL, Karen M, Eduardo SM, Walber PV, Antonio Carlos X. Consenso Brasileiro de Espondiloartropatias: espondilite anquilosante e artrite psoriásica diagnóstico e tratamento - primeira revisão. Rev Bras Reumatol. 2007; 47(4):233-242.

Weber U, Lambert RG, Ostergaard M, Hodler J, Pedersen SJ, Maksymowych WP. The diagnostic utility of magnetic resonance imaging in spondylarthritis: An international multicenter evaluation of one hundred eighty‐seven subjects. Arthritis Rheum. 2010; 62(10):3048-58.

Zochling J, Van der Heijde D, Dougados M, Braun J. Current evidence for the management of ankylosing spondylitis: a systematic literature review for the ASAS/EULAR management recommendations in ankylosing spondylitis. Ann Rheum Dis. 2006; 65(4):423-432.

Armada L, Boechat LH. À Comissão Nacional de Incorporação de Tecnologias no SUS – Conitec. Brasília, DF, Ministério da Saúde, 2013.

McLeod C, Bagust A, Boland A, Dagenasis P, Dickson R, Dundar R, Dundar Y, Hill RA, Jones A, Mujica MR, Walley T. Adalimumab, etanercept and infliximab for the treatment of ankylosing spondylitis: a systematic review and economic evaluation. Health Technol Assess. 2007; 11(28):1-58.

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância à Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Diretrizes e recomendações para o cuidado integral de doenças crônicas não transmissíveis: promoção da saúde, vigilância, prevenção e assistência. Brasília, Ministério da Saúde, 2008.

CONASS. Conselho Nacional de Secretários de Saúde. Assistência Farmacêutica no SUS. Coleção Para Entender a Gestão do Programa de Medicamentos de Dispensação em Caráter Excepcional. Brasília: CONASS, 2004.

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Ciência, Tecnologia e Insumos Estratégicos. Departamento de Assistência Farmacêutica e Insumos Estratégicos. Relação Nacional de Medicamentos Essenciais: RENAME 2013. Brasília, Ministério da Saúde, 2013.

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Secretaria de Ciência, Tecnologia e Insumos Estratégicos. Protocolo Clínico e Diretrizes Terapêuticas de Espondilite Ancilosante: Portaria nº 7, de 17 de julho de 2017. Brasília, Ministério da Saúde, 2017

Costa KS, Nascimento Jr JM. HÓRUS: Inovação tecnológica na Assistência Farmacêutica no Sistema Único de Saúde. Rev Saúde Pública. 2012; 46(supl 1):91-99.

Lopes S, Costa S, Mesquita C, Duarte J. Programas de exercício no domicílio e em grupo em doentes com espondilite anquilosante: revisão sistemática. Acta Reumatol Port. 2016; 41:104-11.

Azevedo VF, Chayanne NR, Pedro GL, Mariana YT, Bruna F, Denizar VA. Custos diretos e indiretos do tratamento de pacientes com espondilite anquilosante pelo sistema público de saúde brasileiro. Rev Bras Reumatol. 2016; 56(2):131-7.

Imboden JB, Stone JH. Current reumatologia: diagnóstico e tratamento. São Paulo, SP: AMGH Editora; 2014.

Aydin E, Bayraktar K, Turan Y, Omurlu I, Tastaban E, Sendur OF. Qualidade do sono em pacientes com espondilite anquilosante. Rev Bras Reumat. 2015; 55(4):340-345.

Machado NP, Nogueira E, Oseki K, Ebbing PCC, Origassa CST, Mohovic T, Câmara NOS, Pinheiro MM. Características clínicas e frequência de polimorfismos em TLR4 em pacientes brasileiros com espondilite anquilosante. Revi Bras de Reumatol. 2016; 56(5):432-440.

De Sá CFL, Capela JILDA, Pires ESDMA. Papel actual da reabilitação na Espondilite Anquilosante. Revista da Sociedade Portuguesa de Medicina Física e de Reabilitação. 2010; 19(2):45-51.

Frauendorf, R, Pinheiro MM, Ciconelli RM. Variáveis relacionadas com perda da produtividade no trabalho em pacientes com espondilite anquilosante. Rev Bras Reumatol. 2013; 53(3):303-309.

Rugienė R, Kirdaité G, Grazuleviciute E, Dadoniené J. The quality of life and functional ability in patients with ankylosing spondylitis. Acta medica lituanica, 2008; 15(2).

Maksymowych WP, Chiowchanwisawakit P, Clare T, Pedersen SJ, Ostergaard M, Lambert RG. Inflammatory lesions of the spine on magnetic resonance imaging predict the development of new syndesmophytes in ankylosing spondylitis: evidence of a relationship between inflammation and new bone formation. Arthritis Rheum. 2009; 60(1):93-102.

Haroon N, Inman RD. Ankylosing spondylitis: new criteria, new treatments. Bull NYU Hosp Jt Dis. 2010; 68(3):171-4.

Titton DC, Silveira IG, Louzada-Junior P, Hayata AL, Carvalho HMS, Ranza R, Rezende LS, Pinheiro GC, Santos JLF, Miranda JR, Carvalho JF, Bertolo MB, Freire M, Scheinberg MA, Skare TL, Fernandes V, Bianchi W, Laurindo IMM. Registro brasileiro de biológicos: processo de implementação e resultados preliminares do BiobadaBrasil. Rev Bras Reumatol. 2011; 51(2):145-60.

Machado MAÁ, Maciel AA, Lemos LLP, Costa JO, Kakehasi AM, Andrade EIG, Cherchiglia ML, Acurcio FA. Adalimumabe no tratamento da artrite reumatoide: uma revisão sistemática e metanálise de ensaios clínicos randomizados. Rev Bras Reumatol. 2013; 53(5):419-430.

Campos Neto OH, Acurcio FA, Machado MAÁ, Ferré F, Barbosa FLV, Cherchiglia ML, Andrade ELG. Médicos, advogados e indústria farmacêutica na judicialização as saúde em Minas Gerais, Brasil. Rev Saúde Pública. 2012; 46(5): 784-90.

Martins NA. Espondilite anquilosante com critérios de Nova Iorque modificados e o exercício físico: revisão sistémica de ensaios clínicos controlados com metanálises [dissertação]. Coimbra: Universidade de Coimbra: 2012.

Van der Heijde D, Sieper J, Maksymowych WP, Dougados M, Burgos-Vargas R, Landewé R, Rudwaleit M, Braun J. 2010 Update of the international ASAS recommendations for the use of anti-TNF agents in patients with axial spondyloarthritis. Ann Rheum Dis. 2011; 70(6):905-908.

Zochling J. Assessment and treatment of ankylosing spondylitis: current status and future directions. Curr Opin Rheumatol. 2008; 20(4):398-403.




DOI: https://doi.org/10.34119/bjhrv3n3-072

Refbacks

  • There are currently no refbacks.