A importância da relação família-escola na educação inclusiva de aluno com deficiência / The importance of the family-school relationship in the inclusive education of students with disabilities

Camila Ramos Brandão da Silva, Carolina Ferreira Barros Klumpp

Abstract


A presente pesquisa tem como objetivo principal refletir sobre a relação família-escola no que se refere ao processo de inclusão escolar do aluno com deficiência. A escola no contexto da educação inclusiva deve propor um modo de organização do sistema educacional que considere as necessidades de todos os alunos, sendo estruturado em função dessas necessidades. Essa proposta é de extrema importância já que é na escola que a criança evolui enquanto indivíduo inserido em uma sociedade. Além da escola, a família também possui total importância para o processo de desenvolvimento do aluno, já que a aprendizagem opera de acordo com o modelo sistêmico familiar, do qual a criança está inserida, desempenhando assim, funções e expectativas mútuas. Sendo a escola e a família espaços para o desenvolvimento da criança com e/ ou sem deficiência intelectual, fez-se necessário a reflexão sobre a relação entre ambas no que diz respeito à questão da empatia, através da perspectiva de comunidade proposta por Carneiro (2011), a qual argumenta que é necessário que haja uma relação de parceria entre as mesmas, deixando de lado o modelo hierárquico em que a escola assume poder sobre a família. Para a melhor compreensão desta questão, serão apresentados casos provenientes de atendimento psicopedagógico, nos quais em três houve o comprometimento nesta relação, evidenciando que quando não se estabelece de forma saudável essa empatia, o processo de inclusão escolar do aluno pode ser prejudicado. Desta forma, este estudo conclui que a relação empática entre escola e família pode facilitar o processo de inclusão, pois tanto a família quanto a escola podem trabalhar como parceiras visando o mesmo objetivo: o desenvolvimento das potencialidades do aluno com deficiência e sua consequente inclusão.


Keywords


Inclusão; Família; Escola; Ensino-aprendizagem.

References


ARIÈS, Philippe. História social da criança e da família. Trad. Dora Flaksman. 2ª edição. Rio de Janeiro: Zahar Editores, 1981. p.279.

BRASIL. Lei nº 9.394/96, de 20 de dezembro de 1996. Estabelece as Diretrizes e Bases da Educação Nacional. Diário Oficial da União, Brasília, 20 de dezembro de 1996.

Brasil. Secretaria de Educação Básica. Diretoria de Apoio à Gestão Educacional. Pacto Nacional pela Alfabetização na Idade Certa. Currículo na perspectiva da inclusão e da diversidade: as Diretrizes Curriculares Nacionais da Educação Básica e o ciclo de alfabetização. Caderno 01 / Ministério da Educação, Secretaria de Educação Básica, Diretoria de Apoio à Gestão Educacional. – Brasília: MEC, SEB, 2015. 104 p.

BRASIL; BRASIL. Resolução nº 4, de 2 de outubro de 2009. Institui Diretrizes Operacionais para o Atendimento Educacional Especializado na Educação Básica, modalidade Educação Especial. 2009.

CARNEIRO, S. F. B. VIVÊNCIA COMUNITÁRIA EM EDITH STEIN. Kairós - Revista Acadêmica da Prainha Ano VIII/2, Jul/Dez 2011.

CASTRO, CELSO ANTÔNIO PINHEIRO DE. Sociologia geral. São Paulo: Atlas, 2000.

F. F. Sisto, E. Boruchovitch; L. D. T. Fini; R. P. Brenelli, & S. C. Martinelli (Orgs.), Dificuldades de aprendizagem no contexto psicopedagógico (pp. 19- 39). Petrópolis: Vozes, 2001.

FERNÁNDEZ, Alicia. Os idiomas do aprendente. Porto Alegre: Artes Médicas, 20011.

FERRARI; S., ZAHER; V. L.; GONÇALVES; M. de J. O nascimento de um bebê prematuro ou deficiente: questões de bioética na comunicação do diagnóstico. Psicologia USP [online]. São Paulo, vol.21, n.4, p. 781-808, 2010

MONTOAN, M. T. E. Inclusão escolar: o que é? Por quê? Como fazer? 2. ed. São Paulo: Moderna, 2006.

MONTOAN, M. T. E. Integração x Inclusão: Escola (de qualidade) para Todos. Departamento de Metodologia de EnsinoLaboratório de Estudos e Pesquisas em Ensino e Diversidade - LEPED/UNICAMP. Campinas, 1993.

MUNHOZ, MARIA Luiza Puglisi. Educação e famíla numa visão psicopedagógica sistêmica. In: MUNHOZ, MARIA Luiza Puglisi (Org). Questões familiares em temas de Psicopedagogia. São Paulo: Memnon, 2003.

OLIVEIRA, PÉRSIO SANTOS DE. Introdução à sociologia da educação. 03.ed. São Paulo: Ática, 2003.

PACHECO, Lílian; SISTO, Fermino Fernandes. Ajustamento social e dificuldade de aprendizagem. Psic, São Paulo , v. 6, n. 1, p. 43-50, jun. 2005 . Disponível em . acessos em 03 maio 2020.

PIANTINO, L. D. Escola e família: um comportamento comum em educação. In: Ensaios Pedagógicos: Construindo Escolas Inclusivas. Brasília: Ministério da Educação, 2005.

Rego, T. C. (2003). Memórias de escola: Cultura escolar e constituição de singularidades. Petrópolis, RJ: Vozes.

SANTOS, M, P. A Inclusão e as Relações entre a Família e a Escola. ESPAÇO – Informativo Técnico do INES, no. 11, jun/99, pp.40-43




DOI: https://doi.org/10.34119/bjhrv3n3-055

Refbacks

  • There are currently no refbacks.