Reflexões sobre o suporte emocional do enfermeiro no processo de tanatologia / Reflections on the emotional support of nurses in the process of tanatology

Jefferson Carlos de Olivieira, Bárbara Carine Matos Felipe, Giovanna de Oliveira Barbosa, Tatiane Pereira dos Santos, Jaqueline Santos Viana

Abstract


A morte é um evento biológico que encerra uma vida, e pode suscitar pensamentos dirigidos pela emoção e reações emocionais propiciando no indivíduo sentimentos adversos com a perda. Objetivo: Apresentar estratégias e mostrar que o profissional enfermeiro necessita de suporte emocional e psicológico tanto quanto o paciente e seus familiares. Método: Trata-se de um estudo de cunho de revisão integrativa, realizado em 2018, dentre o período de 2013 a 2017, nas bases de dados Literatura Latino-Americana e do Caribe em Ciências da Saúde (LILACS), Scientific Electronic Library (SCIELO), BDENF (Base de dados em Enfermagem), MEDLINE (Literatura Internacional em Ciências da Saúde), nos idiomas português, espanhol e inglês, de acordo com os descritores: Morte, Enfermeiro, Emoção, Tanatologia, sendo os critérios de inclusão textos completos e gratuitos, dentro do período estabelecido com os devidos resumos, os critérios de exclusão, foram os artigos fora do período e da temática, livros, teses, dissertações. Resultado: os resultados apontam que esta temática precisa ser mais falada, que ainda possui aspectos que precisam ser discutidos dentro das instituições como também nas graduações. Conclusão: evidenciar ações que beneficiam a relação entre o profissional e o paciente, ajudando no processo morte e morrer que é um momento complicado para ambos. Trabalhar o emocional do profissional para se ter um certo amadurecimento na hora da perda, e não ficar se autojulgando culpado.


Keywords


Enfermeiro, Morte, Apoio Emocional, Espiritualidade.

References


ABRÃO. F.M.S, et al. Representações sociais de enfermeiros sobre a religiosidade ao cuidar de pacientes em processo de morte. Revista Brasileira de Enfermagem. Revista Brasileira de Enfermagem. Brasília, v.66, n.5, p. 730-737. 2013. Disponível em: < http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0034-71672013000500014 > Acesso em: outubro/2018.

ARRIEIRA, et al. Espiritualidade e o processo de morrer: reflexões de uma equipe multidisciplinar de cuidados paliativos. Avances en Enfermería. Colômbia, v. 34, n.2, p. 137-147. 2016. Disponível em: < http://www.scielo.org.co/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0121-45002016000200003&lng=en&nrm=iso&tlng=pt > Acesso em: setembro/2018.

BASTOS. R, et al. Vivências dos enfermeiros frente ao processo de morrer: uma metassíntese qualitativa. Revista Portuguesa de Enfermagem de Saúde Mental. Porto, n.17, p.58-64, 2017. Disponível em: < http://www.scielo.mec.pt/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1647-21602017000100008 > Acesso em outubro/2018.

BENEDETTI. G.M.S, et al. Significado do processo morte/morrer para os acadêmicos ingressantes no curso de enfermagem. Revista Gaúcha de Enfermagem. Porto Alegre, v.34, n.1, p.178-179. 2013. Disponível em:< http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1983-14472013000100022 > Acesso em: outubro/2018.

BORGES. M.S; MENDES.N. Representações de profissionais de saúde sobre a morte e o processo de morrer. Revista Brasileira de Enfermagem. Brasília, v.65, n.2, p.324-331. 2012. Disponível em: < http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0034-71672012000200019 > Acesso em setembro/2018.

BRÊTAS. J.R.S.; OLIVEIRA. J.R.; YAMAGUTI.L. Reflexões de estudantes de enfermagem sobre morte e o morrer. Revista Escola de Enfermagem USP. São Paulo, v.40, n.4, p.477-483. 2006. Disponível em: Acesso em: agosto/2018.

DIAS. V.D, et al. Formação do enfermeiro em relação ao processo de morte-morrer: percepções à luz do pensamento complexo. Revista Gaúcha de Enfermagem. Porto Alegre, v.35, n.4, p.79-85. 2014. Disponível em: < http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S1983-14472014000400079&script=sci_arttext&tlng=pt> Acesso em: outubro/2018.

FERNANDES. M.F.P.; KOMESSU. J.H. Desafios do enfermeiro diante da dor e do sofrimento da família de pacientes fora de possibilidades terapêuticas. Revista Escola de Enfermagem USP. São Paulo, v.47, n.1, p.250-257. 2013. Disponível em: < http://www.scielo.br/pdf/reeusp/v47n1/a32v47n1.pdf> Acesso em: agosto/2018.

GOMES.R. K; OLIVEIRA.V.B. Depressão, ansiedade e suporte social em profissionais de enfermagem. Boletim de Psicologia. São Paulo, v.513, n.138, p.023-033. 2013. Disponível em: < http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0006-59432013000100004 > Acesso em: setembro/2018.

HOHENDORFF.J. V; MELO.W.V. Compreensão da morte e desenvolvimento humano: contribuições á psicologia hospitalar. Estudos e Pesquisas em Psicologia. Rio de Janeiro, v.9, n.2, p.480-492. 2009. Disponível em: < http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1808-42812009000200014 > Acesso em: setembro/2018.

LIMA. M.G.R, et al. Revisão integrativa: um retrato da morte e suas implicações no ensino acadêmico. Revista Gaúcha de Enfermagem. Porto Alegre, v.33, n.3, 190-197. 2012. Disponível em: < http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S1983-14472012000300025&script=sci_arttext&tlng=pt > Acesso em: setembro/2018.

PERDIGON. A.G.C; STRASSER. G. El proceso de muerte y la enfermería: un enfoque relacional. Reflexiones teóricas en torno a la atención frente a la muerte. Revista de Saúde Coletiva. Rio de Janeiro, v.25, n.2, p. 485-500, 2015. Disponível em: < http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S0103-73312015000200485&script=sci_abstract&tlng=es > Acesso em: outubro/2018.

ROSA. S.S.; COUTO. S.A. O enfrentamento emocional do profissional de enfermagem na assistência ao paciente no processo de terminalidade da vida. Revista Enfermagem Contemporânea. Salvador, v.4, n.1, p.92-104. 2015. Disponível em: Acesso em: agosto/2018.

SALUM. M.E.G. et al. Processo de morte e morrer: desafios no cuidado de enfermagem ao paciente e família. Revista da Rede de Enfermagem do Nordeste. Santa Catarina, v.18, n.4, p.528-535. 2017. Disponível em: < http://periodicos.ufc.br/rene/article/viewFile/20280/30814 > Acesso em: agosto/2018.

SOUSA. D.M, et al. A vivência da enfermeira no processo de morte e morrer dos pacientes oncológicos. Texto contexto – Enfermagem. Florianópolis, v.18, n.1, p.41-47. 2009. Disponível em: < http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0104-07072009000100005&lng=en&nrm=iso&tlng=pt > Acesso em setembro/2018.

SOUZA, Marcela Tavares de; SILVA, Michelly Dias da; CARVALHO, Rachel de. Revisão integrativa: o que é? Como fazer isso?. Einstein (São Paulo) , São Paulo, v. 8, n. 1, p. 102-106, março de 2010. Disponível em . acesso em 22 de abril de 2020. https://doi.org/10.1590/s1679-45082010rw1134 .

TONETTO, Aline Maria; GOMES, William Barbosa. A prática do psicólogo hospitalar em equipe multidisciplinar. Estud. psicol. (Campinas), Campinas, v. 24, n. 1, p. 89-98, março de 2007. Disponível em . acesso em 22 de abril de 2020. https://doi.org/10.1590/S0103-166X2007000100010.

VIEIRA. T.A, et al. Cuidado paliativo ao cliente oncológico: percepções do acadêmico de enfermagem. Revista Online de Pesquisa. Rio de Janeiro, v.9, n.1, p.175-180. 2017. Disponível em: < http://seer.unirio.br/index.php/cuidadofundamental/article/view/5329/pdf_1 > Acesso em: novembro/2018.




DOI: https://doi.org/10.34119/bjhrv3n3-053

Refbacks

  • There are currently no refbacks.