Análise Ergonômica do Trabalho em uma empresa prestadora de serviços de reparo e manutenção de veículos automotores localizada no Centro Oeste mineiro / Ergonomic Analysis of Work in a company providing automotive vehicle repair and maintenance services located in the Midwest of Minas Gerais

Letícia Fátima de Castro, Leandro Ferreira Figueiredo, Gustavo Alves de Melo, Maria Gabriela Mendonça Peixoto, Samuel Borges Barbosa

Resumo


O trabalho no setor de serviços mecânicos possui muitas atividades que exigem esforço físico para transportar peças e realizar tarefas. Um dos segmentos corporais que sofre maior exigência em trabalhos com estas características é o segmento lombar da coluna vertebral. O presente estudo foi realizado em uma empresa prestadora de serviços de reparo e manutenção em veículos automotores localizada em uma cidade do centro-oeste mineiro. Deste modo, aplicou-se métodos de análise ergonômica do trabalho como OWAS e o questionário nórdico, e a partir dos dados coletados, analisou-se o grau de riscos físicos dos trabalhadores da oficina mecânica ao realizarem manutenção e/ou orçamentos em veículos com problemas nos motores. Além disso, identificou-se uma série de necessidades de melhorias relativas ao ambiente de trabalho, incluído a variabilidade da temperatura, iluminação, ruídos, gerenciamento das operações, organização e limpeza do interior da empresa. A partir dos diagnósticos levantados, foi possível propor intervenções que propiciem melhorias no posto de trabalho estudado.


Palavras-chave


Ergonomia, posto de trabalho, OWAS, Questionário Nórdico, serviços mecânicos.

Texto completo:

PDF

Referências


ABRAHÃO, Júlia Issy; SILVINO, Alexandre Magno Dias; SARMET, Maurício Miranda. Ergonomia, cognição e trabalho informatizado. Psicologia: teoria e pesquisa, v. 21, n. 2, p. 163-171, 2005.

ABRAHÃO, Júlia Issy; PINHO, Diana Lúcia Moura. Teoria e prática ergonômica: seus limites e possibilidades. Escola, saúde e trabalho: estudos psicológicos, p. 229-240, 1999.

CHIAVENATO, Idalberto. Gestão de Pessoas: O novo papel dos recursos humanos nas organizações. Rio de Janeiro: Elsevier, 2008.

CRUZ, V. C. et al. Aplicação do método OWAS e análise ergonômica do trabalho em um segmento de uma empresa de grande porte situada no município de Campos dos Goytacazes. 2016.

FALCÃO, Aline et al. Análise ergonômica do trabalho: o caso de uma serraria na metade sul do Rio Grande do Sul. Revista GEPROS, n. 4, p. 59, 2011.

FERREIRA, Mário César. Ergonomia da Atividade aplicada à Qualidade de Vida no Trabalho: lugar, importância e contribuição da Análise Ergonômica do Trabalho (AET). Revista Brasileira de Saúde Ocupacional, v. 40, n. 131, 2015.

FERREIRA, M. C.; RIGHI, Carlos Antônio Ramires. Análise ergonômica do trabalho. Dicionário de Trabalho e Tecnologia. Porto Alegre: Editora da UFRGS, p. 26-30, 2006.

GERHARDT, Ademir Eloi et al. Diagnóstico para o gerenciamento dos resíduos sólidos em oficina mecânica: estudo de caso em concessionária do município de Frederico Westphalen–RS. Revista Monografias Ambientais, v. 13, n. 1, p. 2899-2908, 2014.

GIANESI, Irineu GN; CORRÊA, Henrique Luiz. Administração estratégica de serviços: operações para a satisfação do cliente. 1994.

GIL, A. C. Como elaborar projetos de pesquisa. 4. ed. São Paulo: Atlas, 2002.

IIDA, Itiro; WIERZZBICKI, Henri AJ. Ergonomia, Projeto e produção. 2ª ed. São Paulo: Edgard Blücher, 2005.

KLIEMANN, Matheus Puppo; DOS SANTOS FERREIRA, Mario. Análise ergonômica do trabalho em célula de produção de componentes automotivos: abordagem top-down e bottom-up. Revista da Graduação, v. 3, n. 1, 2015.

KUORINKA, Ilkka et al. Standardised Nordic questionnaires for the analysis of musculoskeletal symptoms. Appliedergonomics, v. 18, n. 3, p. 233-237, 1987.

LEAL FERREIRA, Leda. Sobre a análise ergonômica do trabalho ou AET. Revista Brasileira de Saúde Ocupacional, v. 40, n. 131, 2015.

LEMOS, Lucia Castro. Prevalência de queixas de dores osteomusculares em motoristas de caminhão que trabalham em turnos irregulares. 2009. Tese de Doutorado. Universidade de São Paulo.

Ministério da Economia. Norma Regulamentadora Nº 17 - Ergonomia. 2019. Disponível em: http://trabalho.gov.br/seguranca-e-saude-no-trabalho/normatizacao/normas-regulamentadoras/norma-regulamentadora-n-17-ergonomia. Acesso em: 24 abr. 2019

PAVLOVIC-VESELINOVIC, Sonja; HEDGE, Alan; VESELINOVIC, Matija. An ergonomic expert system for risk assessment of work-related musculo-skeletal disorders. InternationalJournalof Industrial Ergonomics, v. 53, p. 130-139, 2016.

PERAÇA, Daniele Peraça. Análise ergonômica do trabalho: aplicação no setor de tratamento de águas em uma empresa de geração termelétrica. 93 p. 2016. Trabalho de Conclusão de Curso (Graduação em Engenharia de Produção) – Universidade Federal do Pampa, Bagé, 2016.

PINHEIRO, Fernanda Amaral; TRÓCCOLI, Bartholomeu Torres; CARVALHO, Cláudio Viveiros de. Validação do Questionário Nórdico de Sintomas Osteomusculares como medida de morbidade. Revista de Saúde Pública, v. 36, p. 307-312, 2002.

PIZO, Carlos Antonio; MENEGON, Nilton Luiz. Ergonomic work analysis and the scientific recognition of knowledge generated. Production, v. 20, n. 4, p. 0-0, 2010.

ORMELEZ, Camilla Rosa; ULBRICHT, Leandra. Análise ergonômica do trabalho aplicada a um posto de trabalho com sobrecarga física. Revista Uniandrade, v. 11, n. 2, p. 69-84, 2013.

SILVA, Edna Lúcia da; MENEZES, EsteraMuszkat. Metodologia da pesquisa e elaboração de dissertação. 2001.

WAINER, Jacques et al. Métodos de pesquisa quantitativa e qualitativa para a Ciência da Computação. Atualizaçãoeminformática, v. 1, p. 221-262, 2007.

WILSON, J. R., CORLETT, E. N. Evaluation of Humano Work: A Pratctical Ergonomics Methodology. 3 ed.Cornwall: CRC Press, 2005.




DOI: https://doi.org/10.34140/bjbv2n2-008

Apontamentos

  • Não há apontamentos.