Dimensões da ação empreendedora: abordagens teóricas para análise do projeto empreendedor / Dimensions of the entrepreneurial action: theoretical approaches for the analysis of an entrepreneurial project

Silvia Alexandra Peña González, Maria Alicia Peña González, Viviana Lucía Farfán Quezada

Resumo


O presente artigo propõe uma revisão de literatura sobre abordagens pertinentes à análise da ação empreendedora. Busca-se verificar e problematizar as dimensões do empreendedor e os fatores do sucesso ou fracasso, atribuídos em diferentes perspectivas de estudo, tendo como cenário o ambiente de empreendedorismo e inovação dentro de startups. O escopo teórico estrutura-se nas seguintes linhas de reflexão e análise: (1) o sucesso de um projeto inovador depende da habilidade do empreendedor para projetar, planejar e tomar decisões com base na racionalidade e intuição de seus líderes; (2) o sucesso de uma inovação pode ser explicado a partir da capacidade dos líderes para criar relações, como rede entre as diferentes partes interessadas sob o modelo de “interessement”, sob a visão da Teoria do Ator Rede; (3) o sucesso do projeto inovador depende da capacidade do empreendedor para associar e harmonizar os aspectos sociais e técnicos, visando garantir o desempenho de um sistema socio-técnico de forma autônoma; (4) uma análise situada da atividade empreendedora a partir da noção da enação, que considere diferentes dimensões para explicitar os elementos associados às escolhas e decisões do empreendedor. Correlacionadas às teorias apresentadas, destacam-se algumas manifestações da cultura de empreendedorismo de startups, tais como Lean Startup, Design Thinking, Mínimo Produto Viável e Pivotar, entre outros, os quais estão sendo difundidos dentro do ecossistema de empreendedorismo tecnológico. Assim, o objetivo desta pesquisa teórica e bibliográfica é provocar uma discussão ontológica abrangente e atualizada das perspectivas para analisar o sucesso ou fracasso da inovação no empreendedorismo tecnológico, relacionando perspectivas sociais e técnicas, e contribuindo com uma reflexão crítica sobre os temas estudados. As considerações finais apontam a que os estudos da inovação não podem ser reduzidos a um modelo mecânico, racional e individualista, é necessário um entendimento de uma assemblage das linhas de reflexão estudadas, como forma de facilitar a compreensão dos elementos incorporados na atividade empreendedora em cenários distintos de inovação.


Palavras-chave


empreendedorismo, enação, inovação, Teoria Ator Rede.

Texto completo:

PDF

Referências


AKRICH, M., CALLON, M.,& LATOUR, B. (2002). The key to success in innovation.InternationalJournalofInnovation Management, 6,2 (June), pp. 187-225.

BENACOUCHE, T. (1999).Tecnologia é Sociedade: Contra a noção de impacto tecnológico.Cadernos de Pesquisa, nº. 17, PPGSP/UFSC.

BLANK, S. (2013). Why de Lean Startup changes everything?Harvard Business Review.

BLANK, S. (2015).Lean Innovation Management – Making Corporate Innovation Work.

CALLON, M. (1986). The Sociology of an Actor-Network: The Case of the Electric Vehicle.M. Callon; J. Law y A. Rip.

CAMPOS, N.,& DUARTE, M. (2013). A dimensão social da atividade emprendedora. Cadernos de Psicologia social do trabalho. Vol. 6. 13-23.

DORNELAS, J. (2012). Empreendedorismo: transformando ideias em negócios. Rio

de Janeiro: Campus.

DRUCKER, P. (1987).Inovação e Espírito Empreendedor (entrepreneurship): prática e princípios. Trad. De Carlos Malferrari. 2ª edição. São Paulo: Pioneira.

FILION, L. (2000).Empreendedorismo e gerenciamento: processos distintos, porém complementares. RAE, v. 7. n. 3. p. 2-7, jul./set.

HISRICH, R., PETERS, M.& SHEPHERD, D. (2005). Entrepreneurship.Sexta edición,

McGraw Hill, Madrid.

HUGHES, T. (1987).The Evolution of Large Technological System. New directions in the sociology and history of technology. MIT Press, Cambridge (MA), pp. 51-82.

KLINE, S.,&ROSENBERG, N. (1989).An Overview of Innovation, in: Landau, R., Rosenberg, N. (Eds.), The Positive Sum Strategy: Harnessing Technology for Economic Growth. National Academies Press, Washington, 1989.

LATOUR, B. (1999). Actor-Network Theory and After. On Recalling ANT. In John Law and John Hussard (eds.) Oxford: Blackwell.

LATOUR, B. (2000). When things strike back: a possible contribution of sciences studiesto the social science. British Journal of Sociology, 51 (1 January/ March), 107-124.

LAW, J. (2004). After method: Mess in social science research. London: Routledge.

LAW, J. (2007). Actor-Network Theory & Material Semiotics. Version of April 25th

LAW, J., & LIEN, M. (2013). Slippery: Field notes in empirical ontology. Social StudiesofScience, 43(3), 363–378.

MATURANA, H., VARELA, F.(1995). De máquinas y seres vivos. "Autopoiesis": la organización de lo vivo. Tercera edición, Editorial Universitaria, col. "El Mundo de las Ciencias", Santiago de Chile.

MEYER, J. (2012). Welcome to entrepreneur country.Constable & Robinson Ltd., London.

MOL, A. (2002). The body multiple: ontology in medical practice.Duke UniversityPress: Durham and London.

NIETO, M. (2003). Características dinámicas del proceso de innovación tecnológica en la empresa. Investigaciones Europeas de dirección y economía de la empresa, Vol. 9, Nro. 3, pp. 139-156.

PETROSKI, H. (1992).A evolução das coisas úteis. Random House Inc. New York.

RIES, E. (2012).A startup enxuta: como os empreendedores atuais utilizam a inovação contínua para criar empresas extremamente bem-sucedidas /; [tradução Texto Editores]. – São Paulo: Lua de Papel.

ROSENBERG, N. (1982).Inside the black box. Technology and economics. Cambridge University Press, Cambridge. vc. (1993): Dentro de la caja negra. Tecnología y economía, La Llar del Libre, Barcelona.

SCHUMPETER, J. (1950). Capitalism, socialism and democracy. New York: Harper y Brothers.

SCHUMPETER, J. (1961).Teoria do desenvolvimento. Rio de Janeiro. Cultura.

SCHUMPETER, J. (1984).A teoria do desenvolvimento econômico. 2ª Ed. São Paulo: Nova Cultura.

SIMONDON, G. (1958).Du mode d’existence des objets techniques. Paris: Aubier.

SIMONDON, G. (1989)L’individuationpsychique et collective Aubier. Breteuil‐sur‐Iton. 293pag.

SWEDBERG, R. (2000). Entrepreneurship. The Social Science View. Oxford: Oxford University Press.

VARELA, F. (1989).Autonomie et Connaissance. Paris: Seuil, 1989.

VINCK D. (2010). Innovación. El papel de los usuarios y de la sociedad. PACTE Politique – Organisations, Université de Grenoble, 2010.

WALSHAM, G. (1997).Actor-Network Theory and IS Research: Current Status and Future Prospects. InformationSystems and QualitativeResearch. ISBN : 978-1-4757-5487-2.




DOI: https://doi.org/10.34140/bjbv2n2-003

Apontamentos

  • Não há apontamentos.