Indicador de desenvolvimento de ecoeficiência das empresas listadas no índice de carbono eficiente da bolsa de valores, mercadorias e futuros de São Paulo / Eco-efficiency of listed companies in development indicator index of carbon efficient stock exchange, goods and Sao Paulo future

Francisco Santana de Sousa, Alba Zucco

Resumo


O objetivo deste estudo foi a construção de uma métrica, baseada no cálculo da ecoeficiência das empresas listadas no Índice de Carbono Eficiente ( ) da Bolsa de Valores, Mercadorias e Futuros de São Paulo (BMVBOVESPA), para a construção de um índice que melhor reflita o compromisso e a prática do Tripé da Sustentabilidade, assim definida por Elkington (2012), denominado de Índice de Desenvolvimento de Ecoeficiência Empresarial (IDECOE). A hipótese testada foi a de que a ecoeficiência relaciona a riqueza gerada pelas empresas versus a quantidade de gases de efeito estufa, seria o melhor quantitativo para construir o modelo do IDECOE. Trata-se de um estudo descritivo e documental fundamentado em dados publicados pelas empresas nos seus relatórios econômico-financeiros e nos relatórios de inventários dos gases de efeito estufa (IPCC). Foram selecionadas as empresas listadas no  da BMFIBOVESPA, com a exclusão daquelas que apresentavam outliers, no ano de 2013. Os resultados sugerem que o IDECOE classificou, numa escala que varia de 0 (zero) até 1 (um), as empresas que melhor geraram riqueza com um mínimo de emissão de gases de efeito estufa.


Palavras-chave


Ecoeficiência, Gases de efeito estufa, Índice de Carbono Eficiente, Bolsa de Valores de São Paulo, Tripé da Sustentabilidade.

Texto completo:

PDF

Referências


Andrade, A., & Rossetti, J. P. (2009). Governança corporativa (4a ed.). São Paulo: Atlas.

Associação Brasileira de Normas Técnicas. (2013). NBR ISO 14064. Rio de Janeiro: ABNT.

Almeida, M. C. (2010). Interpretação contábil da lei societária. São Paulo: Atlas.

Banco Nacional de Desenvolvimento Social. (2010). Índice de carbono. Rio de Janeiro/BNDES.

Bolsa de Valores, Mercadorias e Futuros da Bolsa de Valores de São Paulo - BM&FBOVESPA. (2013a). Índice de Carbono Eficiente. São Paulo. Recuperado em 15 de julho, 2015, de

www.bmfbovespa.com.br/Indice/ResumoIndice.aspx?Indice=&Opcao=O&idioma=pt-br

Bolsa de Valores, Mercadorias e Futuros da Bolsa de Valores de São Paulo BM&FBOVESPA. (2013b). Índice de gás carbônico. São Paulo.

Bolsa de Valores, Mercadorias e Futuros da Bolsa de Valores de São Paulo - BM&FBOVESPA. (2013c). Relatórios econômico-financeiros. São Paulo.

Braga, C. (Org.). (2010). Contabilidade ambiental.São Paulo: Atlas.

Comissão Mundial Sobre o Meio Ambiente e Desenvolvimento. (1991). Nosso Futuro Comum. (2a. ed.). Rio de Janeiro: FGV.

Convenção das Nações Unidas sobre Mudanças Climáticas. (1997). Protocolo de Kyoto.

De Lucca, M. M. M. (1998). Demonstração do valor adicionado: do cálculo da riqueza criada pela empresa ao valor do PIB. São Paulo: Atlas.

Dias, R. (2010). Gestão ambiental: responsabilidade social e sustentável. São Paulo: Atlas.

Elkington, J. (2012). Canibais com garfo e faca. São Paulo: Brooks.

Godoy, A. V. (2010). A eficácia do licenciamento ambiental como um instrumento público de gestão e meio ambiente. São Paulo: OAB Editora.

Goldemberg, J. (Org.) (2010a). Energia e desenvolvimento sustentável. São Paulo: Blucher.

Goldemberg, J. (Org.) (2010b). Energia nuclear e sustentabilidade. São Paulo: Blucher.

Brasil.Lei 6.404, de 15 de junho de 1976. Dispõe sobre as sociedades por ações. Brasília, 1976. Recuperado em 15 de julho, 2015, de http://www3.dataprev.gov.br/sislex/paginas/42/1976/6404.htm

Brasil.Lei 11.638, de 28 de outubro de 2007. Altera e revoga dispositivos da Lei no 6.404, de 15 de dezembro de 1976, e da Lei no6.385, de 7 de dezembro de 1976, e estende às sociedades de grande porte disposições relativas à elaboração e divulgação de demonstrações financeiras. Brasília, 2007. Recuperado em 15 de julho, 2015, de http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2007-2010/2007/lei/l11638.htm

Leite, P. R. (2009). Logística Reversa: meio ambiente e competitividade. São Paulo: Prentice Hall.

Marques, J. J. L. (2002). Análise Input-output como instrumento de avaliação dos impactos das medidas de redução de emissões de CO2. Dissertação de Mestrado, Universidade de Aveiro, Departamento de Ambiente e Ordenamento, Aveiro, Portugal.

Neumann, C. (2015). Engenharia da produção: produção mais limpa e ecoeficiência. Rio de Janeiro: Campus/Elsevier.

Programa Brasileiro de GHG Protocol (2013). Registro Público de Emissões de Gases de Efeito Estufa. São Paulo: FGV.

Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD). (2006). Relatório de Desenvolvimento Humano. Rio de Janeiro: Atlas

Responsabilidade e verificação de gases de efeito estufa. Barueri: São Paulo.

Santos. A. (2003). Demonstração do valor adicionado. São Paulo: Atlas.

Sachs, I. (2004). Desenvolvimento includente, sustentável e sustentado. Rio de Janeiro: Garamond.

Sousa, F. S., Pereira, R. S., & Zucco, A. (2012a). Análise do índice de sustentabilidade empresarial - ISE: um estudo exploratório comparativo com o IBOVESPA. Encontro Nacional de Gestão Empresarial e Meio Ambiente - ENGEMA, São Paulo, 14.

Sousa, F. S., Souza, M. T. S., Bovo, C. R. M. (2012b). Análise do retorno teórico de carteira de ativos por meio do modelo CAPM: estudo comparativo da rentabilidade do ISE com o IBOVESPA. Encontro Nacional de Gestão Empresarial e Meio Ambiente - ENGEMA, São Paulo, 14.

Sousa, F. S., Zucco, A.; Tomé, I. M., & Pereira, R. S. (2014, julho-setembro). Análise do índice de sustentabilidade empresarial - ISE: um estudo comparativo com o IBOVESPA. Connexio: Revista Científica da Escola de Gestão e Negócios da Universidade Potiguar, 4, (edição especial), pp. 145 - 159.

United Nations Environment Programme - Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente. Intergovernmental Panel on Climate Change (IPCC). (2012). Brasília: UNEP.

World Business Council for Sustainable Development (2013). Conselho Empresarial Mundial para o Desenvolvimento Sustentável. Recuperado em 15 julho, 2015, de www. wbcsd.org.




DOI: https://doi.org/10.34140/bjbv2n2-020

Apontamentos

  • Não há apontamentos.