Ações antrópicas observadas no Ribeirão da Penha município de Itapira – SP e medidas mitigadoras de preservação desse corpo d’água / Anthropic actions observed in Ribeirão da Penha municipality of Itapira - SP and mitigation measures for the preservation of this body of water

Anderson Martelli, Paula De Souza Guimarães, Paulo Henrique Barbosa, Lucas Pereira Gardinali, Denis Augusto Mathias, Raíssa Magalhães de Souza, Edgar Manuel Miranda Samudio

Resumo


A ciência tem demonstrado que a vida no planeta Terra teve seu início na água e esta, constitui a molécula predominante nos organismos vivos. É impossível conceber alguma forma de vida em sociedade que dispense a utilização da água. O Ribeirão da Penha é o principal curso d’água de onde é captado a água para tratamento e distribuição para o município de Itapira-SP. Assim, é retratado nesse artigo as ações antrópicas observadas nesse corpo d’água em sua extensão localizada na área urbana do município e as medidas mitigadoras de preservação. Foi observado resíduos sólidos domésticos, plásticos e da construção civil dispostos irregularmente em suas margens, assim como, em seu espelho d’água, vegetação exótica invasora da espécie leucena em muitos pontos e indústrias instaladas em sua área de preservação permanente. Muitas ações de preservação estão sendo realizadas por parte da Secretaria de Meio Ambiente, Serviço Autônomo de Água e Esgoto e membros da sociedade civil como coleta e destinação de resíduos sólidos, plantio de árvores e substituição das espécies exóticas por árvores nativas. Essas ações visam à qualidade e o aumento da oferta de água desse ribeirão visando qualidade de vida para a população de Itapira.


Palavras-chave


Água, Ribeirão da Penha, Proteção, Itapira.

Texto completo:

PDF

Referências


ALVES, J. S.; REIS, L. B. O.; SILVA, E. K. C.; FABRICANTE, J. R.; SIQUEIRA FILHO, J. A. Leucaenaleucocephala (Lam.) de Wit. In: FABRICANTE, J. R. Plantas exóticas e exóticas invasoras da Caatinga. Florianópolis: Bookes, v. 4, p. 13-18, 2014.

ANDRADE, J.; SANQUETTA, C. R.; UGAYA, C. Identificação de Áreas Prioritárias para Recuperação da Mata Ciliar na UHE Salto Caxias. Espaço Energia, n. 3, 2005.

BRASIL, Novo Código Florestal, Lei n° 12.651, de 25 de maio de 2012. Disponível em: Acesso em: 02 de Jan de 2017.

CALDA, S. A. B.; SAMUDIO, E. M. M. Água de reuso para fins industriais: Estudo de caso. Revista Brasil para Todos. v. 3, n. 2, 2016.

CARNAÚBA, T. M. G. V. Sugestões de Estudos para Gerenciamento de Resíduos Sólidos. Apostila do Curso de pós-graduação de “Lato sensu” – Engenharia Ambiental. Maceió, 2012.

COLAUTTI, R. I.; MacISAAC, H. J. A neutral terminology to define ‘invasive’ species. DiversityandDistributions. v. 10, p. 135-141, 2004.

CUNHA, F. C. Educação ambiental: uma descrição das ações realizadas no município de Cruz das Almas (BA). Revbea, São Paulo, v. 13, n. 3, p. 76-95, 2018.

DUARTE, M. B. C. P.; SANTOS, M. F. P,; FALCÃO, N. A. M.; SANTOS, A. C. M. O trabalho de campo na recuperação da mata ciliar do Riacho Gulandim. Anais do I Colóquio Internacional de Educação Geográfica e do IV Seminário Ensinar Geografia na Contemporaneidade. v. 1, n. 1, 2018.

FRANCO A. A., SOUTO, S. M. Leucaenaleucocephala: uma leguminosa com múltiplas utilidades para os trópicos. Seropédica: EMBRAPA-UAPNBS, 1986. 7 p. (EMBRAPAUAPNPBS. Comunicado Técnico, 2).

GARDINALLI, L. P.; MANZI, D. Redução de vazamentos após instalação de vrp’s nacidade de Itapira – SP. XIX Exposição de Experiências Municipais em Saneamento – ASSEMAE, 2015.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA – IBGE Cidades: Censo 2010 Disponível em: Acesso em 09 de abril, 2020.

INSTITUTO FLORESTAL – SIFESP: Sistema de Informações Florestais do Estado de São Paulo, 2009. Disponível em: Acesso em: 10 jan. 2017.

MARTELLI, A. et al. Reconstituição da mata ciliar de uma área nas margens do Ribeirão da Penha município de Itapira–SP e minimização da ação antrópica local Engenharia Ambiental - Espírito Santo do Pinhal, v. 10, n. 2, p. 131-142, mar./abr. 2013.

MARTELLI, A.; CARDOSO, M. M. Educação ambiental na reconstituição da mata Ciliar do Ribeirão da Penha e aumento da arborização urbana no município de Itapira – SP. Revista Eletrônica em Gestão, Educação e Tecnologia Ambiental - REGET v. 18, n.1, Abr 2014, p.353-360.

MARTELLI, A.; MARTELLI, F. P.; OLIVEIRA, J. A. Educação Ambiental em Comemoração ao Dia Mundial da Água no Município de Itapira – SP. v. 3, n.2, 2013.

MARTELLI, A.; OLIVEIRA, R.; OLBI, F.; GIOVELLI, F. A. Ações de Educação Ambiental na Preservação do Ribeirão da Penha Município de Itapira – SP. UNICIÊNCIAS, v. 22, n. 2, p. 110-114, 2018.

MARTELLI, et al. Plano Municipal de Mata Atlântica Itapira – SP. Lei nº 5.812, de 29 de agosto de 2019.

OJEDA, K. C.; SIQUEIRA, F. M. B.; PINTO, A. A. S. Diagnóstico ambiental da área de preservação permanente no alto curso do córrego do São Gonçalo, Cuiabá/MT. IV Congresso Brasileiro de Gestão Ambiental Salvador/BA, 2013.

OLIVA JÚNIOR, E. F.; SOUZA, I. S. Os impactos ambientais decorrentes da ação antrópica na nascente do Rio Piauí - Riachão do Dantas/SE. Revista Eletrônica da Faculdade José Augusto Vieira, Ano V, n. 7, 2012.

PENATTI, N. C. Consumo Sustentável. Disponível em: Acesso em: 28 fev. 2013.

PILICIONI, A. F. Trajetória do Movimento Ambientalista. In: Curso de gestão ambiental, pg 19. ed. Manole, 2004.

REIGADA, R.; REIS, M. F. C. T. Educação ambiental para crianças no ambiente urbano: uma proposta de pesquisa-ação. Ciência & Educação,v. 10, n. 2, p. 149-159, 2004.

RIBEIRO, V. M.; PIROLI, E. L. Utilização de sistema de informação geográfica para análise do uso, ocupação e suscetibilidade a erosão da bacia hidrográfica do Ribeirão da Penha. Universidade Estadual Paulista “Júlio de Mesquita Filho” Campus Experimental de Ourinhos. Gerenciamento de Recursos Hídricos e Planejamento Ambiental em Bacias Hidrográficas, 2012.

ROSA, J. C. S.; et al. O Acúmulo De Lixo no Aglomerado da Serra: Uma Visão de Comunidades do Entorno do Parque Municipal das Mangabeira. Revista Sinapse Ambiental, vol.7, n.2, dezembro, 2010.

SECRETARIA DE MEIO AMBIENTE E RECURSOS HÍDRICOS – SEMARH. Recomposição Florestal de Matas Ciliares. Salvador: Gráfica Print Folhes, 3.ed. 2007.

SILVA, C. B.; LIPORONE, F. Deposição Irregular de Resíduos Sólidos Domésticos em Uberlândia: Algumas Considerações. Revista Eletrônica de Geografia, Uberlândia, v. 2, n. 6, p.22-35, abr. 2011.

SILVEIRA, A. F. Estudos de Vulnerabilidade Sócio-Ambiental e Usos do Território na Microbacia do Ribeirão da Penha - Itapira-SP. Disponível em: Acesso em 20 abr, 2020.

SOUZA, S. A. Água juridicamente sustentável: um estudo sobre a educação ambiental como instrumento de efetividade do programa de conservação e uso racional da água nas edificações de Curitiba/PR. Revista Meio Ambiente e Sustentabilidade. v. 1 n. 1, jan - jun 2012.

TERRES, C. A.; MÜLLER, M. M. L. Proposta de recuperação de área degradada às margens do Arroio do Engenho na Vila Concórdia, Guarapuava – PR. UNICENTRO - RevistaEletrônicaLatoSensu, n. 5, 2008.

VALÉRY, L.; FRITZ, H.; LEFEUVRE, J-C.; SIMBERLOFF, D. In search of a real definition of the biological invasion phenomenon itself. Biological Invasions. v. 10, p. 1345-1351, 2008.




DOI: https://doi.org/10.34188/bjaerv3n2-007

Apontamentos

  • Não há apontamentos.