Bem-estar de animais de laboratório e seu impacto nas pesquisas científicas / Laboratory animal welfare and its impact on scientific research

Fabiano Kreston de Paiva Assis, Jean Henrique Nunes de Paula, Lucas Matos Martins Bernardes, Rafael Borges Rosa, Sandra Gabriela Klein, Serena Mares Malta, Murilo Vieira da Silva

Resumo


Desde os primórdios da humanidade, existe uma relação muito próxima entre humanos e animais. Essa interação ao longo dos anos favoreceu os homens, desejosos de entender sua existência, a ver os animais como uma fonte para a compreensão de diferentes fenômenos biológicos. Existem relatos do uso de animais em experimentação desde os séculos IV e III a.C. Entre 384-322 a.C, Aristóteles realizou estudos de dissecção com intuito de observar possíveis diferenças nos órgãos internos entre diferentes espécies animais. Centenas de anos se passaram e ainda hoje, os animais são utilizados como modelos experimentais para o estudo de diferentes doenças. Grande parte destas, ainda precisam ser melhor compreendidas, como diferentes processos neoplásicos, infecções emergentes causadas pelos vírus da dengue, zika, chikungunya e SARS-CoV-2, doenças metabólicas como diabetes, gota, entre outras. Assim, o uso de animais em pesquisas se mostra essencial, e a alegação de que os modelos experimentais possam ser completamente substituídos por métodos alternativos é lúdica. Dada a impossibilidade de não usar animais, entramos em um campo ético sobre o uso de animais em protocolos experimentais, visando a manutenção do bem-estar animal. Para isso, é primordial sempre buscar usar técnicas humanitárias na experimentação animal, condição evidente no trabalho intitulado: The principles of Humane Experimental Technique, publicado por dois cientistas ingleses, Willian Russell e RexBurch em 1959, sintetizado em três palavras: (replacement) substituição, (reduction) redução e (refinement) refinamento, o norte para experimentação animal. Neste artigo, apresentamos uma breve reflexão sobre a experimentação animal e sua importância para o desenvolvimento da ciência, bem como a necessidade de garantir o bem-estar dos animais submetidos a protocolos experimentais.


Palavras-chave


ética, ciência animal, métodos alternativos, refinamento

Texto completo:

PDF

Referências


BROOM, D.; JHONSON, K. G. Stress and Animal Welfare. London: Chapman & Hall, 1993. p.211.

FOX, J. G.; BENNETT, B. T. Laboratory Animal Medicine: Historical Perspectives. In: Laboratory Animal Medicine. China: Elsevier, 2015. cap. 1, p. 1-20.

MACEDO BRAGA, L. M. G. Três Rs. In: LAPICHI, V.VB.V.; MATTARAIA, V.G.M.; KO, G. M. Cuidados e Manejo de animais de laboratório. Rio de Janeiro: Editora Atheneu, 2017. cap. 3, p.25-33.

RIVERA, E. A. B. Bem-estar de Animais de Laboratório. In: LAPICHI, V.VB.V.; MATTARAIA, V.G.M.; KO,G. M. Cuidados e Manejo de animais de laboratório. Rio de Janeiro: Editora Atheneu, 2017. cap. 4, p.35-45.

RIVERA, E. A. B. Ética na Experimentação Animal. In: Andrade, A.; Pinto, S. C.; Oliveira, R. S. Animais deLaboratório Criação e Experimentação. Rio de Janeiro: Editora Fiocruz, 2002. cap. 3, p. 25-28.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.