Gerenciamento de resíduos veterinários em laboratórios de ensaio para anemia infecciosa equina / Waste management in veterinary testing laboratories for equine infectious anemia

Ricardo Bordin, Nilva Lúcia Rech Stedile, Vania Elisabete Schneider

Resumo


A problemática dos resíduos de serviços de saúde vem sendo amplamente discutida nas últimas décadas e é alvo de vários instrumentos legais, resolutivos e normativos, o que vem consolidando políticas, particularmente no Brasil para esta temática. Os resíduos veterinários estão enquadrados dentro da temática geral, porém não tem sido discutida com a mesma ênfase que outras fontes geradoras, à exemplo dos hospitais e clínicas de assistência à saúde humana. Neste contexto, este artigo tem por objetivo examinar as formas de manejo de RSS em um laboratório de diagnóstico de Anemia Infecciosa Equina (AIE), de forma a contribuir com a elaboração de um Plano de Gerenciamento que não apenas atenda as exigências legais, mas que possa ser utilizado como norteador das condutas profissionais nesta área. Trata-se de um estudo de caso de um laboratório de diagnóstico da AIE. Os resultados mostram que são gerados diferentes tipos de resíduos, incluindo químicos, comuns e infectantes, sendo o maior contingente desta última categoria, o que exige a implementação de normas de biossegurança e boas práticas laboratoriais. Ressalta-se a necessidade de capacitação profissional para lidar com segurança com os resíduos decorrentes deste tipo de laboratório, para o qual este trabalho poderá contribuir.


Palavras-chave


Resíduos veterinários, Laboratórios de Diagnóstico Equino, Anemia infecciosa Equina, Resíduos de Serviços de Saúde

Texto completo:

PDF

Referências


BRASIL. Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa). Resolução da Diretoria Colegiada n° 222 de 29 março de 2018. Regulamenta as Boas Práticas de Gerenciamento dos Resíduos de Serviços de Saúde e dá outras providências. Disponível em: http://portal.anvisa.gov.br/documents/10181/3427425/RDC_222_2018_.pdf/c5d3081d-b331-4626-8448-c9aa426ec410 Acesso em: 18 mar. 2020.

BRASIL. ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS (ABNT). NBR 10004. Resíduos sólidos: Classificação. Rio de Janeiro, 2004.

BRASIL. Conselho Nacional de Meio Ambiente (Conama) Resolução nº 358/05. Dispõe sobre o tratamento e a disposição final dos resíduos dos serviços de saúde e dá outras providências. Brasília, 2005.

BRASIL. Lei n° 12305, 02 de agosto de 2010, Institui a Política Nacional de Resíduos Sólidos; altera a Lei n° 9605, de 12 de fevereiro de 1998; e dá outras providências.

Diário Oficial da República Federativa do Brasil, Brasília, DF, v. 147, p. 3, 2011.

CAMARGOS, M. F. Seminário de monitoramento de anemia infecciosa equina. Minas Gerais: 2011.

COOK, R.F. et al. Equine infectious anemia and equine infectious anemia virus in 2013: a review. Veterinary Microbiology, v.167, n.1-2, p.181-204, 2013. Available from: https://www.sciencedirect.com/science/article/pii/S0378113513004707?via%3Dihub Accessed: Mar. 19, 2020. doi: 10.1016/j.vetmic.2013.09.031.

INMETRO. Instituto Nacional de Metrologia. Reconhecimento da Conformidade aos Princípios das BPL. Disponível em http://www.inmetro.gov.br/monitoramento_BPL/reconhecimento_BPL.asp Acesso em 20/03/2020.

ISSEL, C.J. et al. Equine infectious anemia in 2014: live with it or eradicate it? Veterinary Clinics North America: Equine Practice, v.30, n.3, p.561-577, 2014. Available from: https://www.sciencedirect.com/science/article/pii/S0749073914000601?via%3Dihub . Accessed: Mar. 19, 2020. doi: 10.1016/j.cveq.2014.08.002

JARDIM, W.F. As indústrias químicas e a preservação ambiental. In: Revista de Química Industrial: 1993. p.16-18.

Organização Mundial da Saúde (OMS). Manual de segurança biológica em laboratório. 3. ed. Genebra, 2004.

OURO FINO. Anemia Infecciosa Equina AIE. Disponível em: http://www.ourofino.com/blog/anemia-infeciosa-equina-aie. Acesso em: 15 jul. 2014.

QUIMIDIROL. Documentos. Disponível em: http://www.quimidrol.com.br/site/pt/home/>. Acessado em: 06 nov. 2014.

OLIVEIRA, K. S. et al. Disposal of animal healthcare services waste in southern Brazil: One Health at risk. Saúde debate, Rio de Janeiro , v. 43, n. spe3, p. 78-93, Dec. 2019. Available from . access on 19 Mar. 2020. Epub Jan 13, 2020.

PEDRO, A. F. P. Política Nacional de Resíduos Sólidos. Fonte: Valor Econômico.

Disponível em: http://www.sissaude.com.br/sis/inicial. Acesso em: 21 dez. 2010.

PEREIRA, C. D. S. Diagnóstico do gerenciamento de resíduos sólidos de serviços de saúde nos estabelecimentos veterinários de Mossoró-RN. Dissertação de Mestrado. Universidade Federal Rural do Semi-Árido, Mossoró, RN. 2014.

REIS, M. A. et al . Conhecimento, prática e percepção sobre o gerenciamento de resíduos de serviços de saúde em estabelecimentos médicos veterinários de Salvador, Bahia. Rev. bras. saúde prod. anim., Salvador , v. 14, n. 2, p. 287-298, June 2013 . Available from http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1519-99402013000200004&lng =en& nrm=iso . access on: 19 Mar. 2020. https://doi.org/10.1590/S1519-99402013000200004.

SCHNEIDER, V.E. Sistemas de gerenciamento de resíduos sólidos de serviços de saúde: contribuição ao estudo das variáveis que interferem no processo de implantação, monitoramento e custos decorrentes. Tese de doutorado, Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS). Porto Alegre, RS. 2004.

STEDILE, N. R. S.; SCHNEIDER, V. E.; DE CONTO, S. M.; HENKES, A. J.; MALDOTTI, A. C. P. S.; PAIZ, J. C.; KAPPES, A. C. Gerenciamento de resíduos de serviços de saúde em diferentes fontes geradoras: uma questão de saúde individual e coletiva. In Resíduos de serviços de saúde: um olhar interdisciplinar sobre o fenômeno. SCHNEIDER, V. E; STEDILE, N. L. R. S. (Org.). Caxias do Sul, Educs, 2015. pg. 351.

TEIXEIRA, P.; VALLE, S. Biossegurança: Uma abordagem multidisciplinar. Rio de Janeiro. Fiocruz, 1996.

VIANA, I. D. Mapeamento de processos geradores de resíduos em um biotério na perspectiva de avaliação de ciclo de vida. Dissertação de Mestrado, Centro Federal de Educação Tecnologia Celso Suckow da Fonseca, CEFET/RJ, Rio de Janeiro, RJ. 211 p., 2011


Apontamentos

  • Não há apontamentos.