Resíduos madeireiros gerados pelo processamento mecânico em municípios de Mato Grosso / Wood waste generated by mechanical processing in Mato Grosso municipalities

Zaíra Morais dos Santos Hurtado de Mendoza, Pedro Hurtado de Mendoza Borges, Pedro Hurtado de Mendoza Morais, Raíssa Roberta Vênega Lopes dos Santos

Resumo


A indústria madeireira é a quarta economia do estado de Mato Grosso e a base econômica de 40 municípios, os quais são responsáveis por 33% da receita gerada por atividades madeireiras com espécie nativa da Amazônia Legal. A produção de resíduo é uma agravante dentro dessa atividade, o que vem provocando no setor, uma busca constante para atender as legislações vigentes de minimização dos impactos ambientais. Os resíduos dessa atividade são produzidos tanto na colheita florestal quanto no processamento mecânico da tora. Nesse processamento, o coeficiente de rendimento para a conversão da tora em madeira serrada fica em torno de 50%, os outros 50% são considerados resíduos. Sendo assim, a pesquisa teve como objetivo fazer um levantamento sobre o volume de resíduos gerados durante o processamento mecânico da tora, e quais espécies florestais são mais utilizadas. Os dados para o estudo foram fornecidos pelo Centro das Indústrias Produtoras e Exportadoras de Madeira do Estado de Mato Grosso – CIPEM.  Na parte de volumetria de resíduos madeireiros, os valores foram referentes ao primeiro semestre de 2018, já para a análise das espécies os dados corresponderam ao período de 2008 a 2018. As informações foram processadas no programa R. Concluiu-se que os municípios mato-grossenses que geraram o maior volume de resíduos madeireiros foram Sinop, Colniza e Marcelândia. Em relação à matéria-prima, ficou constatado que por mais de uma década, o estado teve como base econômica madeireira onze espécies arbóreas, sendo o Cedrinho (Erisma uncinatum) e o Cambará (Qualea sp.) as mais exploradas.


Palavras-chave


Amazônia Legal, espécies nativas, madeira serrada.

Texto completo:

PDF

Referências


ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DA INDÚSTRIA DE MADEIRA PROCESSADA MECANICAMENTE (ABIMCI). Estudo Setorial. STCP/SYNTEKO, Curitiba – PR, 2018.

https://abimci.com.br/wp-content/uploads/2019/04/estudo-setorial-2009.pdf

BATISTA, D. C.; SILVA, J.G.M.; CORTELETTI, R.B. Desempenho de uma Serraria com base na eficiência e na amostragem do trabalho. Floresta e Ambiente, v. 20, n. 2, p. 271-280, 2013. http://dx.doi.org/10.4322/floram.2013.005

CERQUEIRA, P. H. A.; VIEIRA, G. C.; BARBERENA, I. M.; MELO, L. C.; FREITAS, L. C. Análise dos Resíduos Madeireiros Gerados Pelas Serrarias do Município de Eunápolis - BA. Floresta e Ambiente, Seropédica – RJ, v.19, n. 4, p. 506-510, 2012.http://dx.doi.org/10.4322/floram.2012.051

CIPEM – Centro das Indústrias produtoras e Exportadoras de Madeiras de Mato Grosso. Dados do Setor: Setor de Base Florestal registra crescimento no comércio de produtos.2018.https://www.cipem.org.br/video/madeira-de-mato-grosso-dados-do-setor/

DIAS, R. Marketing ambiental: ética, responsabilidade social e competitividade nos negócios. São Paulo: Atlas, 2007, 232p.

DUTRA, R. I. J. P.; do NASCIMENTO, S. M.; NUMAZAWA, S. Resíduos de Indústria Madeireira: Caracterização, Consequências sobre o Meio Ambiente e Opções de Uso. Revista Científica Eletrônica de Engenharia Florestal, ed. 5, p. 1-19, 2005.

http://faef.revista.inf.br/imagens_arquivos/arquivos_destaque/7kc54tJmvnT43dW_2013-4-25-14-47-28.pdf

GORGONHA, E. N. Levantamento da situação das indústrias madeireiras no município de Nova Maringá, Mato Grosso. (Monografia de graduação) – Cuiabá: UFMT. 2015.

MACHADO, G. B. Não geração, redução, reutilização, reciclagem e tratamento de resíduos de madeira. Portal resíduos sólidos, 2014.

MELO, R. R.; ROCHA, M. J.; JUNIOR, F. R.; STANGERLIN, D. M. Análise da influência do diâmetro no rendimento em madeira serrada de cambará (Qualea sp.). Pesquisa Florestal Brasileira, Colombo, v. 36, n. 88, p. 393-398, 2016. http://dx.doi.org/10.4336/2016.pfb.36.88.1151

MENDOZA, Z. M. S. H.; BORGES, P. H. M.; PIERIN, L. C. Coeficiente de rendimento em madeira serrada de oito espécies nativas de Mato Grosso. Nativa, v.5, esp., p.568-573, dez. 2017. http://dx.doi.org/10.5935/2318-7670.v05nespa16

MIRANDA, N. M.; MATTOS, U. A. O. Revisão dos Modelos e Metodologias de Coleta Seletiva no Brasil. Sociedade & Natureza, Uberlândia, MG, v.30, n.2, p.1-22, mai. /ago. 2018. https://doi.org/10.14393/SN-v30n2-2018-1

PAIXÃO, C. P. S.; FERREIRA, E.; STACHIW, R. Produção e destinação dos resíduos gerados em serrarias no município de Rolim de Moura - RO. Revista Brasileira de Ciências da Amazônia, v. 3, n. 1, p. 47-56, 2014.

http://www.periodicos.unir.br/index.php/rolimdemoura/article/view/1181

QGIS Development Team. QGIS Geographic Information System. Open Source Geospatial Foundation Project. 2020. http://www.qgis.org/

R Development Core Team. R: A language and environment for statistical computing. Vienna: R Foundation for Statistical Computing. ISBN: 3900051-07-0. 2019.

http://www.R-project.org.

SANTOS C. C.; SILVA I. C.; ZINELLI M. R.; MOUZINHO J. S. A indústria madeireira e a geração de resíduos no município de Alta Floresta - MT. Revista de Ciências Agro-Ambientais, Alta Floresta MT, v.10, n.1, p.23-30, 2012.

SCHIOCHET, R. O. A Evolução do Conceito de Marketing “Verde”. Revista Meio Ambiente e Sustentabilidade, Curitiba, PR, vol.15, n.7, jun./dez., p. 21-35, 2018.

SEBRAE – Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas. O que são resíduos (e o que fazer com eles). Ano 2018.

https://m.sebrae.com.br/sites/PortalSebrae/artigos/o-que-sao-residuos-e-o-que-fazer-com-eles,ca5a438af1c92410VgnVCM100000b272010aRCRD

SECRETARIA DE ESTADO DE MEIO AMBIENTE DE MATO GROSSO (SEMA/MT), 2018. - Dados do Setor. https://www.sema.rs.gov.br/servicos-e-informacoes

ULIANA, L. R. Diagnóstico de resíduos na produção de móveis: subsídios para a gestão empresarial. Dissertação de Mestrado – Escola Superior de Agricultura “Luiz de Queiroz”. – Piracicaba-SP, 2005. 101p.

VASCONCELLOS G. F. Biomassa: A eterna energia do futuro. 1ª Ed. São Paulo: Senac, 2002. 142 p. ISBN 85-7359-236-2.

VITAL, B. R. Planejamento e operação de serrarias. Viçosa, MG: UFV, 2008. 211 p.

WOLDMAR, R. Análise Técnica e Econômica da Cadeia da Madeira no Mato Grosso como Foco na Região Noroeste. Relatório Final. Instituto de Pesquisa Ambiental da Amazônia – IPAM, 2016.

http://reflorestamentoecarbono.com.br/wp-content/uploads/2016/04/11-analise-tecnico-economica-da-cadeia-da-madeira-na-regiao-no-do-mt-ipam.pdf

ZOLDAN, M.A.; LIMA, C.A.P. A classificação sustentável dos resíduos madeireiros otimizando os processos- Estudo de Caso. ABREPO- Associação Brasileira de Engenharia de Produção. Bento Gonçalves, RS. 2012.




DOI: https://doi.org/10.34188/bjaerv3n2-018

Apontamentos

  • Não há apontamentos.